segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

Poética da Saudade

Meus olhos solitários procuram o mundo
Que os teus, sedentos de amor, espelham
Para que meu coração vasto/imundo
Possa conhecer a que teus sonhos se assemelham.

Quero a aurora de tua vida,
A qual me faz sentir vivo
Numa realidade irreal.

Quero deixar de ser homem
Para tornar-me a poesia dentro de ti;
Para num mundo distante ficar imerso,

Onde até o mais calmo amante
Faz com que os outros se somem
Para serem lidos como um simples e intenso verso.

Um comentário:

  1. Quanta profundidade tem este poema! Achei linda a relação entre o eu-lírico e a poesia no texto. Ele a trata como uma meio de habitar no interior de sua amada! Lindo! Parabéns, poeta!

    ResponderExcluir