terça-feira, 30 de abril de 2013

Direção

Os carros
                  passam

desgovernados
                       

                        com o                   dos acordes que
                                      silêncio


                                                                            soam das vozes estranhas
                                                   
                                         e ausentes

     nos rádios não sintonizados para o mundo.


E cada um em seu aqui
                      e agora...

em um daqueles instantes pessoais e relativos...


                                                                                 E cada um, por si,
                                                           afora          

                                 mal pensando ou poetizando o que não há para poetizar....

Batucam seus volantes,

fumam sua paciência

e tateiam suas tecnologias portáteis.


                                                                            Cada mundo diferente

                                                               - situado em carros diferentes -

reside no
                            vazio.


E cada um somente enxerga o tédio;
E cada um somente enxerga a pressa;
E cada um somente enxerga seu reflexo

                                                 observando seus olhares abstratos.



Não sei quantos são capazes de olhar através da janela.

Nenhum comentário:

Postar um comentário