terça-feira, 20 de novembro de 2012

Acordar

As vozes que me perseguem em sonhos
Anunciam minha partida,
Mas nunca estive ali.
Nunca andei pelas estradas que me guiaram
Durante horas afias, sem que me descobrisse
No onirismo de minha mente.

E, de um leve saltar,
De um leve suspiro,
Acabei erguendo-me para um novo dia
Sem que lembrasse qualquer coisa, simplesmente.


Nenhum comentário:

Postar um comentário