quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Poética de Quinta


Vou escrever um poema para encontrar meus versos escondidos.
Vou escrever para me libertar
Do corpo que, acorrentado,
Grita pelo breve respirar, uma vez prometido.

Vou escrever um poema para libertar minha alma vazia
De todas as críticas da oposição,
Dos porcos de vasta malcriação
E dos que regalam-me com a perdição da mais-valia.

Vou escrever versos vãos e banais:
Eu te amo, eu vivo, eu morro,
Sou isso ou aquilo...
Somos todos Reais.

Vou escrever para os amigos e para a solidão.
Lembrarei seus nomes e seus lugares
Para que lembrem-se de mim
                                                          
                                                        ou não,

                                   
                           
                                                                                não, provavelmente,
                                                                                não, quase certamente,
                                                      não, não,
                                                                                talvez esteja enganado...

Um comentário:

  1. Um pouco desligado,ao voltar, o que vejo:densa produção. Aos menos letrados em poesia,(EU), esse suporte estético das palavras ajudam a rápida leitura, Sinaliza o âmago da produção poética.

    ResponderExcluir