sábado, 4 de maio de 2013

Cansaço

Seguem em caminhada, as pessoas.
Andam, caminham e correm,
Observam, são observadas e a si doem...
Ao deparar-se com o lugar algum.

                                                              Não chegam, simplesmente.

Destino - há nenhum.

O cansaço bate...
O cansaço pesa...

O cansaço jaz... na face da moça do trem,
No rapaz que sentou a meu lado
E no senhor da bilheteria.

E talvez a mim chegue ou tenha chegado,
Sem que meus olhos cansados tenham percebido.

Poetas percebem o mundo,
Mas nem sempre a si mesmos.

Olheiras, rugas... a velhice...
Foram tudo o que conseguiram os que caminharam
E, mesmo assim,
Ainda se jogam passos e pegadas ao léu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário