domingo, 24 de fevereiro de 2013

Byron

Que fazer agora, Byron,

                                      para que, em cada poema, 
                         
                         encontre tuas palavras frias?

Que fazer agora, Byron,

                                      para que não caia no esquecimento 
                   de uma
      
                         eventual perdição doentia
         - dentro de mim?                     

Diga-me,

diga-me se não és tu apenas mais um 
                                                             dos personagens que criei

                                  com minha mais sincera imaginação e carinho;

diga-me que tudo é um sonho de um sonho,
                                                            
                                                             no qual não hesitei em te seguir

                                           em meio aos poemas que escrevemos juntos...
   
                                          ... seguindo estradas sem caminhos descaminhados.
                   

                                                     Diga-me que em um próprio tempo nos encontraremos

                                      e poetizaremos a poesia apoética
                         
                            que criamos...


E diga-me o que devo fazer por ora, agora!

                  Cogitar ter batizado minha criatividade de Byron,
             
ou continuar na não identificação do Eu em meus originais inventados?

                      Quem és tu, Byron?
                                 
                             Mais um dos meus eternos personagens criados
 
               Ou meu mestre... ?

                                    mestre da poesia num garoto qualquer... 
             
                                        sem o talento que tens, meu senhor...


                                                                            ... senhor dos poemas ridiculamente irrelevantes.

                                                
Um abraço!

                                                          

Um comentário:

  1. Muito bom! Fico muito feliz em ter encontrado um colega que também aprecia os poemas de Byron. Quem me dera ter tido a oportunidade de encontrar o Lord e ter bebido um vinho com ele. Em nossos devaneios isso é possível e vivido com intensidade! Um abraço !

    ResponderExcluir