quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Ameno Mascarado

Vesti todas as máscaras que o sujeito me sugeriu,
Mas ainda não compreendi sua música...
Um som apocalíptico,
Um Ameno mais pesado...
Um som estranho...                                       

                   não combinava com o poema...

Mas o sujeito continuava a falar,
Com seus gestos e poses,
Com seus ritmos e versos alegres...
                             versos filosóficos demais
                             para aquela humilde diversão.

A noite estava clara,
Banhada pela Avenida Paulista
E suas velas elétricas,
                  frenéticas,
                                   
Que não param, não param, não param
Assim como a poesia!

                          Assim como aquela noite...


Encontros, poéticas
E pessoas diferentes com um propósito único!

Todas tão abertas, todas tão espertas...

Mas ninguém se deu conta, afinal, do que se passava ali:                                                                                                      

- Não existe Cristo em São Paulo!

Não existe!
Não existe assim como o nexo em colocar um Ameno num poema filosófico,
Assim como o tino e sanidade no cidadão ao nosso lado,.
(aposto que encheu a cara,
ou será que estava interpretando?
- quem sou eu para julgar?)
                                       
             Mesmo assim, eram poesia!
                                                      Tudo que ali estava era poético de alguma forma
                                                      Ou inspiração...
                                                      Ou simples pessoas...
                                                      Sei lá...
                                                      Não sei, não sou eu quem determina....

Eles que sejam o que quiserem.

Mas, quando acabar o mundo ou minha coleção de máscaras,
Que esteja tocando Ameno...
Ou o Ameno Metal do sujeito (um pouco mais profundo),
Para que ele tenha razão e fuja das críticas com glória.

- ou não, que se dane,

                                          ele que escolhesse algo melhor.

Um comentário: