quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Nouvelle Neuvenelle

Depois do abismo vem a escuridão,
Junto com os monstros que imaginamos,
Os gritos que, por impulso, gritamos
E a imaginação que inventamos
Para que criássemos autonomia.


                                                       As palavras jogadas ao vento e à ilusão,
                                                       E o vento jogado ao tempo e à imensidão
                                                       São as formas com as quais
                                                       Pessoas escapam de um simples movimento
                                                       Para que fujam do ser e deem um último alento.
                                                                       

Poética de Quinta


Vou escrever um poema para encontrar meus versos escondidos.
Vou escrever para me libertar
Do corpo que, acorrentado,
Grita pelo breve respirar, uma vez prometido.

Vou escrever um poema para libertar minha alma vazia
De todas as críticas da oposição,
Dos porcos de vasta malcriação
E dos que regalam-me com a perdição da mais-valia.

Vou escrever versos vãos e banais:
Eu te amo, eu vivo, eu morro,
Sou isso ou aquilo...
Somos todos Reais.

Vou escrever para os amigos e para a solidão.
Lembrarei seus nomes e seus lugares
Para que lembrem-se de mim
                                                          
                                                        ou não,

                                   
                           
                                                                                não, provavelmente,
                                                                                não, quase certamente,
                                                      não, não,
                                                                                talvez esteja enganado...

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Irrevogável

Não tenho palavras, simplesmente,
para descrever um amor mundano,
                                                      um amor humano,
diferente do meu.


Não tenho palavras, não as tenho
e não a tenho, na verdade,
                           mas ainda amo,
                                                      ainda...


Mudei. Não suporto mais as simples descrições
e relações aleatórias ao amor...
 

                                                       Não, realmente...

tudo que escrevi foi vago...
                          exceto os poemas que surgiram em seu umbral...
foram o melhor que podia escrever naquela hora,
                                                                               na hora de minha paixão...


O problema é que não tenho palavras.
Não sei dizer o que sinto,
                                         não sei o que é
                                                               e o que não é,

não sei se sinto e muito menos o que é
                                                             que tanto me agrada,
                                 tanto me anima...
tanto me faz amar...
                         
                               seu amor, meu amor.


                                                    Mas ainda amo,
e amarei até que partamos para diferentes lugares,
até que encontremos novos amores,

                                                                        até que nossos corações sejam revogados...
                     

                              E depois, na hora da saudade...
                                  e depois, depois de tudo...
                                                                       
                                                                             ... amarei ainda
                                                                                                          (seu coração acamado)


                          Sim, amarei ainda...
                                                 
                                    Amarei ainda...
                                                                                  e ainda...
                                                                                  e ainda...

Ditadura da Formatação

Pare,
Pare e continue
Para que vá parando
Até que pare por completo.
                     
                    Parando e continuando,
   Pare


                      Pare
                                         Pare de ler!

Pare,

Pare!
           
                             Não, não quero!
Pare!
                 Não!

Paro por você, então.

Bardzo

Bardzo...


Poucas palavras no poema que sou
                      Fazem de mim menor
                          Do que eu mesmo.

Mas ninguém percebe, muito menos eu...
Os poucos versos dentro do solitário poeta....

Bardzo...
Muitos em sua cabeça...
                       Bardzo, bardo...
Bardzo dobze! Sem resposta...
                               imposta
                                           Ou memória apagada,
                                           Lembrança insólita.
                                                 
                                O poema labirinto se conclui
Sem que seu enigma tenha significado,
                                   Pois há poucas palavras
                                   Mas muito a falar...
                                   Este último que, por vezes,
tende a se apagar,

                                                     Gerando versos,
                                                     Gerando barcos, bardos, marcos e dardos
                                                     Para que sejam bardzo...
                                                     Bardzo...
                                                     Bardzo...

Tão pouco, todavia,
Que não se cria sentido.

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Tributo aos Ignorantes


Breves
Palavras
Mostram
Quão
Breves
Precisamos
Ser
Para
Que
Não
Cansemos
Os
Que,
Por
Natureza,
Não
Conseguem
Entender.

Soneto da Filosofia Parnasiana

FORMA FORMA FORMA FORMA
FORMA FORMA FORMA FORMA
FORMA FORMA FORMA FORMA
FORMA FORMA FORMA FORMA

FORMA FORMA FORMA FORMA
FORMA FORMA FORMA FORMA
FORMA FORMA FORMA FORMA
FORMA FORMA FORMA FORMA

FORMA FORMA FORMA FORMA
FORMA FORMA FORMA FORMA
FORMA FORMA FORMA FORMA

FORMA FORMA FORMA FORMA
FORMA FORMA FORMA FORMA
FORMA FORMA FORMA FORMA

Último Ato

Atos são capítulos de um breve viver
Seja no teatro, na poesia,
Na vida vivida
Ou na imaginação que só um poeta
Saberia descrever.

Fecham-se as cortinas e fico imóvel,
Paralisado, encantado
E mutilado em minha alma cálida.
Fecham-se as cortinas, fecham-se as esperanças.

A peça termina, os atos passaram
E, na verdade, deixaram de ser atos
Para que se tornassem ócio.

As luzes se apagam,
O teatro esvazia.

Mas que coisa chata o final da poesia!

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Poética do Conformismo

Engravatados,
Fadados
Ao poder

                            São a forma mais banal
                            Que se poderia pensar
                            Para oprimir
                            Novas idéias.

Dispersão,
Diversão,
Catatonia social.
                 
                           Associações fantasmas,
                           Fardas mal lavadas
                           Estupor.

                                                                                          Demência,
                                                                                          Carência,
                                                                                          Dinheiro,
                                                                                          Obediência.

A sociedade cava seu próprio abismo
Sem que uma voz se destaque
Em meio às ociosas multidões.

                                 $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$
                                                      Quanto mais melhor
                                                      Quem liga para o pobre?
                                                      Quem liga para o que pensa?
                                                      Deem dinheiro a quem precisa e faça-os comprar,
                                                                                                                          comprar,
                                                                                                                          comprar,
                                                                                                                       


Até que sua liberdade seja mercado
E seus direitos uma simples ilusão.

                                                       Quem irá ajudar os que realmente precisam?
                                                       U
                                                       E                              Quem?
                                                       M                             Quem?
                                                                                        Quem?
                                                       S                                Quem?
                                                       E                           R: Quem resolver falar.
                                                       R                            
                                                       Á o salvador? Quem será? Quem será?


Organizaram uma promoção absurdamente boa:
Produtos 70% mais baratos o dia inteiro!
Uma pena que, na verdade, era apenas uma forma
De vender mais com descontos em um preço igualmente absurdo! (o dobro do original)
É, meus amigos, mais uma evidência do poder do capital!

Pergunto-me:
                                        Que fazer com tantas mentiras e dinheiro acumulados?

Hmm, vou abrir minha empresa - Poética S/A.
Venderei honestidade, humanismo
E darei um brinde! Sim, como não?!

                                      - Um tapa na cara de cada um para perceberem os porcos que são!



                                                           $
                                                         000
                                                       00000
                                                     0000000      Subtítulo: o poder e seus passatempos
                                                   000000000
                                                 00000000000


                         Direita                                                                          Esquerda
                         Direita                                                                          Esquerda
                         Direita                                                                          Esquerda
                         Direita                                                                          Esquerda
                                                                     MEIO

                         Direita                                      ?                                  Esquerda


Não existem duas únicas possibilidades.
Os que pensam isso são idiotas que negam sua criatividade,
Mas, como bom vendedor,
Dar-lhes-ei um brinde!


                                                     Uma nova idéia se inicia quando acaba a outra?

                                          Pois bem:

                                   Pobres da favela,
                                                     na sarjeta,
                                                                    sem moela
                                                     E passa trem
                                                     Apaga vela
                       De quem é ela, quem é ela?
                       Não importa, na favela.
                                                                   
E passa ônibus, passa trem, passa trem, passatempo pra ninguém, passa trem, passa trem
E o povo não desce,
Desce, desce não, não tem ninguém!
Ninguém nos vagões, seu maquinista, manobrista, seu piloto!
Não tem ninguém!
                            - Mas quem disse isso?
Foi aquele porco vestido de senhor, senhor
                            - Deixe-o para lá, ele é cego! Só vê cifrões!
E passa o trem, passa o trem, passa trem, passa trem
E a vida cheia, na favela,
                                      Acende vela, apaga vela
                                                                             E o cemitério agora está cheio!
                                                                             De policiais e civis,
                                                                             De chinelos e gravatas,
                                                                             Está cheio, porque ($) quis!

 E quem vem ler não percebe
                                                     (ou não quer perceber)
Que sua vida é boa! É uma beleza!
                                                      Até vale a pena viver...
             
