domingo, 6 de outubro de 2013

ao ego

Se acontecesse,
talvez desligasse;
e, se ainda amasse,
talvez anoitecesse
os olhos que escrevem poema
para todo e qualquer problema
que a si instaurasse
em palavras agudas e de cunho
apoético.

Se escurecesse,
talvez mergulhasse;
talvez me amasse
o ego que a si entristece
em águas internas
de hedionda alma eterna.

Nenhum comentário:

Postar um comentário