quarta-feira, 1 de maio de 2013

Angústia

Nossos sonhos inaudíveis
Se escondem no escuro
Dos quartos invisíveis
Do inconsciente inseguro
De nossas mentes entrelaçadas.


                                                          Não há alguém.


O silêncio ecoa pelas paredes,
O teto desmorona em versos
E as janelas e portas se fecham
No vazio solitário e angustiante
No qual estou imerso.


                                                       As casas caíram,
                                                                                  as pessoas fugiram,

                                                                                                                o tempo se foi


e eu aqui.


                                                         Estou aqui.



Nenhum de meus corações partidos
Voltou a mim como imaginei
E, ao contrário disso,
Os portos de onde partiram
Se fecharam enquanto meus olhos choraram
Toda a tristeza do mundo.


Nenhum de meus pensamentos me abandonou
E, apesar disso, fui deveras abandonado
Por todos que correram,
Por todos que morreram...
Ao entrar em contato com este, acorrentado
Na fraqueza do imundo.

                     
                                                                                                  Viver é a ilusão de quem vive.
                                                                                                  Vivo é quem da ilusão vive.
                                                                                                  Morrer é o fim de quem vive.

E os medos só se tornam
Pois a si não se conformam
Os que se contentam com o vago.

                                                                       E os medos apavoram.
                                                                       E os medos a si devoram.
                                                          Pois não se pensa em como combatê-los.


                                                      Essa é a arte de temer.

Essa é sua genialidade.


                                                            Ao temer só se pensa no que se teme.
                                                                       A solução se distancia.

E essa é a arte de morrer:


                                          ser medo, apesar de natural.

Ser o destino dos que temem
E dos que a têm como igual - à vida.




                                                            Nossos medos invisíveis
                                                            Se escondem no escuro
                                                            Dos sonhos inaudíveis
                                                            Do inconsciente inseguro
                                                            De nossas mentes sufocadas.


E não há alguém ali.


                                                      Apenas eu.


Estou ali.

Nenhum comentário:

Postar um comentário