sexta-feira, 8 de março de 2013

Amor

As pessoas de meu tempo têm o amor como utopia

                                                                              Por não terem tido experiências bem sucedidas
                                                                              Ou não terem tido contato com o verdadeiro.

Não convém a mim romantizar o que a mim não cabe
- Como o amor alheio,

Mas, posso dizer que amo...

                                                                            ... nem por isso vivo de utopias.

É certo que o incerto é a certeza mais certa que existe
E é certo que o amor é relativo e indeciso,
                              porque a alegria contida em amar
Apenas desperta a saudade e, da saudade, o transtorno bipolar,

                                                                              Porém, o amor é um remédio.
                                                                              É saber que não está sozinho;
                                                                              É saber que há esperança
                                                                              E diversos caminhos
                                                                              Repletos de carinho e confiança

                                                              Nos becos escuros da vida real.
                                                                             
                                                              Amor é placebo.

                                 Amor não existe.

                                 É apenas a forma mais bonita e venerável de interpretação.

Por isso amo.
Mas amo um amor estranho, distante
- Que de mim só o bem faz

E talvez só a mim...
Porque, se fosse expandido,
Talvez não fosse tão capaz

                                                     De eternizar a poesia que ama em versos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário