domingo, 22 de setembro de 2013

Sonho

Um prédio caiu ao andar pela rua,
sozinho, acompanhado, pelo calor gelado
que provinha da amarelada e gorda lua,
e, em efeito dominó, derrubou seu gêmeo
causando o sofrimento de inúmeras pessoas.

Serviam banquetes, apesar de tudo
e meus documentos se perderam nos destroços
do primogênito.

Entre o onirismo de minha mente e as palavras no papel semi-esbranquiçado,
há um eco que soa em meu ouvido ao dormir.
Eco de preocupação, que vem da angústia e termina na agonia...

como se vivesse nos prédios de meus sonhos;
como se tivesse tal vida imaginada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário