sábado, 9 de fevereiro de 2013

Algo

Tudo que fiz é muito pouco
E já não sei como fazer
                       
                         As coisas que
                                                Me faziam um
                                                                     Outro homem qualquer... diferente...

                                          Coisas que me diziam
                                  As outras que
                           Romantizavam
                     Os corações que ainda
                Lamentam a perda de alguém insubstituível.



Mas não há mensagem que não possa ser escondida

                                                                              em um ou dois versos apagados

      desapegados

                            e talvez esquecidos

                 ou rasgados o suficiente

Para inibir olhares desatentos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário