sexta-feira, 5 de abril de 2013

S.O.S.

Não andava mais com sua família;
         
                                                E se trancava em seu quarto ouvindo o mundo lá fora.

                              Achava que tinha sido esquecido,

                                                                             enquanto olhavam pela fechadura
              chorando sua morte iminente

pelos corredores vazios.

                                                       
                                                      Não sentia,

Somente sorria

                                                     para tentar enganar a melancolia.

Mas fracassou

E entregou-se à solidão que sempre circulou sua mente.


E chorou.
E gritou - por dentro,
porque sua voz era abafada

                                                                     pelo sentimento de prisão interna...

E chorava.
                                               
                                                    Mas até as lágrimas que escorriam

escorriam para serem aprisionadas...


E então, deixou de contar os dias;

                                                                             e a garota distante se preocupou;

e até mesmo ela se afastou...

                                                 e ficou sozinho.


Era o que sentia, pelo menos.

                                                                       E já não andava com seus poucos amigos.



Entregou-se à poesia

                                      e com ela alegrou pessoas,

comoveu estranhos

                                                         e liberou seus demônios aprisionados

- temporariamente, infelizmente.



E como, finalmente era reconhecido,

                                                                sentiu que seria entendido
- ou um de seus versos perdidos.


                                                                Mas não. Quem perdeu-se foi ele

enquanto pensava nas diversas formas de se matar em frente a todos.



E já não sente falta dos que sempre o envolveram.
E já não chora as lágrimas do desespero.
E já não se afasta.
E já não fala.
E já não é.


Já não vive o poetinha que vos escreve.

Nenhum comentário:

Postar um comentário