                                             Mas se sou pobre, se estou morto,
                                             Se não aspiro coisa alguma...
Ah, que se dane, vou torcer!
Olê olê olê o lá!
Aqui é muito bom!
Tem pão e circo pra nos calar!
                                               
                               Veneno, veneno, bebamos veneno no dia de ano novo
                               Para termos novas esperanças de um futuro sem futuro!
                               Bebamos veneno e ostentemos o ópio! O ouro dos iludidos!
                                                                                               ouro
                                                                                               ouro, que delícia, quero mais!

Mas e as Fardas?

                            Fardas
                                          Fardas
                                                       Fardas,
                                                                            Onde está o fardo?
                                                     
                                                             Onde está o coletivismo nas pessoas?
                                     

Vivemos cada um em um copo vazio.
               Não há nada,
                            mas vemos através de nossas portas,                
                                               como dois rios distantes.
                           
                                      Sabemos que todos estamos aprisionados
                                                                     Sabemos que há pessoas sofrendo,

Mas quando bate meio dia,
Quando bate nove horas:
Comida, TV, Comida, TV
Para que me preocupar?!?

                                                                       Burguesia:
                                                                       Lucro
                                                                       Exploração
                                                    Símbolo da Escravidão contemporânea e inconsciente

Todos querem ser a burguesia!
Todos querem comprar!

                                                               

                                                           Futebol,
                                                           Carnaval:
                                                           Panis et Circenses
                                     
Poesia, sorria!
É mercado também!

Estou afoito,
Sufocado!
Devo pagar para escrever?
Devo comprar esse direito?
O que fazer?
O que fazer?

Já sei!
                                                             
                                                                             Vou para casa,
                                                                             Vou me deitar,
                                                                             Vou ver meus programas,
                                                                             E sorrir enquanto assisto
                                                                             O mundo, que um dia prezei,


Em suas chamas queimar.

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Tristeza Têxtil

Roupas penduradas em um armário
Mostram-me que estamos pelados, na verdade,
Dentro do que chamamos de vida.
A vida que vive em harmonia
Em uma diferente realidade.

Roupas anunciam a partida.
Roupas pequenas,
Roupas desnutridas,
Roupas que deixariam de existir para nós,
Se fossem libertadas para a vida.

Ao abrir o armário,
Percebo diferentes cores
Que estão em uma escala acinzentada,
Pois estão empoeiradas
E, quem sabe, perecendo ali mesmo,

Esperando alguém para as vestir,
Alguém que as faça existir mais uma vez.


terça-feira, 20 de novembro de 2012

Simples Relato de Recordações

Eu lembro,
Mesmo que fosse muito novo,
De todas as palavras que disseram,
De todas as músicas que tocaram
E de todos que passaram
Por meus pequenos olhos,
Sedentos de memórias
E de novas histórias
Que se tornaram memórias
Quando o tempo chegou.

Eu lembro,
Mesmo que vagamente,
De tudo que ganhei
E de tudo que larguei
Para que se tornasse algo sozinho, sem mim,
Sem minhas mãos sujas,
Minhas mãos de criança...
Mãos inocentes.

Eu lembro,
Mesmo que fosse muito novo para lembrar.
E hoje sei que,
Se não lembrasse tanto,
Não teria vida,
Não teria novidades,
Não conheceria as crueldades que fizeram
De mim mesmo,
Objeto das lembranças que insisto em guardar.

Estranheza

Só entendem tudo que um autor escreve
Quando seu material passa a ser aula de Literatura.

Acordar

As vozes que me perseguem em sonhos
Anunciam minha partida,
Mas nunca estive ali.
Nunca andei pelas estradas que me guiaram
Durante horas afias, sem que me descobrisse
No onirismo de minha mente.

E, de um leve saltar,
De um leve suspiro,
Acabei erguendo-me para um novo dia
Sem que lembrasse qualquer coisa, simplesmente.


segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Cartas da Burocracia

Preencha o formulário e aguarde na fila de espera:


São Paulo, 19 de novembro de 2012.

Este formulário exige atenção minuciosa
De todos que querem ler um breve poema
Escrito por um autor breve
E com palavras igualmente breves.

Com este formulário, você estará apto a ler um pequeno poema
Que poderá mudar sua vida, ou não.
Poderá abrir seus olhos
Ou ocultar sua já limitada visão.

Assine aqui: ____________________________

e aqui: __________________________

e aqui: _________________________

Para que sua ansiedade aumente junto com sua impaciência.
Dentro de alguns segundos o poema chegará a você,
Mas não abra um sorriso,
Não crie grandes expectativas,

Pois pode haver um extravio
E as palavras contidas na breve poética
Podem se perder durante o também breve percurso.

Assine aqui para seguro: _______________________

Assine aqui para uma cópia extra: ____________________


Aguarde mais um instante na fila de espera
E um outro poeta o chamará.



São Paulo, 19 de novembro de 2012


Nota do cliente:

Segundos atrás encomendei um poema
Cujo poeta é desconhecido,
Mas suas palavras famosas.

Não encontro substituto,
Não encontro atendentes
E não encontro o poema em minhas mãos.


São Paulo, 19 de novembro de 2012


Nota da Companhia:

Deve ter se perdido.
Mais sorte na próxima vez.

Assine aqui para receber mais informações sobre o poema: ______________

Assine aqui para receber outra cópia: __________________


Assine aqui para receber o formulário
Que o senhor terá de assinar
Para receber outro
E outro
E outro
E outro...


Egoísmo
























As palavras serão apenas minhas,
Porque quero ser mais um na sociedade (egoísta).

domingo, 18 de novembro de 2012

Escadas

                                                                                                         Escadas                                
                                                  Levam-nos de lugar a lugar algum.
                                    Escadas,simplesmente,       
                   Assim como
      Poesia,
Que, dispersa, pode não ser nada,
                                                                                                 e             p
                                                                                                    s             o                                
                                                                                                      c             e
Podem ser uma escada de palavras.                                               a             s
                                                                                                              d             i
                                                                                                                   a             a
                                                              
Escadas,
            Assim como
                     Escadas, simplesmente,
                                            Levam nos à poesia
                                                               De um dia comum,
                                                                                    Assim como as escadas.

Em Memória

Cegos por vontade própria
Não percebem que parte de suas grandezas
São jogadas ao vento
Quando um grande rival é derrotado.

Filmoctere

Estou em um filme vendo a realidade mudar.
Posso ser tudo,
Desde um atirador,
A presidente,
A funcionário,
A animal,
A caixa,
A bombeiro,
A policial,
A enfermeiro,
A guitarrista,
A escritor,
A balconista,
A lutador,
A qualquer coisa que queira,
Contanto que saiba que sou apenas mais um
Querendo ser parte de tudo
Que não seja eu mesmo.

Distância

Notas tortas e desafinadas soando
Enquanto uma longa conversa
Saia de bocas distantes.

O frio lá fora entrava
E um ou outro cantava
Simples erros gritantes,

Os quais não seriam perdoados
Numa noite quente,
Animada
E musicada,
Como a que tinha em mente
Quando pedi para tocar.

O frio lá fora entrava,
Mas já não era tão tarde e escuro
Como nas horas de antes.

Havia alguma coisa por trás,
Talvez quadros, escadas
Ou teclados de vidro,
Que seriam quebrados
Caso fossem guiados
Por bocas distantes.


sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Sociedade

Fico irado com a companhia de certas pessoas.
Tenho bons amigos e conhecidos
Que poderiam ser trocados
Pelo silêncio,
Pela escuridão,
Por pedras,
Por folhas,
Por lápis e canetas,
Pela podridão
De um lugar qualquer
Que me faça,
Por um segundo,
Sentir-me livre
Dessas pessoas.

Crítica ao Ensino Mal-Educado

Vamos à escola comprar diplomas
Para pendurar em nossas paredes.
Esqueceremo-nos da educação,
Do conhecimento sem limites
E da competência que outrora foi cobrada.

Vamos à escola para passar de ano
E sair das salas de aula.
Entendemo-nas como obrigação
E não como aprendizado. 
Entendemo-nas como enrolação
E perda de tempo.

Não se cria excelência desse jeito.

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Love, Love



       lovelove                lovelove                          
    o       v    I really love  o          v                      
 v    love   o  loving you v  love   o                      
    e love|            L           | love l
                you know it's true                                  
                   love V love                                          
                            E                                                    




- 18/03/2011

Anatomia do Poema


Palavra             Palavra           Palavra            Palavra
             Palavra           Palavra           Palavra 
Palavra             Palavra           Palavra            Palavra
             Palavra           Palavra           Palavra
Palavra             Palavra           Palavra            Palavra
             Palavra           Palavra           Palavra
Palavra             Palavra           Palavra            Palavra
             Palavra           Palavra           Palavra
Palavra             Palavra           Palavra            Palavra
             Palavra           Palavra           Palavra 
Palavra             Palavra           Palavra            Palavra

Sono Concreto

Chega-se
                a um
                          ponto em que
                                                 estamos tão cansados
              que não percebemos
                                                                                     que passamos
                                                       a vida dormindo.

