sexta-feira, 1 de março de 2013

Soneto à Distância

Meses a fio pensando em vão
Passei sentado, imóvel,
Imerso na imensidão
De meu amor-imbróglio.

Tudo pareceu demorado e distante
Em meu coração frio e inconstante:
Às vezes ardente, apaixonado;
Sempre duro, sempre calado.

Espantaste-te por não ser todo o encanto,
Mas meu silencioso e doloroso sofrimento
(Inerente ao poeta do espanto)?

E assustaste-te por não ser no momento
O motivo de meu amor e sonhos de pensamento,
Todavia, o porquê de meu extensivo pranto?


Nenhum comentário:

Postar um comentário