terça-feira, 30 de abril de 2013

Direção

Os carros
                  passam

desgovernados
                       

                        com o                   dos acordes que
                                      silêncio


                                                                            soam das vozes estranhas
                                                   
                                         e ausentes

     nos rádios não sintonizados para o mundo.


E cada um em seu aqui
                      e agora...

em um daqueles instantes pessoais e relativos...


                                                                                 E cada um, por si,
                                                           afora          

                                 mal pensando ou poetizando o que não há para poetizar....

Batucam seus volantes,

fumam sua paciência

e tateiam suas tecnologias portáteis.


                                                                            Cada mundo diferente

                                                               - situado em carros diferentes -

reside no
                            vazio.


E cada um somente enxerga o tédio;
E cada um somente enxerga a pressa;
E cada um somente enxerga seu reflexo

                                                 observando seus olhares abstratos.



Não sei quantos são capazes de olhar através da janela.

segunda-feira, 29 de abril de 2013

Sem Ritmo

Uma pena que em breve nada seremos.
Que droga a vida que vivemos...
Tudo igual. Tudo monótono.
Tudo... nada.

Uma pena que seja tão breve, entretanto.
Não sei se perco meu tempo, se divago ou canto
a melancolia que amarela as folhas de outono
- à espera do silencioso e sádico inverno sono.

Tudo vago. Todos vazios...
O que vale a pena, afinal?
Por qual motivo?


O tempo passa e a única solução que encontro é a dúvida.

domingo, 28 de abril de 2013

Ponto Final

Meu último poema será metalinguístico
e agonizará minha tristeza em versos.
Meu último poema, tão sofrido e solitário,
será perdido
e jamais encontrado em minhas gavetas empoeiradas.

                                        Não por mim, pelo menos...

pois terei partido,
                           sozinho,

para a eternidade que me espera no nada...

para a morte que ronda minha vida inválida...

para a solidão que me aguarda

                                                         no vazio de meu futuro.


As

lágrimas

escorrem,


                                                as noites me parecem sem fim...


não sei se grito ou espero em silêncio...

amargando a amarga vida que a melancolia trouxe para mim...



A outra se foi.
Disse que não iria...


disse que poderia confiar todos os meus segredos a ela...

mas não deveria.
                                                                 

                                                            E agora

                     estou sozinho novamente.



Estou enfim
no fim

que nos observa de soslaio,
ansiando o momento ideal
para colocar um ponto final
em nosso poema chamado vida.

Divagando

                                                                            De suas mãos, tão leves, tão frias,
                                                                            descubro o carinho que nunca tive.


                                                                            De minha boca seus olhos sorriem
                                                                            o olhar deste menino triste

que ainda espera o próximo Natal
para correr e abraçar a árvore,
abarrotada de pobres presentes.

                                                                            Em nossas tardes vazias
                                                                            nos abraçamos em pensamento
                                                                            enquanto memórias de um passado distante
                                                                            nos alegram e fazem-nos sorrir.


                                                                            Em nossas tardes vazias nos amamos
                                                                            e em nossa distância nos encontramos - sozinhos,
                                                                            a amar um ao outro 
                                                                            sem que a sinceridade deixe de existir.


E como o menino que tanto espera suas pequenas conquistas de Natal,

mal conseguindo dormir,
mal conseguindo suportar a demora do dia seguinte,
mal conseguindo aguentar a inquietação de virar centenas de vezes de um lado a outro,

                                                                                           esperando algo por vir...

                                           espero você.


                                                                        Espero um abraço,

quiça um beijo alegre e triste 

                                         - por ter partido e depois chegado...

um beijo romântico e carente,

                                         de amante para amante, 

e como nenhum outro, apaixonado.


                                           Com suas palavras me conforto e acalmo,
                                           ao passo que nos protegemos de algum mal
                                           que para nós não deveria existir.

                                           E talvez esse mal seja apenas um sinônimo
                                           para uma outra partida,

                                                             uma outra distância,

uma outra inquietação.

                                                                            Com suas palavras esqueço o resto
                                                                            e nada mais importa.
                                                                            o que mais importa, além de nós dois?

                                 Não quero pensar...
                                 não mais...
                                 não preciso, simplesmente.

                                                                                                   Sou como o menino.
                                                                                                   Eu sou o menino...

e ainda espero minha próxima noite de Natal.

sábado, 27 de abril de 2013

A História que se fez de alguns

Um legado
                 para viver
                                  o viver

não negado
porém
esquecido

                                           e
                                                                            mal lavado;

não distribuído
                                  por nós.

           
                          Um
                                              legado...
                                      Que
                                              legal...


meu secreto
e eterno
sonho de menino.


                                                                   Mas só sonho mesmo...


utopia dos numerosos
e concretização de seletos.

quarta-feira, 24 de abril de 2013

Ensaio aPoético

Ninguém é obrigado a se adequar a seu ambiente
E ninguém deve odiar quem a si é diferente.

Entretanto, não acho que deva amar a todos
somente por amar
e somente por que fulano é alguém.

Guardo meu ódio para mim - o que deveras me desagrada,
ao passo que demonstro minha grandeza.
Mas não detesto minorias ou grupos realmente poderosos.
Repudio um a um, pelo que a pessoa se faz - não pelo que é ou se tornou.

Não preciso ser ou deixar de ser pedante para agradar.
Não preciso fazer o que não quero somente por fazer
ou para a confiança de alguém ganhar.

Por exemplo, não gosto do sujeito que senta perto de mim na escola
e não suporto ser interrompido em meio às reflexões que tenho
corriqueiramente - em meu espaço, sozinho.

Não gosto do cara que posta "mensagens de Deus" em redes sociais,
Muito menos do meu jeito ousado, crítico e visionário
- mal compreendido e expressado, muitas vezes.

Este faz-me sentir um peixe fora d'água
em meio a um oceano de ignorância sem fundamento.

As pessoas se entregam ao falso cavalheirismo,
extinguindo a mente individual, ao que parece,
para suprir a coletiva - o agrado:
a não ofensa ao outro, que pode vir a se machucar
com uma ou duas palavras um pouco mais rudes.

O ser humano torna-se fraco pouco a pouco porque quer
e ainda tem a capacidade de queixar-se da força de uma minoria atrevida.
Não se pode enaltecer uma habilidade ou pensamento pessoal
que o pedantismo vira saliva nas bocas carentes de ego.

Coitados.
Não há problema em valorizar-se.

Ainda sim, todavia,
                        é certo que uns pecam pelo excesso...

                                                   ... outros pela falta...

Prefiro manter minha limpa imagem de egocêntrico sutil
à submissa e fragilizada do restante.
Como disse, não há mal algum em enxergar pontos bons debaixo de seu próprio nariz.

Acredito que o ego desse resto seja a causa da agonia
que desperta dele mesmo.
Se não fosse assim, não haveria preocupação com a alheia.
Todos estariam, de certa forma, seguros com suas personas.

Ao pedir ajuda

                                                                       Problemas não são analíticos.

                                               Não são diagnósticos, tampouco irrelevantes.

"Sei como é", não existe

                                             e

não há quem entenda melhor do que os que sofrem.


Problemas são semelhantes;

causas, efeitos e fortaleza diferentes.


                                                   
                                                      O ego humano mal utilizado
                                                      é a cova do indivíduo - aos olhos exteriores.

                                                     É a tentativa de curar seus males
                                                     Desabafando no desabafo de alguém.  



Pessoas compensam a dor alheia com sua própria

e apenas pioram o que se tem como malefício pessoal

- do outro, desesperado.


                                 

                                                                Problemas não são para todos.

                                   Não tão simples, muito menos elegantes.

"Mude, não é difícil", não é

              e

não há quem saiba convencer alguém

                                                      melhor do que ele mesmo.

terça-feira, 23 de abril de 2013

Saudosismo

Sinto falta de ser algo que não fui

                                                            e de viver a vida que não é minha.


                                                            Sinto meu coração apertado
             
                                                 e minha mente inventando histórias,
                     
                                                 momentos e pessoas que nunca vi.

Paro.

                            Penso.


Olho o vazio por alguns minutos,
enquanto o mundo deixa de ser externo,


e tudo que já foi se repete em um novo começo

                                                           
                                                                igual

- dentro de mim, dessa vez.

                                           

Todas as músicas que já passaram da coda...
Todos os poetas que pela última vez poetizaram...
Todos os sonhos que consigo sonharam...
Toda saudade e minha saudade toda...


memórias de um passado alternativo num presente imaginário.


E a nostalgia tranca as portas de seu quarto


                                 vendo-me voltar sorrindo à realidade

como se nada tivesse acontecido.

segunda-feira, 22 de abril de 2013

O Anticristo

Nasci num outubro comum,
                                                 em meio às alegrias do Mundo,
                                                                                                     que fingiu ser feliz
                                                                    para dar esperanças aos desamparados.


Primaveril, sou tudo
                               e finjo da mesma maneira...

Sou placebo vivo e existo,
                                             apesar de só existir no intenso inverno que visto
Sem me preocupar com o resto que me rodeia.


                                                             Sou quatro ou cinco em um:
                                           o próprio e os cavaleiros do apocalipse
difundidos na proposta de fazer com que se matem...
                                               
                                                                  os homens e os meninos,
                                                                  as mulheres e as vadias,
                                                        as velhas,
                                          os velhos
e o sonho que até pouco tempo dizia

                                                                haver paz em algum lugar.

                                                                   

                         Somente na utopia, eu diria.



Sou o ceifador.
                        Sou a morte no morto
e sua lúgubre e angustiada alma,
a qual grita incessantemente por misericórdia
em meio a minha gargalhada triunfante,
                                                                que acena seu breve não com meus olhos diabólicos.

Sou o desejo insaciável da loucura,
                        a qual penetra a mente dos fracos
e até os fortes se veem desestabilizados,
                        ansiando e venerando a mais pura sinceridade
que é ter existido por querer e querer ter sido em vão.


A morte em seu frenesi agoniza
                                                              e, por ser parte da mesma,
                                                              parto cavalgando para o Além que criei,
                                                              onde putrefaço as esperanças um dia criadas
                                                              e onde torno esquecimento
                                                              toda Ilusão que outrora foi despertada
Para endeusar o genuíno Egocêntrico,

Que sente medo.
Que sofre.
                               E que jaz

            na fé que o mesmo precisou criar para que se tornasse algo.

domingo, 21 de abril de 2013

Longo Período

As mulheres varriam a calçada
repleta de folhas secas
que caíram da árvore que hoje jaz
na esquina da esquina
onde homens jogam dominó
nas cadeiras vermelhas
de seu boteco preferido,
onde, aos domingos,
a TV permanece ligada
somente para entreter o auxiliar do dono
que passa a semana inteira ouvindo música antiga
em seu pequeno e também antigo radinho de pilha,
o qual ganhou de seu avô muitos anos antes,
num Natal sem presentes... onde a única coisa que lhe podia dar
era seu único divertimento...
hoje o avô se foi,
mas a memória permanece no rapaz,
bem como aquele carro estacionado do outro lado da rua...
do motorista para a agência bancária,
onde não há movimento
e as multas não parecem ser levadas a sério,
- e não são, porque o que deveria aplicá-las
foi demitido
e não contrataram um substituto desde então,

assim como o...
                                       
                                                que...

                                                                                         e...



Os detalhes permanecem.



                                             E somente os poetas de plantão os percebem.

... me tornar esquecimento

Estou
pronto para
                    começar a

                    andar pelo subúrbio.


Estou atento,

                       criativo e disposto

                                                       a entregar-me a horas caminhadas

rumando ao vazio relativo


                                                 que vejo andando em minha direção.


E nessa trilha há obstáculos.

E nessa trilha há conversas irrelevantes...


                                                                                  e daí?


 Caminho para o fim da vida
                                                 assim como
                                                                      tudo que tornou-se algo.


                           Um minuto a mais

um dia a menos

                                 ou uma hora extra para ganhar um salário desnecessário...

não importam.


                                Nada importa se você parar pra pensar.


          Qual a razão para me importar com o vazio que deixarei quando...


                                                                         
                                                                      ?

Fraternidade

A mim parece que o sujeito se vê satisfeito
Em viver do barulho e da podridão que o assola.
Seu cheiro de mijo característico
Seu mau hálito de dente corroído
E sua antipatia só me fazem achar que sou louco.

Sim.
Eu é que sou louco.

Como alguém pode conviver com alguém assim?
Como alguém pode passar a vida ao lado dessa sujeira toda?

Como eu, poeta do eu, posso dividir meu espaço
Com tamanho ódio e inafeição por tudo que vem daquele?

Como eu, que nada tenha a ganhar ou perder,
Sujeito-me ao sujeito das sarjetas,
Ao sujeito do escuro,
Ao sujeito do imundo...

mundo que temos que compartilhar juntos?


E o ódio que me consome...
E o ódio que me destrói...

Quando me vingarei por toda minha ira?
Quando deceparei suas esperanças
E tornarei minha tímida grandeza
Motivo de sua humilhação?

Quando? Quando!?

Quando me superarei
E mostrarei meu lado demoníaco?


Não sei...
Não quero saber...


Só quero que sua hora chegue e minhas mãos sejam as cobertas por sangue.

sábado, 20 de abril de 2013

Às vezes nada rima

Nos dias em que a raiva me consumiu
Não existi nem propaguei as cores ardentes
Com as quais pintei o que resumiu
O sentimento pouco louvável, falho e irreverente
Que despertei em meu coração - onde aos poucos sumiu
A cinza-pó vinda de meu doente âmago eloquente.

Sempre sorri, mas entreguei-me à indiferença
E, aos poucos, desistiram de se tornar algo para mim...
Tudo por causa da infantil e pessoal ausência
Que atribuí de meu corpo para o ardiloso mundo sem fim
Que agora começa a julgar minha triste sentença:
Deixar o vazio do eu para aprender a viver sem o mesmo, assim.