Segunda Poesia Para René Magritte

Tudo se esconde nas coisas que queremos ver,
Nos telhados repletos de pessoas,
Nas montanhas disformes
E nos homens bem trajados
Que um dia sonhamos ser.

Poética do Nonsentismo

O vazio compõe vastos pensamentos, afinal.
Ah, se eu pudesse escrever todas as imagens que vejo!
Ah, se tudo viesse a mim a qualquer hora!
Ah, se pudesse criar partindo de minha cabeça agora:
Inteiramente e fielmente a tudo que imaginei.

Queria poder relatar todas as memórias que tive e inventei.
Queria poder fazer poemas das inúmeras coisas que sonhei,
Das que vivi... das que, até hoje
Penso que aconteceram, mas que, no fundo,
São rascunhos mal apagados que, em minha mente, escrevi.

Fiz de meus planos papéis rasgados
E, em meio a retalhos,
Ergui a Poética:

Insuficiente,
Relativa,
Criativa,
Dissidente?
                           - Depende do que é poesia para quem lê.

Quero poder ver através do que penso.
Quero ser um gênio como o Poetinha, CDA, Poe ou o Bardo.
Quero andar a passos largos em meus sonhos
E me ausentar das letras por um momento.

-
-
-
-

O fim da poesia é o nada.

terça-feira, 13 de novembro de 2012

Poética do Modernismo

Que o traz aqui, pequeno bem-te-vi?
Não sabes que o mundo te aguarda
Para dar-te as asas que tanto anseio ver?
Ainda não as vi. Estão oclusas dentro de ti,
Assim como teus sonhos,
Que se escondem nos abrigos
De minha janela.

Que o traz aqui, pequeno bem-te-vi?
Não sabes que estou ocupado?
Vamos, saia logo,
Pare de me olhar com essa cara anuviada.
Volte amanhã e trarei uma fruta para teu agrado
Assim como mais paciência
Para aturar o vago cotidiano alheio

                                       - como o teu, quando bem pequeno te vi.

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Conversa Aleatória Numa Tarde de Segunda

Conversei com um amigo
Que queria que nossa conversa
Fosse poema
Para que se tornasse arte.

Esqueceu-se ele
Que,
Em algum momento,
A arte parte em busca
De alguma coisa
Que a faça ser arte.

Assim como nossa conversa,
A mesma, do meu amigo,
Que agora deixa de ser uma troca
De meras palavras aleatórias
Para se tornar uma simples poética.

Treva - Antiparábola

Não nos damos conta da inquieta movimentação das sombras que nos rodeiam,
Envolvendo a lúgubre sensação
E o medo, que toma conta de nossas mentes tenebrosas.

Em breves instantes, quando fechamos nossos olhos,
Somos como objetos cintilantes em meio à densa escuridão
Que ataca até o mais puro pulsar cardíaco.

TREVA!

Fechamos os olhos e tudo se move! Eles nos sufocam! Eles nos seduzem!
Mas não percebemos a assombração que nos assola
E que nos torna cada vez mais obscuros.

O ar quente e lúrido que incendeia as casas repletas de ódio
Tornam as pessoas lívidas! A morte torna até o mais nobre sentimento
Um prazer inigualável - um paraíso.

As almas macabras que saem da escuridão e brotam em nós são imperceptíveis!
São frutos de uma maldição! São espíritos dos mortos que se apossam de nossos corpos
Para que um jovem poeta, a cobaia-repórter tenha como relatar

O delírio e as alucinações que ele mesmo teve
Ao se dar conta
Que tudo é a terrível ilusão do horror.

Hipóteses à Multidão

Meticulosamente observo uma garota a pensar.
Está parada, apenas esperando
Alguma coisa que a atinja de supetão:
Talvez um homem, um carro ou uma simples emoção aleatória
Que a liberte da monotonia de seus pensamentos
Para que me veja aqui, apenas observando.

Melindrosamente arrisco adentrar sua mente.
Talvez esteja desamparada por causa de um ente que partiu
Ou pelo simples fato de sua paixão
Tê-la trocado por um novo amor qualquer.

