quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Poética do Nonsentismo

O vazio compõe vastos pensamentos, afinal.
Ah, se eu pudesse escrever todas as imagens que vejo!
Ah, se tudo viesse a mim a qualquer hora!
Ah, se pudesse criar partindo de minha cabeça agora:
Inteiramente e fielmente a tudo que imaginei.

Queria poder relatar todas as memórias que tive e inventei.
Queria poder fazer poemas das inúmeras coisas que sonhei,
Das que vivi... das que, até hoje
Penso que aconteceram, mas que, no fundo,
São rascunhos mal apagados que, em minha mente, escrevi.

Fiz de meus planos papéis rasgados
E, em meio a retalhos,
Ergui a Poética:

Insuficiente,
Relativa,
Criativa,
Dissidente?
                           - Depende do que é poesia para quem lê.

Quero poder ver através do que penso.
Quero ser um gênio como o Poetinha, CDA, Poe ou o Bardo.
Quero andar a passos largos em meus sonhos
E me ausentar das letras por um momento.

-
-
-
-

O fim da poesia é o nada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário