segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Dispersão de Pontos

Dependendo do ponto de vista,
             Dependendo do ponto,
                            Dependendo dos olhos, é claro...

                                                  Telhados são tapetes,
                                     Carros são pedras,
                                                       Pessoas formigas
                                                                         E nós gigantes.
            Mas e o olho?
                             E os olhos?
                                            Quem são?
                                                       Onde estão


                                                                    Na dispersa dispersão
                                                                                             que o mundo cria
                                                                                                                  com diversos pontos?

Algumas coisas não importam,
              mas que coisas?

E o que fazer com o que importa se só importa depois de tudo?

                                                Um pouco de ar talvez seja a resposta...

                      Mas, no dia em que nada importou,
As coisas se tornaram minhas e suas
E de ninguém ao mesmo tempo.
               
                      Se tornaram distantes e irritantes, inquietantes e, veja só, diamantes!
                                                                          - apenas para os que já se foram,

Pois tudo que importa já foi,
Como as formigas pessoas,
Pedras carros,
Tapetes telhados
E a poesia construtiva do poema...

Bem como nós e ninguém
                                             
                      Que se preze ou que reze para ser alguém.


E as coisa que faço para chamar atenção
São apenas objetos de minha transformação
Em algo que quero ser
                              Mas se não conseguir, o que será de mim?
Não terei rosto
Não terei casa e família

Muito menos dinheiro pra viver.

                                         Mas um dia o sol vem até nós e tudo dá certo
                   Até morrer,

Até que não haja certeza em cima do incerto
Muito menos terreno para tantos pontos,
Muito menos poemas e máscaras.


Talvez exista ópio apenas,
Mas não se sabe,
Não se sabe nem o que se sabe, afinal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário