quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

Dúvida

                                                                   O que me faz único?

                                                                   Poder pensar que por aí
                                                                   Pode ser que haja
                                                                   Um mundo ou mundos
                                                                   Que nem sonhamos que exista?

O que me faz único?

Imaginar um povo sonhando comigo
Ou um povo que nos vê...
Nos observa o tempo todo
E por isso nos sentimos observados?

                                                                   O que me faz único?

                                                                   Ser controlado por uma mente
                                                                   Ausente de meu corpo
                                                                   Ou por uma força dentro de mim
                                                                   - Neste veículo de carne?

O que me faz único?

Morrer e continuar vivendo
Num mundo idealizado
Ou lamentar por não ter vivido
O suficiente
Para saber que vivemos por nada?

                                                                   O que me faz único?

                                                                   Poder amar e me sentir frio
                                                                   Pelos sentimentos que guardo
                                                                   Em minha máquina cerebral?

O que me faz único?

Não saber se existo,
Mas levar a vida normalmente
Como se todas as experiências
Que conseguisse
Na verdade fossem algo?

                                                                   O que me faz único?
                                                                 
                                                                   O que me faz único?

O que faz com que pense tudo isso?

O que faz com que eu sonhe o inexistente,
                                                             
O que faz minha imaginação e mente?



                                                    O que me faz único?
                                                                   O que me faz?

                                                                                        O que?

O que me faz ter
                          esse comum e enganoso
                                                                prestígio de ser gente?


                                                                   Quem é único?
Quem nos faz?
                       
                               Quem nos ouve?

Quem somos?

                                                    Quem existe?

                                 Quem é sonho?

                                                                   E afinal....

                O que fazemos por aqui?
                       

Expectativas Extra Texto

Ex       Ex       tra
   Ex  Ex        
      Ex            pectativas
   Ex  Ex
Ex         Ex             texto

                                                             ex
                                          Aun    traño     plicaciones.
                                                 ex

A Byron M. Hyde

Como encontrar-lhe em seus versos?
Como reconhecer-lhe em sua poesia?

Como, Byron, como?

Como poetizar como seus versos me poetizam?

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Poética de Ninguém

Ninguém quer ouvir um reclamando de algo
Ninguém quer participar desta iminência de revolução
Ninguém percebe o outro
Ninguém quer saber de reflexões filosóficas, nem de contas
Ninguém quer coisas que não sejam prontas
Ninguém quer ser ninguém
Ninguém quer o bem do próximo sem o seu próprio
Ninguém quer acreditar que talvez não precisemos de um salvador
Ninguém acredita no seu potencial
Ninguém quer pensar
Ninguém quer amar
Ninguém quer viver nesta bolha de cristal
Ninguém quer ser educado
Ninguém quer ter cultura
Ninguém quer ser pobre
Ninguém quer admitir que tem ego elevado
Ninguém quer resumir a vida
Ninguém quer deixar de ser eternizado.

Ninguém quer admitir
             
              que os maiores problemas

são causado por um ninguém

              querendo ser alguém,

mas
 
Ninguém quer ouvir o que não ouve
nem pensar o que não pensa
para entender a razão dada

Ninguém quer voar em sua imaginação
Muito menos sonhar em poder pensar ou ser diferente

Ninguém é chato!
Ninguém quer nada...

Poética da Poesia

Não gosto quando romantizam a arte.
Posso dizer que a poesia não é perfeita
Em sua mera totalidade
E digo isso por achar que ela
Fala somente sobre coisas imperfeitas
Como o carro que passou aqui na rua,
Como o suposto deus que vigia o que fazemos
- mas é imperfeito por ser nossa ilusão
E a mim mesmo,
Que de perfeito só tenho o ego...
                                                   perfeitamente imperfeito
Para minha e suas breves realidades.

A poesia retrata o que é repleto de erros
Como ela mesma em sua metalinguagem incompleta.

A poesia retrata o que é completo
Ou, devo dizer...
Completamente imperfeito para ser alguma coisa
Divinizada, romantizada...
Insuficiente
poesia
poética.





segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Apesar da Distância

Não sou grande o suficiente para dissertar sobre o amor,
Não vivi eloquentemente o que sentia
E não tornei meus sentimentos uma canção ou sinfonia
De tudo que viera até mim - do calor de uma paixão
À eternidade que tracei em meus versos de dor.