Vagarosamente reflito sobre suas atitudes,
Mas não encontro movimentos.
Presa em tudo que pensa, a garota mal parece notar
Que o mundo permanece girando
E os heróis que um dia fizeram sua cabeça não irão voltar.

Alegremente tenho um desvio de atenção
E penso que algo extraordinário pode ter acontecido hoje,
Mas, de tanto celebrar e sorrir, os sentimentos abandonaram sua face,
Que agora permanece imutável.

Meticulosamente observo a garota a pensar.
Está parada, não escuta o chamado de meus olhos.
Talvez esteja esperando alguém,
Talvez queira um momento sozinha...
Vou embora...

- Talvez se ela me visse...

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Poema do Todo

O mundo todo amou antes de dizer adeus,
Antes de queimar seu jardim de esperanças
E fazer de suas nobres e doentias vinganças
Um objeto de ódio e repulsa, piores que os meus.

O mundo todo amou antes de partir
E carregar o frenesi  de seu coração cálido
Para um cemitério dentro dele mesmo.

O mundo todo amou antes de mim,
Antes de minha mulher (sem nome, devo dizer,
Pois seu cheiro de putrefação e seus lábios de carniça
Fazem com que seu beijo me faça querer morrer).

O mundo todo amou e se esqueceu
Dos traços infernais que o criaram
E dos túmulos que surgiram de seus pesadelos.

A vida monocromática me queima por dentro,
Tira-me os sentimentos e gera a agonia,
Proporciona-me a terrível loucura e melancolia,
Que fizeram o mundo amar antes de conhecer a amargura.

domingo, 4 de novembro de 2012

O Tocador de Sanfona

O tocador de sanfona fazia seu instrumento soar.
Ganhou certa quantia
E a simpatia
Daqueles que paravam para lhe escutar.

O tocador era humilde e não se queixava
Dos que sequer o olharam,
Dos que não se tocaram
Que suas vidas são a arte que não foi deixada criar.

A Casa das Rosas

Passeando pela noite, na Avenida Paulista,
Fui participar de um sarau...
A Plenos Pulmões, seu nome.

Encontrei figuras como o seu Gilberto,
O misterioso Shidon
E também nosso mestre Akira
                           - entre outros.

Desenvolvi a poética da percepção
E logo percebi que o que eles tinham para mostrar
Era uma obra divina,
                            - A divindade da criação.

O poema Labirinto, assinado por mim,
Também foi lido e muito bem recebido
Por todo o contingente amante da arte.

E com esse simples poema,
Encerro uma exceção:
A poesia-nota.



Reflexos Dissimulados

Observo-me em um espelho de frente para o outro
E eu de frente para os dois.
O reflexo me reflete
Para que reflita sobre a reflexão que refleti, pois.

Concluo que os vários eus que encontro
Compõem um eu principal,
Portanto, sou a média entre todos
E todos são reflexos do meu eu em potencial.

A imagem contínua que está contida no espelho no espelho
É também o reflexo da sociedade, composta por atores,
E o espelho de frente para outro é apenas um armário,
Um depósito de suas máscaras.



Experimentação

Gosto de imaginar que somos cobaias de um povo mais evoluído,
Desenvolvido,
Que nos mantém como nós os camundongos...
Talvez manipulem nosso tempo, fazendo nossos
Milhões de anos parecerem meses para eles...

Gosto de imaginar que estão fazendo experimentos
E que imputam pensamentos
Em nossas mentes extremamente influenciáveis...
Talvez observem como nos comportamos em sociedade
Para que cheguem a uma conclusão aleatória

                                              - Sem que sequer percebamos
                                                 que não pensamos realmente.

sexta-feira, 2 de novembro de 2012

Quase Soneto da Eternidade

Pense em tudo que deixei de lado
Para que permanecesse apaixonado
Por tudo que vejo em teu coração,
Que me permite amar sem fronteiras,
Com a doce suavidade de uma paixão.

Pense em tudo que sou em mim
E tudo que deixo de ser para ser enfim
Tudo que desejas de um amor perfeito,
Um amor que deixaria de ser amor
Para ser em teu peito.

Amo-te em meus mais remotos pensamentos
Para que surjas para mim de repente
E, com um leve beijo, faças parar o tempo.

Amo-te calmamente em um instante, simplesmente,
Para que sinta teu encanto a todo momento;
Para que meu singelo amor seja amor eternamente.