quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

Por uma noite

Tão silenciosos e dispersos teus passos
calçam o chão por onde andas
sem que tua mente codifique o que ainda
amas sem amor, sem alma, sem chama.
E dedilharei-te; e sentirei-te
já que já não te importas mais contigo mesma;
e calçarei-te e amarei-te
por uma noite apenas, pois meu amor jaz num poço
de melancolia que consome a si mesma.
E repousarei em teu seio; e deitarei a teu lado
e irei embora de teu quarto com apenas o orgulho
de ter sido teu... por uma noite somente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário