segunda-feira, 3 de junho de 2013

Carol

Seus olhos castanhos me observam
Enquanto escrevo um poema falado,
Dou um beijo em sua testa
E digo que está tudo bem.

Olham de um lado a outro
E espelham os meus, aflitos,
Acalmando-me e acalmando-lhe
Sem que nós dois percebamos
O que realmente significa amar.

                                                           Vamos à luta.
                                                       
                                                           Vamos ao carinho e atenção...



Nenhum lugar parece tão distante,
                                               
                                                              Nenhum problema parece tão grande...
                                                         

                             sim,
está tudo bem.



Nado em seus longos cabelos e pela pele clara...
                                                     
                                                como as nuvens de um dia ensolarado.


                 Mas já não há poesia.


                                                   Só nos resta a realidade
                                                   Que criamos para escapar da convencional.



                               Somos dois em um,
                                                              O maior clichê de todos os tempos,
                               
                              Todavia, ainda somos originais e verdadeiros.


Somos bobos e retardados.

                               Somos amantes inseparáveis...

                           

                                                                            ... meus olhos se fecham para o mundo.


Vivo de devaneios, vivo de sonhos;
Vivo do amor e vivo por você.


Não importa o que digam ou pensem de nós.
Nada importa quando estamos a sós,
Sozinhos e juntos ao mesmo tempo,
Amando um amor que não se resume a abraços e beijos.


                                  Nada importa,
                                                                  não realmente,
   quando se tem alguém
                                      a quem chamar de sua.


E o tempo parece apressado
Em nossos relógios de vidro... sem tempo, na verdade.


Corramos, então!
Corramos juntos

Até que cheguemos a seus sonhos.
Até que realizemos tudo o que deseja.

E, somente depois, viverei por mim
E, somente depois, viverei enfim

                                                               O que desejo individualmente,


Porque
                          amo          
                                                 amar e fazer

         o que os outros chamam de impossível.

E, mais do que tudo,

                                           amo amar você


E seu jeito insubstituível.

Nenhum comentário:

Postar um comentário