sábado, 26 de outubro de 2013

Introspectivo

durante este tempo de insanidade,
tudo que me resta é tentar pensar
em algo que faça clarear a chama
da fosca, turva e sinuosa realidade
que está deveras longe de meu eu
introspectivo e demais desesperado.

durante este tempo de insanidade,
tudo que me resta é tentar sonhar
em algo que me faça realçar uma
faísca de poesia nesta mente
fragilizada e heroicamente nua.

é a aura da loucura num corpo
pobre de poeta mal compreendido
e amado.

é a tristeza por existir
numa morte próxima de final
desconsertado.

é a lágrima que escorre em reta,
mas descarrila enfim.

é a dor que exala e escorre sobre mim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário