segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Amargura

Não me deixe agora,
                      Agora que sinto toda a amargura da vida
Na poesia de meu corpo.

                       Não me deixe,
                       Não agora.

Leve-me para sair,
Leve-me para algum lugar onde estarei a salvo...
Livre-me de meus tormentos e inúteis pensamentos,
Sobre os quais não aguento mais refletir.

                               Não me deixe agora
                               Na cidade vazia,
                               Na noite fria...
                               No escurecer da zero hora.
                         
Arraste-me do inferno!
Exorcize meus demônios!
Afaste os vultos que vejo toda noite!
                                                                     
                                                                    Mas não me deixe!
Não agora...
Não na hora de minha possessão
Na hora de minha imersão
Nas trevas que expilo de mim
Para sua diversão...

E, enquanto sofro,
Enquanto choro a todo instante,
Seus olhos me fuzilam,
Seus olhos me exterminam
Guiam-me às memórias distantes

                             E riem!
                             E riem!


                                                                    Trazem meus pesadelos
                                                                    Trazem o ódio e repulsa!
                                                                    Trazem toda raiva que sinto
                                                                    Para as palavras que minto em versos!

Só que ainda vivo...
Ainda vivo...

                                                          Por isso, não me deixe
                                                          Não me deixe agora...
 

Não me deixe...

Não me deixe agora...

Nenhum comentário:

Postar um comentário