terça-feira, 8 de janeiro de 2013

Poética do Poeta


Minhas pétalas foram arremessadas a um jardim qualquer,
Onde as alegrias do mundo seriam jogadas
Em troca de um pouco de amor.

Mas o amor que tantas flores desejavam
Murchou sem dizer um adeus sequer...

E agora a terra onde sementes eu enterrava


                                                  (para um homem que almejava
                                                  Uma solidão vibrante, cantante, errada)

Dilui-se no seco.

Nenhum comentário:

Postar um comentário