quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Alameda Dionísio Bentes, 33

Antes descansava
                  Ao cair da noite
Em nossos olhinhos pesados.

                                              Hoje não,
                                              A rua é deserta,
                                                                       A certeza é incerta
                                              E muitos dos que agora são memórias,              
                                              Deixaram de existir para nós
                                                                                - em nossas realidades infantis.

     Fico imaginando se a rua já era vazia
                              E se nossa presença a encheu com a mais profunda
                                                                                                            e sincera alegria...

As senhoras se sentavam à porta,
Os seguranças passavam de bicicleta,
                       E carros passavam desviando de todos...
Em um ziguezague, quase brincadeira.

E tudo acontecia ali...
Tudo que era importante para todos (sem que ninguém se desse conta...),
Em todos aqueles ordinários dias de singela e enorme diversão..
Com risos e felicidade inocentes
 
                              Que agora são passado,
                              Um lindo passado que carregarei comigo
                              Até minha vida passar
                                                                 - E se tornar mais uma rua
                                                                    Em outro país de memórias.

Um comentário: