segunda-feira, 15 de abril de 2013

Morte

Morrerei uma morte sem dores;
Uma morte silenciosa e espalhafatosa ao mesmo tempo.
Posso sentir minha cabeça explodindo
E o sangue ocupando a opacidade de minha camiseta branca.

Morrerei uma morte inquieta,
Mas antes escreverei
"Bem vindo(a) ao inferno que fui"
Em minha sepultura...
Casa dos pinguços, pombas e trepadeiras...

E talvez uma rosa negra venha me visitar...

Talvez nada venha... talvez nada exista, afinal

                                               mas só talvez...


Morrerei num dia frio de chuva.
                                                   Num não muito importante,

Para que lembrem-se de mim.


E morrerei sozinho,
                               no escuro...
                                                       em meio às lágrimas de mais um poeta vazio
                                                       que levou beleza à vida ao tirá-la de si mesmo


E morrerei num dia como qualquer outro
E morrerei me sentindo um esgoto
                                                                de versos e rimas imperfeitos
E poemas cheios de insignificados.


Morrerei para a alegria do mundo
                                                     e meu eterno arrependimento.

Morrerei por minhas próprias mãos...
Morrerei porque quero...
Porque não sou forte o suficiente...


E porque é necessário.

                                                    Mas só talvez...

talvez, apenas...


Não.

Já vejo o fim se aproximar.

                                         

Nenhum comentário:

Postar um comentário