Não sou poeta, nem humano o suficiente
Para deixar de lado o amor distante que ainda está em mim.
Não estou romântico ou preocupado neste momento
Em decretar o amor no mundo, como fiz enfim
Num dia também muito longe, sem qualquer sentimento.

Mas, apesar desse amor limitado,
Só eu sei quanto amei suas imperfeições e problemas
Enquanto entendia seus poemas não poetizados.

Só eu sei que amei o quanto pude e muito mais,
Sem que perdesse a esperança e o amor mais verdadeiro,
Que ninguém amou... jamais!

E só eu sei
Que só eu sei

Que ainda não amei
Todo o amor do mundo.


Futuro Simplista

Evitar palavras
Cansativas
Ou cansadas
Evitar rimas
De efeito
Ou não usadas
Evitar o rebuscado
E a reflexão
Para tornar a vida
Simples...
Pragmática...
E ideal
No ideal
Das pessoas
Cansadas
De extras.

domingo, 27 de janeiro de 2013

Poemeto Qualquer

Escrevo este poema para ninguém.
Escrevo este poema
E
Escrevo
Enquanto cravo meus versos em alguém
- Que não é ninguém para alguém
- Que para outrem é qualquer um.

Mas não escrevo nada,
Não escrevo,
Mas escrevo, ainda assim.

E o que faço?
O que abraço
Com palavras vazias?

Onde quero chegar?
Como sei se lerão este poema para ninguém?
E como saberei se um dia aprenderei a amar?


Escrevo este poema para alguém.
Escrevo este poema
Escrevo

Palavras de rimas frias
Palavras de rimas
Palavras
a
l
a
v a z i a s
r
a
silenciosas

E minhas... minhas palavras eternas
Num poema qualquer
Para um qualquer
Ou ninguém...
Ninguém para mim
Ninguém para alguém...

E ninguém para meu poema vago.

sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

A Casa Assombrada

Cuidado! A morte assegurou seu lugar
Nas paredes de uma Casa que até hoje insiste em me assombrar
Com seus espíritos inquietos e seus gritos impiedosos
Que soam como sinos gigantes de igrejas ou castelos grandiosos
No calar da solitária e diabólica noite
- De ar espectral.

Ao cruzar a porta em direção ao salão principal,
Vejo a lareira- e o fogo- e o sofrimento - e a morte!
Me observando... ali, naquele lugar frio,
Naquela masmorra de caráter sombrio...
Onde meus sonhos se tornaram pesadelos
E minhas esperanças simples lampejos
De alguma coisa que já esqueci.

E como sofri! Ali parado vendo um muro se erguer à fronte...
Um muro irreal - que mais parecia um delírio do que uma ilusão...
Mais parecia uma alma a gritar dentro de mim
Implorando para ser liberta... liberta do inferno em que me encontrava,
Em meio aos tronos de demônios que conversavam entre si,
Gargalhando de meu desespero e se orgulhando da treva que me invade até hoje...
Fazendo de mim um espectro - um cadáver - um poema de versos mortos

Em meio às colunas de miséria, de dor e tristeza que sustentam a Casa...

E a mim.

Ateísmo Bíblico

O suposto Livro Sagrado foi alterado inúmeras vezes,
Logo, deixou de ser sagrado.

É simples...

Como as palavras de um Deus qualquer
Podem ser alteradas pelo homem
E continuar sendo divinas?

E o que elas significam, afinal?
O que elas dizem?

Qual a razão em acreditar em algo do tipo?

Busque o original...
A cópia é sempre uma tentativa
De se aproximar da suposta perfeição (primeira).


Mas sei lá... não devo nada a ninguém.
Não dependo de minha imaginação...




- A fé não está em minha essência.

Amarg'Amargura

Em algum lugar alguém me chama
E me imagina presente à mesa,
Para uma boa conversa
Na hora do jantar.

Em algum lugar alguém me ama
E me imagina ausente de minha frieza...
Sorrindo, cantando e amando
Um suave e triste afagar.

Mas estou aqui, sozinho,
Calado, imóvel...
Perpetuando a melancolia
No estranho e insuficiente
Palpitar de meu coração.

Mas estou aqui, sozinho,
Imune, impune...
Imaginando quem me imagina
Sem minha triste, profunda
E amarga solidão.


Olhar Vazio

Às vezes me vejo sentado em um canto
Erguendo-me de pensamentos impotentes,
Nos quais sou vítima da miséria que penso
Estar próxima de mim.

Às vezes me vejo como em um espelho,
O qual minha mão atravessa
- Como se fossem as águas de um rio
Que mergulhassem em minha mente
Fazendo com que meu olhar vazio alagasse

E se enchesse...
E esvaziasse...

                                         ... de novo...

Às vezes imagino o mal que existe em mim.
Sou todo ele e todo o bem que já imaginei
Ou criei...  Ou simplesmente copiei
De um outro infeliz
Que morreu de sua felicidade.

Meu olhar vazio é minha única realidade...
E já não sei como sentir qualquer coisa.

Que não sinta nada!
Será problema para alguém? ...

                                                                     ... Talvez só para mim
                                                                         Mas não sei...
                                                                         Não sei de nada.




quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Boa Batida

Sou filho de africanos
Sou pai de um europeu
Sou avô e tio
De asiáticos e indígenas


Mas o que sou?

Sei lá,
Só sei que
Usaram um bom liquidificador pra - nos - fazer.

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Poética do Nada

Nada                                                                  Não temos nada
                                                                          Que se possa chamar de algo,
            Nada

                          Nada                                        Pois tudo o que tínhamos
                                                                          Virou nada...
                                      Nada
                                                                          Virou nada...                                                                                
            Nada                                                      Virou algo...  o nada é algo, afinal.

                          Nada                                        Vendemos tudo,
                                                                           Nos livramos de tudo...
                                         
           Nada                                                        E não temos nada...

Nada                                                                  Nada
                                                                                    Nada
                                                                                             Nada...
                                                                     

... somente o buraco dentro de nós...

segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Seis por Meia Dúzia

Se todos deixassem de crer,
O olimpo universal estaria vazio,
E todos os deuses que as pessoas creem
                                         (ou descreem)
Seriam mitos.

Se todos deixassem as religiões
Para seguir fés avulsas,
O mundo pensaria livremente.

Se não houvesse partido,
Se não houvesse ideologia,
Se não houvesse ego,

O que existiria?

Qual seria o novo problema?

Mente na Mente

Tenho metade de uma ideia em minha mente
E não tenho nada,
Somente o badalar dos sinos de uma igreja próxima
Chamando os crentes para clamarem suas vozes mudas.

O som estridente do metal ou ferro
Soou em mim como se fosse em meu coração ardente.
Mas não tinha nada,
Apenas metade de uma simples ideia em minha solitária vida calada.

O sino bateu mais algumas vezes enquanto minha alma saía de mim
E era carregada para longe pelo vento que soprava calmamente...
Talvez fosse o respirar de Deus
(Ou talvez estivesse querendo me privar da razão [em um verso] - para descontração)

Não sei...
Só sei que não tinha nada
E ainda não tenho...
Apenas uma ideia quebrada
E uma mente assombrada dentro de minha própria mente.


Em Caso de Divina Comédia

Quando me sinto sozinho,
Quando preciso me isolar para
Seguir em frente,
Ou quando estou tristemente morto,

Lembro que alguém sempre estará me vigiando...
Alguém sempre estará a meu lado
Se importando com tudo que eu digo ou faço.

Aleluia, irmãos!

Sempre serei assunto
Sempre serei comentado
E sempre serei amado,

Afinal,
Sempre tem alguém se metendo na vida dos outros,
E sempre tem alguém querendo saber demais,
Mesmo que não tenha sido chamado.

Todo o Amor do Mundo

Eu te amei
E nada mais do que isso
                                                   
                                   Eu te amei
                                   E nada mais
                                                   
                                                            Eu te amei
                                                            E nada
                                                       
                              Eu te amei,


Mas amei por amar

                                         
                                 Todo o amor do mundo.

domingo, 20 de janeiro de 2013

Poética da Entrega

Cada vez mais acho que escrevo melhor,
Ainda que esteja muito longe do ideal
Que propus a mim para meu próprio desenvolvimento.

Ao mesmo tempo, porém, minha fraca poesia
Se torna menos e menos sentimental,
Fazendo com que o conteúdo de um poema
Ou de outro seja irrelevante
Ou até mesmo igual

                                     à miséria que crio em palavras.

Cada vez mais caio no declínio.
Estou morrendo poeticamente...
Estou morrendo com a poesia...
Estou morrendo,
Enfim, estou morrendo.

Chegou a hora de anunciar o final de meus versos
Para meu próprio fim...
Sem que este seja mais importante
Do que qualquer coisa aleatória
Que encontramos por aí.

Não sei o que virá depois,
Não sei se há deuses,
Paraísos, almas ou espíritos,
Mas, se existirem,
Virarei um deus:

                                     O deus da melancolia

E minha alma vagará sozinha por toda a eternidade;
Em uma lata de lixo,
Em um beco,
Em uma cidade,
Em um país
qualquer...

Onde um pouco mais de poluição não será problema.

Cada vez mais penso mais
E sinto menos.

Sempre tive medo da morte,
Mas agora temo que ela chegue
E passe por mim sem que eu sinta nada...
Sem que interfira em minha vida...

Minha vida de estátua,
Minha vida de monumento,

Monumento às lágrimas que despejo em mim
Em um irreconhecível e desimportante silêncio.

Paralelo

Às vezes estou tão cansado que nem ao menos penso
No que poderia ter feito
Se não estivesse propenso a sonhar acordado.

Numa dessas vezes me deparei com uma oportunidade.
Não entrarei em detalhes,
Mas haveria muito mais poemas de amor
Em minha já acolhedora poesia
Se aquilo tivesse se tornado verdade.

Enfim, me precipitei
E deixei escapar um sonho,
Uma utopia virando realidade.

Agora, em meio a um novo cansaço, me pergunto:
O que estou perdendo?

Será que cada momento que aproveito
É consequência de uma perda inconsciente?

Será que cada momento que vivo
É a razão da morte de outros melhores?

Talvez se nunca tivesse perdido algo
Nunca viesse a pensar nisto,
Muito menos tivesse escrito
- O que deve ter vindo a mim por outro motivo, agora desconhecido.

Talvez se nunca tivesse juntado palavras,
Escrevesse muito mais
E melhor
E pior
Ou pior
Ou melhor,
Dependendo do que tivesse feito antes.

Agora, em meio a um novo poema, me pergunto (mais uma vez):
O que virá a seguir?

Falação

Fale comigo
Até que a noite
Se perca
Nos primeiros
Raios de sol.
     
                          Fale comigo,
                          Converse
                          Até que não haja
                          Mais assuntos
                          E você regresse
                          Ao silêncio.

Abra sua boca
E deixe espaço
Para as palavras
Fluindo
Num momento infindo
De perfeita locução,

                                                                          Mas não fale muito
                                                                          Para não se cansar
                                                                          E perder-se
                                                                          Em seu aranhol,
                 
Como faz a noite calada
                   Ao deparar-se com a estrondosa e radiante
                                                                    Voz do sol.

sábado, 19 de janeiro de 2013

Irrelevante

Na vida e poesia,
Não se deve arrancar o que está encrustado
Nas mentes das pessoas.
Como a fé,
As paixões e amores.

Não se deve julgar,
Não se deve ter, mas ser;
Deve-se escrever o que pensa
Mesmo que venha a ofender os outros.

Na vida e poesia temos limitações,
Mas na escrita livre, em versos, não,
Porque, quem disse que versificar é poetizar
E poetizar é o simples versificar?

Posso falar o que penso
Mesmo que não esteja enquadrado na poesia,
- Ainda assim, se disser que fiz um poema, será um poema, mesmo que não seja.

Enfim, posso escrever o que quiser,
Como a Igreja pode abusar os fiéis
Sem que os bobos percebam que estão pensando por eles;

Como os partidos políticos, que estão para ser extintos
- Em troca de governantes avulsos reunidos;

Como o vento que sopra ao longe, sem obstrução
- Coisa que muita gente por aí não faz,
Simplesmente por se obstruírem ao pensamento,
Que é o que nos distancia do instinto,
- Do que nos faz homens ao invés de animais apenas;

Como os mal-educados (por Educação) reagem
Ao se depararem com a injustiça que lhes é destinada
Por serem mais baixos, segundo o resto ignorante.

Como os drogados que destroem famílias;
Como os bandidos que matam, mas, por serem pobres, sofrem punições.

Uma coisa é certa:
Se o mundo inteiro tivesse dinheiro, exceto os supostos justiceiros,
E se eles não se incomodassem com sua condição,
Não haveria ser humano na cadeia.

Ah, a corrupção!

Mudando mais uma vez de assunto,
Para discutir assuntos,

Agora quero falar sobre minha mente:
Um paraíso de vários assuntos e temas,
Como este poema.

Outra coisa faz sentido:
Se um dia alguém conseguir me converter a alguma religião,
O fulano será um senhor chaveiro...

Minha mente é feita de inúmeras portas trancadas
- Abertas apenas para mim e convidados.

Você não é bem-vindo (a) até que eu convide.



                                                   Voltando à poesia:

Posso escrever o que quiser...
Como os pedófilos televisivos que vão comendo seus filhos
Enquanto você assiste TV na hora do jantar...

Até que seus pequenos sejam dominados pela malícia...

LINDO!

Viva a sociedade!
(Que é permitida fazer o que quiser sem que alguém a interrompa
OU
Sem que não haja punição suficiente para parar determinadas coisas

                         - Como este poema...)

quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

(Cotidiano) Reflexões de Um Utópico

I

Devo arrumar estas coisas aqui em cima
Para que nada fique muito desorganizado.
Você poderia me ajudar?
Está vendo aquelas prateleiras?
Vou limpar as janelas agora. Você poderia retirar
Tudo que está em cima delas
E juntar nesta caixa?

Obrigado.


                                                  II
                                               
                                                  Adoro ficar andando de um lado para o outro.
                                                  É tão relaxante...
                                                                  Mas nada é completo se não falar sozinho...
                                                 Se não contemplar a solidão 
                                                                                      - presente da vida para um humilde comerciante.

III

Um, dois três, quatro, cinco...
A loja fechou, preciso dormir logo.
Amanhã precisarei acordar cedo
Para buscar o pagamento no segundo emprego.




                          IV
                   
                          A morte ronda a casa dos vivos.
                                  Queria ser imortal...
                          Zzzz........ Seria eu morto? Zzzzzzz..............




V

Preciso de um ajudante...
Estas caixas não são empilhadas sozinhas...
... AH.. Mais uma...

Quando terminar aqui precisarei fazer a lista... conferir estoque e dinheiro em caixa...


                            VI
                     
                            "A morte ronda a casa dos vivos"...
                             Se eu fosse imortal não me mataria de trabalhar...
                             Mas já estaria morto ou teria matado a morte por ser imortal?
                                                                          O que é a morte?
 
Deixa pra lá...

VII

Um, dois, três... setenta e um, dois, três... cem!
100?! Que número besta...
Aposto que se eu tivesse chutado teria acertado
E não teria perdido meu tempo...

Mas quem liga?
Sou apenas um vendedor...


                                                             VIII
     
                                                             Às vezes penso na razão d'eu estar aqui.
                                                             Afinal, um dia terei vivido em vão.
                                                             Se hoje alguém se importa com minha vida,
                                                             Um dia tudo que vivi passará de realidade para lembrança
                                                             E meus sonhos se perderão nos grãos de areia
                                                             Que hoje escapam de minha mão
                                                             Sem que a nenhum consiga salvar.

IX

Preciso de uma diversão...
Andar já não é o suficiente...
Preciso de uma família...
Amar deve ser mais eloquente
Que minha solitária eloquência



                                                                                   X    
                                                                                 
                                                                                   Zzz...  Zzzz...
                                                                                   ZZzz... ZZZzzz...
                                                           

Nomenclatura

"                   Mudei meu nome para '   '

Faça como eu, não me chame
                                  (Prolongue meu
                                   Estrondoso
                                   Silêncio).                        "

Dá para algo não ter nome?

Se o meu fosse "  "
Me chamariam de fulano,
Teria um provisório
Ou um carinhoso e aleatório apelido.

                             É como o nada, que se chama Nada
                             Ou Deus, que se chama Deus,
                             Ou o desconhecido, que ainda não conhecemos,
                 
... mas é o Desconhecido.

Por isso pergunto:
Dá para algo não ter nome?


Escola do Pensamento (Fábrica de Nºs)



                     ___________                          
                             EP
                     =  =  = =  =  =
                     =  =  = =  =  =                  
                     =  =  = =  =  =
                     =  =  = =  =  =


              1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 2 2 2 2 2 2 2 2 2 3 3 3 3 3 3 3 3 4 4 4 4 4 5 5 5 5.......
              ......101 102 103..... 1992 1993 1994 1995.... 2005 2006 2007... 2013

                               

"Façam fila para a orientação modelar"


    1          "Não há mal na educação escolar (pelo contrário)
    2           O mal é viver buscando se tornar mais um...       
    3           O simples 'viver por viver'".                     
    4                                                          1
    5 10 11 12                                    12 11 10 9 8 2 
    6                                                          3
    7                                                          4
    8                                                          5
    9                                                          6
                                                               7                                                      
                                                                                       E olha lá!
                                                                                       A excelência indo embora.

Modelagem Sob Medida

Sou um modelo:

Nasço
Atinjo certa idade
Vou para escola
Vou para faculdade
Encontro um amor
E me caso.

Tenho um hobbie ou dois
Leio um livro
Vejo um filme
Até alcançar a velhice
E morro.

                                                         Não luto
                                                         Não abuso
                                                         Não desafio a mim mesmo
                                                         Não defendo direitos
                                                         Não reflito
                                                         Não penso.

Apenas ajo como o resto...

                                 Apenas ajo...
                                                       
                                                           Apenas vivo...
                                                       ... A mesma vida que todos.



Sonhos Iguais

Se, quando lembrar meus sonhos,
Estiver sonhando,
Será que tudo virá à tona?

                                                                 Nada vem tão fácil
                                                                 Tudo que está contido em meus sonhos
                                                                 Também faz parte de minha própria realidade
                                                                 (Mesmo sendo um mito, um medo, uma fantasia).

                      Quando durmo,
                                   Quando sonho,
                Quando penso...

                                           Continuo imerso nos pensamentos conjuntos.

segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

Pré Conceituando-me (Antes Que o Façam)

Nunca fui a um prostíbulo,
Nunca beijei um homossexual,
Não tenho parentes negros.

Não me considero uma pessoa burra,
Não acho que viverei sozinho em meu mundo,
Nunca me droguei.

Nunca me imaginei seguindo uma religião.
Nunca pensei que seria rico e desigualaria a sociedade - mais ainda.

Não sei qual será meu futuro.
Não sei se terei o mesmo.

Ainda assim, se tivesse feito e sido tudo que não fiz e sou,
Ainda seria eu,
Ao contrário dos que se perdem na névoa de suas mentes

Para negarem seus possíveis pares.
                       

Poética da Saudade

Meus olhos solitários procuram o mundo
Que os teus, sedentos de amor, espelham
Para que meu coração vasto/imundo
Possa conhecer a que teus sonhos se assemelham.

Quero a aurora de tua vida,
A qual me faz sentir vivo
Numa realidade irreal.

Quero deixar de ser homem
Para tornar-me a poesia dentro de ti;
Para num mundo distante ficar imerso,

Onde até o mais calmo amante
Faz com que os outros se somem
Para serem lidos como um simples e intenso verso.

Reflexão Sobre o Medo

Vivemos dos medo que criamos
Às custas de nosso bem-estar.

Mas qual a razão para temermos determinadas coisas?

Talvez todos tenhamos, inconscientemente,
O medo da morte
E, portanto,
As sombras que nos assustam à noite,
Os vultos que vemos durante nossos sonhos
E as pessoas que tanto nos apavoram
Sejam frutos do risco à vida...
A morte precoce e talvez injusta.

sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

Frieza Momentânea

Releio o que escrevi em outros tempos
Para pessoas quaisquer que não
Devem saber que os momentos
Que dediquei a escrever
Eram para elas.

Revi meu amor na amplidão de meu espírito apaixonado
E, ainda assim,
O que vi foi tão distante do momento em que me encontro
Que nada sinto...
Não sinto o que senti até certo ponto.

Acho justo,
Pois, dessa forma, valorizo os momentos em que amei
Em que chorei
Em que vivi
Intensamente.

Porém, mais do que tudo,
Sinto falta de palavras bonitas,
De sentimentos contagiantes
E memórias,
E poemas
Para amores relevantes.

Tempassou

O tempo passa diferente para mim,
Pois não o aproveito,
Assim como fulano,
Que não aproveita como um outro qualquer.

O tempo é tempo igual
E sempre foi...
As pessoas é que mudaram
- Assim como suas ocupações.

Se digo que o tempo passa rápido
Será que ele é que passa ou sou eu
E não percebo?
Se anda lento, devo correr?

O tempo é o placebo dos apressados...
Nele se descontam o estresse, a falta de ponteiros
Para contar seus próprios dias...

O tempo é igual para todos!

Mas e você, o que faz com ele?
Como você aproveita seu tempo?



Soneto a Alguém

Nos olhos teus minhas lágrimas escorrem,
Mas encolhem-se secas e nuas
- Como se todo o sentimento do mundo
Fosse esconder-se em desertas e infinitas ruas.

Teu sorriso, escasso e torto,
Faz de mim um poeta vadio
(Sumindo de mim mesmo,
Ao lidar com o doloroso imundo vazio).

E a aura de tua chama  - breve -
Toca-me e conduz,
Enquanto a minha escreve

O que teu coração deduz
Ao ver-me correr pela neve,
Sem poesia, sem vida, sem luz.

quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

Futuração.

Ao alcançar determinada idade
Lançarei-me nos campos
Lotados
De sonhos perdidos;
Inundados,
Pelas lágrimas
De inocentes foragidos.

Isolarei-me de minha vida comum
Para tornar-me não mais um, apenas,
Mas uma lenda
- Ainda que seja em um remoto
Ou ingênuo sonho meu.

Mas, se nada der certo,
Se não houver um novo
E amplo pensamento;
Se cair num esgoto,
Numa vala,
Num poço de mágoas - dentro de mim,

Que seja lutando,
Não falando,
Não reclamando,
Não escrevendo,

E que viva minha vida com alegria
Com amor e felicidade,
Sem que o conforto faça de minha aura rebelde
Um estacionamento burocrático.

Automática

Ah, as máscaras que visto enquanto me situo
Em conversas diversas.

Todas tão diferentes,
Tão comumente bem vindas,
Que quando me dou conta,
Não sei qual é a que mais combina
Com o que realmente sou.

terça-feira, 8 de janeiro de 2013

Amor à Ironia Planejada

O ego humano unido
É capaz de matar todos os deuses
E levar seus paraísos.

O ego move montanhas,
Move montanhas de dinheiro


Montanhas de pessoas sem um fado altaneiro
- para um Capital ultrapassado,
                         e ridiculamente
                            interesseiro.

O ego é seu próprio deus
Em meio a um Olimpo
Mal elaborado...

                                                     O ego é objeto de diversão
                                Para os egoístas resumidos,
       (ou, se me permitem,
Ao grupo seleto que a si seleciona -

                                      Que se apavora com diversas tribos
                                      E ao conforto estaciona).

Mas todos nós vivemos confortáveis
                                                      - sem considerar classe ou grupo pertencente.

Eu, por exemplo, tenho minha vida muito tranquila.
Tenho condições financeiras suficientes
Para me manter como proletário o resto da vida
                                                           - ainda que viva
                                                              melhor do que zilhões
                                                              e pior do que outros milhões.

Sou o meio assim como muitos.

E, assim como eles,
Meu ego é egoísta.

Quisera eu ser pobre e religioso para amar alguém que não fosse a mim.
Mas para que amar?!
Melhor é enriquecer!
Melhor é viver por viver!
Melhor é ser altruísta num mundo de poucos...


Se fosse rico amaria o tal Capital ultrapassado,
                                                  e ridiculamente
                                                     interesseiro.

Sou meio, não me preocupo...

Apenas com a vontade que o rico tem
De proporcionar ao pobre o estupro


Mas se fosse pobre amaria a Deus e ao dinheiro...
(Pois são inalcançáveis em nosso modelo)

                                                                                             Lembrando que:
                                                                        Até que consiga o que deseja, o homem ama;
                                                                              Depois de amar, seu ego inflama
                                                                                                 E vira gente
                                                                                                 E vira Deus
                                                                                              E vira sociedade.

Portanto,
             enquanto sou mediano,
                                                Amarei a ironia.
                                                                     

Poética do Poeta


Minhas pétalas foram arremessadas a um jardim qualquer,
Onde as alegrias do mundo seriam jogadas
Em troca de um pouco de amor.

Mas o amor que tantas flores desejavam
Murchou sem dizer um adeus sequer...

E agora a terra onde sementes eu enterrava


                                                  (para um homem que almejava
                                                  Uma solidão vibrante, cantante, errada)

Dilui-se no seco.

domingo, 6 de janeiro de 2013

Rotina

 Dia Noite Dia Noite Dia
Noite Dia Noite Dia Noite


 Dia Noite Dia Noite Dia
Noite Dia Noite Dia Morte.



                                         

Possibilidades

Tudo que vier a dizer
Já foi dito por alguém
Em algum momento
Distante de mim.

Mas por qual motivo
Insisto em pensar
Que sou original a ponto de
                                       me entender
                                       como ser único?

Se tudo que disse foi dito outrora,
Terá sido minha existência duplicada
Ao falar sobre minha existência?

                                                                  Então,
                                                                  Se não sou o primeiro a dizer tais palavras,
                                                                  Será que sou uma cópia
                                                                  De uma cópia,
                                                                  De uma cópia?!


sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

Poemeto-Carta (das Poéticas Horas de Impulsão)

Tarde da noite
               (por volta das três)
                                Já não consigo pensar.
Minha imaginação é limitada
Assim como a luz que sai de meu quarto
Para a sala onde minha vó reza em sonho
Para a santa que jaz na parede
Recentemente pintada.

Tarde da noite agora,
Nessa poesia tardia,
Numa conversa de mão única...
Escrevo para dizer que amo,
E para dizer que amar é mais importante do que ser,
Porque, quando se ama,
Aprende-se a sonhar
                              as coisas mais lindas...
Que valem muito mais a pena
Do que simplesmente viver.


Registro Misto

Dez pras duas da manhã
E um senhor se levanta de sua casa:
Dois colchões (de luxo) de papelão
Revestidos com uma dura camada de saco de lixo (de primeira)
Sustentado pelos (nobres) galhos de uma árvore qualquer.

Ali mesmo, em seu Buckingham brasileiro
                                        - debaixo do viaduto -
O senhor se espreguiça e sai andando com seu fiel companheiro:
Um vira-lata (com pedigree e tudo mais)
Esperando por um milagre
Que os faça existir.

quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

Poética da Voz

Voz Voz Voz Voz Voz                    Voz Voz Voz Voz Voz                           
Voz                       Voz                    Voz                                                                                          
Voz                       Voz                    Voz                                                            
Voz                                    Foz                                                                        
Voz                                    Foz                     Vós vós vós vós                                                     
Voz                                    Foz                                                                      
Voz                       Voz                    Voz                                terminais minha poesia                                                                                         
Voz                       Voz                    Voz                                                        pobremente                                                                
Voz Voz Voz Voz Voz                    Voz                                                               concreta.


                                                     exectais o mundo
                                                           expectral
                                                            imundo.
Mundo de voz incerta
  

quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

Receita do Tributo

Poe Poe Poe
               Põe Põe Põe
                                   o
                                      Poe no Pão
                                                         e
                                                            Bate Poe com Poetinha e Neruda,
                Mais Alphonsus, Castro e Campos
                                                                  pra fazermos vitamina.

Sei que vou te amar, meu amor,
Sei que vou morrer de solidão,
Sei que vou libertar
                               e sei que vou criar!
                               
                                                       Vou            
                                                criar
                                                         a
                                                   cri
                                                       ação.

Poe Poe Poe,
              Põe aí no meio um pouco de Gullar e Christie;
                                                       Pro freguês da mesa vinte,
                   
                                                                O senhor de bigode e roupa estranha,
                                         
                               Um homem tal chamado Nietzsche.
                                                                           

Poética da Ilusão

Sinto o vento bater em meu rosto,
Mas não vejo teu corpo a meu lado.
Sinto o oposto do que sinto e ouço,
Mas não sinto, não vejo, não ouso.

Talvez seja o início de um desejo
Ou de um novo prazer memorável;
Talvez seja um nada, um lampejo,
Uma eterna solidão inegável.

Não sei se sei se o nada é tudo
Para mim e para o que amo.
Não sei se sei se o que sei é mudo,

Ou se sou calado e obscuro
Por causa de meus medos e sonhos
(Que guardo no vazio soturno)

De meu coração gelado.