domingo, 23 de setembro de 2012

Amor à Ilusão


Não consigo escrever sobre amor, pois estou envenenado,
Possuído e enfeitiçado por seu sorriso.
Tudo que relatei em poesia se transformou, exceto os olhos que amo tanto
E o amor que ainda sinto explodindo em seu canto.

Não consigo escrever algo de qualidade, pois não penso...
Penso apenas em seu rosto – perfeito, a meu ver.
O silêncio de todas as noites me ajuda a imaginar seu amor
E, por isso, me apaixono cada vez mais, até que não sei como lhe esquecer.

Imagino momentos que não vivi
E dias em que não sorri,
Só para ter um momento de felicidade ao seu lado,
Ao menos em pequenos instantes inventados.

Imagino um beijo incerto
Para nunca lhe perder.
Imagino você aqui perto...
Para realizar seus mais abstratos sonhos.

Não consigo descrever a beleza que penso, pois estou doente,
Preso à escuridão, livre do poente.
Tudo que escrevo vem do acaso e não tenho força poética para me auxiliar.
Sou miserável de tudo e não tenho mais do que reclamar.

Não consigo escrever tudo que sinto, pois estou confuso,
Apaixonado e ocluso por você.
Tudo o que vejo são seus traços e um doce encanto que não sei se existe
Por isso sou feliz, romântico, alegre e triste.

Imagino momentos que não vivi
E dias em que não sorri,
Apenas para ter você, meu amor, para idolatrar,
Sendo sua ilusão minha única forma possível de amar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário