segunda-feira, 15 de abril de 2013

Saber

  Sabemos tudo;
                                                  sabemos o que não sabemos;
                                                  sabemos que saber

                                                  é prejudicial
e que saber pouco

                              é alienação.

Não sabemos ser, entretanto,
                                                   tampouco
                                                                        como nos tornar algo.


Sabemos que saber é não saber
       
                                            e que só sabe quem nada sabe.

                                            Sabemos nada
e nada é tudo.


Sabemos o que sabemos
                                       e nosso conhecimento é impessoal.

Só há influência, e falsas interpretações.
                                                                         
                                                                Só há herança do que já se viu
                                                                e só se sabe o que um dia foi feito.
Nada é criado, apenas descoberto.

                         Contudo, não sabemos o que somos.

                                                         Não paramos para pensar no eu.

A vida é a ilusão de quem vive

                      e quem vive é fruto da imaginação desenvolvida na infância.
                                   

       Talvez nos descubramos em uma esquina qualquer,
     
                                             tomando café ou conversando sobre o cotidiano

que neuroseia até o mais consciente de si.

Um comentário: