terça-feira, 28 de maio de 2013

Projeto

Observou seus colegas da porta da sala.

O professor dava aula.
As garotas conversavam,
E os meninos riam de si mesmos.

8h15 da manhã.
Sexta-feira, 11 de outubro de 2013.

A aula de Biologia tornou-se o estudo da morte.
O céu primaveril, nublado, enlouquecia os poetas.
O rapaz raro desatava em prantos...
Sozinho...

Chegou atrasado e pediu atenção.

Sentou-se em seu lugar de costume, escreveu um poema
E o amarrou em seus braços... outrora rasgados.

Chegou a rir um pouco de si mesmo
E chegou a sentir-se vivo por aquilo,
Mas todos já sabiam, havia muito tempo,
Que a morte o consumira.

8h20 da manhã.
Sexta-feira, 11 de outubro de 2013

Levantou-se e dirigiu-se ao tablado
Sob os olhares atentos dos desatentos colegas.

Arregaçou as mangas,
Arregaçou seu braço,
E o pendurou na lousa... para que vissem os desenhos que nele traçou
Outrora.

Enquanto o sangue escorria pelo chão de sua cova,
A sala permanecia em silêncio, horrorizada.
E, pela primeira vez, ouviu-se histeria de sua boca:



Um grito.
Um grito, apenas.
Um grito de extrema felicidade e agonia.
Um grito que, se tivesse vindo antes... não faria diferença.


E continuou.

8h38 da manhã.
Sexta-feira, 11 de outubro de 2013.

Sentou-se na cadeira do professor,
Ergueu sua pistola
E decepou sua cabeça de trás para frente...


Para que seus pedaços ficassem marcados na pele dos primeiros.


E o horror continuava, à medida em que liam o poema de seus braços...


8h55.
Sexta-feira, 11 de outubro de 2013.

Bateu o sinal,
                        anunciando o término da aula.

Bateu o sinal,
                        anunciando o

Poema que deve acabar enfim, em fim... como este

Fim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário