segunda-feira, 4 de março de 2013

Supostas FAQs

Devo enaltecer o que chamo de Eu

                                         Para não conhecer por meus desafetos

A melancolia que me envolve como se fosse soturna noite diuturna.

                 Devo pleitear e clamar meu nome

                                    em meio a meus tantos abrigos e máscaras

                                                                                          como forma de defesa...

                                           sendo complacente com minha timidez, medos e carinho:

distribuídos aleatória e igualmente por todos os que amo.


                                                            Mas, apesar de viver pelas pessoas


- e viver por uma em especial - e estar feliz por vê-la feliz - sinto o vazio.

Vazio este que é tão comum em minha poesia que, talvez,

haja a suspeita de fazer parte do poeta.

                                                                         
                                                                                      E ainda nem sequer falei da ironia.

Os que não a percebem não merecem ler um poema meu.

Não é que sejam tão bons, complexos ou mundanos,

Mas requerem uma noção básica do que é levar a vida da maneira cômico-egocêntrica

(E a maioria não dispõe disso).

                                                                                      E o que é a poesia para mim?

O que eu escrevo sempre foi um grande desabafo dividido.

Só que, agora, por escrever diretamente em uma poética, neste poema,

Querem tirar meu título de Poeta (o qual mereço por ter demonstrado meu valor)?


Sinto aos que não perceberam do que a minha poesia se trata,

Porém, não os cobrarei.

Apenas escreverei

Até que todas as palavras percam suas formas e significados relativos



(sendo a última:
                             
                         Eu)


Nenhum comentário:

Postar um comentário