domingo, 4 de agosto de 2013

Enquanto escrevia

Enquanto liam um poema qualquer,
o desconstruía a fim de construir a mim mesmo.
Enquanto invadiam casas abandonadas,
eu as abandonava - para diluir minha solidão
em formas concretas.

Enquanto jovens amam amores semanais,
o meu ainda dura, o meu ainda vive...
Enquanto suas marcas importam mais que suas almas,
a minha repousa em outra, criando laços
que nem o mais puro humano sonha em ter.

Enquanto enlouqueço e alucino,
os outros deixam de existir e tornam-se faísca.
Enquanto penso em meu fim,
vejo outros aniquilarem-se por poucos centavos
e menos dignidade.

Enquanto agonizo,
minhas palavras tornam-se hinos para bocas fechadas.
Enquanto agonizo,
meus sonhos percebem quão ocos são os seres.

Nenhum comentário:

Postar um comentário