domingo, 28 de abril de 2013

Ponto Final

Meu último poema será metalinguístico
e agonizará minha tristeza em versos.
Meu último poema, tão sofrido e solitário,
será perdido
e jamais encontrado em minhas gavetas empoeiradas.

                                        Não por mim, pelo menos...

pois terei partido,
                           sozinho,

para a eternidade que me espera no nada...

para a morte que ronda minha vida inválida...

para a solidão que me aguarda

                                                         no vazio de meu futuro.


As

lágrimas

escorrem,


                                                as noites me parecem sem fim...


não sei se grito ou espero em silêncio...

amargando a amarga vida que a melancolia trouxe para mim...



A outra se foi.
Disse que não iria...


disse que poderia confiar todos os meus segredos a ela...

mas não deveria.
                                                                 

                                                            E agora

                     estou sozinho novamente.



Estou enfim
no fim

que nos observa de soslaio,
ansiando o momento ideal
para colocar um ponto final
em nosso poema chamado vida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário