domingo, 18 de agosto de 2013

Um peso a meu eu

Carrego o peso de ser quem sou
por ser nada
por ser tudo
e dúbio
ao mesmo tempo em que minha contradição
torna-se coerente
a meus olhos acostumados.

Carrego todo o peso do mundo
por pensar
por amar
e sofrer
com todos os pensamentos que assolam
minha mente
extremamente funcional.

Carrego o peso de ser alguém
por ser alguém
por ser ninguém
e outrem
aos que passam e olham e somente passam
e olham
o que a superfície os permitem enxergar.

Carrego o peso de ser quem sou
por ser
por não ser
e querer
ser o que não sou ao passo que quero
ser quem sou,
e querer realizar os sonhos de meu eu indeciso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário