terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

Irrelevância Poética

Olho as estradas vazias que ligam um conjunto de ideias mirabolantes,
Que só eu tenho acesso, pois se encontram nas estantes
Que se situam nos quartos trancados com chaves imaginárias
Dentro do vazio repleto de pensamentos (como armações ideárias)
De minha cabeça.

Mas ao dissecar tudo isso,
Sinto uma dor tão grande...

Um aperto enorme
Alertando-me dos perigos que existem

Em conhecer a si mesmo.

Apesar disso, gosto de envolver-me numa névoa pessoal...
Assim compreendo o meu pensamento e, consequentemente,
O das pessoas...
Dessa forma aprendi que nem todos pensam.

Olho as janelas fechadas e as paredes enrugadas - como um velho
                                                                             ou um sábio,
Que mistura toda a poesia que já viu ou criou
Dentro de um poema qualquer

- Mas não enxergo nada...

É como se meu espelho não tivesse reflexo para mim;
É como se eu me fechasse para tudo

                                                só que tudo viesse até mim...

                                                   Desde tudo que fiz,

                                tudo que compus,
                   
        até tudo que amei.

Todavia, não amei tanto assim.
Nunca houve grande procura alheia pela pessoa que aqui escreve,
Nem, muito menos, de minha parte para o mundo.

O que aconteceu aconteceu
                        e... sei lá,
                        talvez eu seja um falso poeta, afinal.

Possivelmente gasto meu amor com poemas idiotas que casais virão a ler
- um amante para o outro... em perfeita sintonia
  juntando o amor às vozes roucas, engasgadas com o mesmo,
À perfeita e sistemática melodia de meus versos imperfeitos.

Uns diriam que finjo sentir o que escrevo, mas nego.
Deve-se sentir para escrever, nem que seja para sentir uma farsa...

                                             (ainda sou um fingidor?)

Olho as ruas desertas, os prédios incendiados e o céu negro... negro de morte;

Olho as religiões abertas, até demais,
Papando toda a juventude

Com seus falsos, extremos e moralistas ideais...
Jogados ao mundo para o infortúnio de sua própria sorte.

E, por fim,
                      vejo uma cratera a minha volta...

                                                                                
uma cratera em mim...


                                e dentro da mesma,
           
            o que vejo são corpos dissimulados

e gente enterrando

                            quem não precisa ser enterrado.

Entretanto,

                um dia irei me perguntar

                o que é pior, para meu pessoal entendimento:

                                                            ser morto pelo descaso,
                                                                                                   exagero,

                                                 ou pela distância entre o ser e ele mesmo?
                                                     

Nenhum comentário:

Postar um comentário