segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

Talvez

Como será o futuro
Que planejo
Ver em meu eterno
E distante presente?

                                  Talvez o homem se conecte cada vez menos
                                  E se feche em seu mundo privado
                                                       
                     
            Ou então, descubra-se cidadão
                                                         do universo fora de si...


Sei lá.

                           Mas e eu?
                           O que será do futuro que planejo para mim?

Será que o que planejo não será seguido,

                                                  ou será que se prorrogará para, num futuro distante
                     do futuro presente
                                                     algum visionário decretar meu fim?

Sei lá.

                                      Talvez valorizem mais o conhecimento - hoje banalizado

                                                                                                   e marginalizado

                                       
                               E descubram que na Educação o mundo gira...

    Mas não tenho ferramentas para comprovar o que digo


         Por isso apenas digo.

                                                                            Quanto a mim,
                                                                            Serei um poeta
                                                                            E deixarei de ser filósofo;

                             Serei revolucionário - dentro de minha mente

                                             e mudarei meus conceitos quando achar que os mesmos

                      não condizem com a realidade mundial.

Mas sei lá... não sei de nada, afinal.


Porém,
                        talvez...

quando o talvez
                         virar certeza,                            

meu futuro acabe

virando uma eterna incerteza em meio a um vazio

incerto...


Talvez, quem sabe?

                                                                                               

Nenhum comentário:

Postar um comentário