terça-feira, 7 de maio de 2013

Dissimulado


Meu coração é vazio


                - revestido por uma camada de pedra,
               
                                               por uma de gelo

             e outra de angústia.

                                                                             
                                                                           É deveras oco,

                                      deveras sofrido, morto

e, em sua sanidade e alegorias,

intensamente louco.


                                                 Meu coração é insensível

- anunciado por sua tristeza imperceptível,

                         a qual me sufoca, me aprisiona e apavora...

temendo seus próprios temores e falta de controle.



                          Meu coração é doentio.

 É a lágrima que escorre do mundo

                                       e rola até as trincheiras da mágoa.


É a indecisão da loteria

                                      e a melancolia desta vida atormentada.


Meu coração é oco.



              E em seu interior se esconde um poeta ignorado pelo sistema ao qual está inserido.  




                           Meu coração é oco...


                       
Sorte que minha parte viva está em meu reflexo em seus olhos.

Sorte que minha parte alegre está em seu próprio coração:

guardado a sete chaves para que não se perca na profundidade

                                                          deste poço de podridão e lembrança.


Sorte.

                                      Sorte.

                                     
                           O poema se transforma e assim é minha esperança.

Nenhum comentário:

Postar um comentário