Fui vítima de minha própria cabeça seca e amiúde,
Da qual vivi de tormentos e decepções
Sem que dissesse tudo o que pensei em dizer e dizer tudo o que pude.
Mas não sei o que sinto. Como sentir sem cair em interpretações?
Como me tornar algo ou alguém sem que a mim eu mesmo mude?
Não sei se suportarei o que me proporcionam minhas próprias e doentias ilusões.




sexta-feira, 19 de abril de 2013

Bulício

dormimos em nosso mundo
                                            enquanto os outros vagueiam por aí.

nossa mente dupla,
                                  dissimulada
                                                                     e intransigente

                                   faz da culpa, do medo e receio


gente objeto da gente

                                                                     que nem sente
                                                                     o que lhe é submetido.

                                     

                       é outro dia.
                                  apenas mais um.
                                           deixe que entrem.
                                                   deixe que se sintam em casa.
                                                              o que tanto guardamos dentro de nós
                                                                         que não pode ser dividido?


bom dia, boa noite.
                             não se preocupe, nada é real,

- nada a sós dentro de um alguém
                                                       iludido.



                                                                     não chore o desumano coração
                                                                     com essa autoimpiedade.
                                                                     anote aqui e ali, por todo o semblante
                                                                     e saberá que tudo é ilusão, na verdade.
                   
                       
                     e se o inconsciente tomar conta da consciência ausente
                                  da mente que mente dentro da mente,

                                              não se desespere.




tudo terá sido apenas um sonho
nos versos deste poeta (dito) sem sentido


                                                                       

                                                                                                                              -discípulo da reflexão.

quinta-feira, 18 de abril de 2013

O que tudo representa?

A vida me parece tão disforme,

                                                caótica e desprovida de vida
muitas vezes.

A morte, pelo contrário e pelo que dizem por aí,

                                                                            parece algo maravilhoso.

                              Parece que se inverte e estaciona no tangível

                                                                     e nosso próprio onirismo fantasia sua chegada.


Não sei quem é mais banalizada.
Não sei qual vale mais a pena.

                                                                     
                                                                    Os que dizem um têm medo do outro

e os que dizem outro têm seus egos desenvolvidos

                                         a ponto de passar por cima do desejo de morte de alguém

para que seu estado emocional seja mantido são.


Não acho que a vida acaba na morte e que a morte seja algo especial.

                                    É hora de virar pó. Ciclo natural e biológico. Jamais crendice minha.


A morte silencia o mundo

                                        e entristece os despreparados.

A morte é apenas a fuga eterna da vida.
 
                                             Os que se preocupam com a alheia
                                   
                                             apenas não desejam sofrer, inconscientemente.



Frieza.
É preciso frieza de vez em quando.

                                                                Chorar o leite ou corpo derramado
                                                                É entornar veneno e ir junto com o mesmo.

É mostrar sua fraqueza perante a não existência.


É deixar de viver por um segundo
e unir-se ao adubo dos cemitérios.

Nego

Chamaram-me de exímio escritor.

                                          Não sou, todavia.

                                                                  Apenas narro fatos
               
                                          e filosofo em versos.


Um exímio esforçado, eu diria.


                                                                        Entretanto, meu esforço

                                          parece ser maior que as habilidades alheias.


Mérito e relaxamento de quem?

terça-feira, 16 de abril de 2013

Poética ao Poema do Tempo (Disforme)

Não é nosso tempo
                            e
                         
                            ainda

                            se esvaziam

                            os balões da festa anterior.

                     
Parabéns a você, aniversariante.

Que viva muito a longa

                                       vida longa

vida.


                                             Mas já não é seu aniversário.

O tempo passou
e não disse
adeus.

                                             Adeus, tempo.

Espero que me ouça,
pois já não lhe escuto passar.

Ditados da Imaginação

As cortinas se fecharam
                                      para os indivíduos desatentos.


Preste atenção no olho do olho maior
                                                                           e entenderá o que querem dizer

                                   
                                                                                                       com interpretação.


                             
                                                        De um ponto a outro a mente divaga.
                              Divaga devagar.
Devagar sempre.

A mente angustiada mente e já não se enxerga o inconsciente...

                                                   apenas se vê.

Mas o que o cristalino não identifica

                                    é fruto de seus pensamentos

                                                          ou tudo em que o cérebro não crê.

Coragem

Os pássaros cantam a melodia dos carros,
Que buzinam as vozes humanas
Dentro dos prédios que passam apressados
Pelo centro da cidade.

As nuvens sólidas no céu sombrio
Estão infestadas, intransitáveis
E, ao mesmo tempo, fechadas
Para a travessia dos pedestres.

As piscinas de terra já não têm seres,
As plantas já não balançam o vento,
Os cães que eram latidos ao léu
Dedicam-se ao silêncio.

Mas as pessoas não são mais pessoais.
São máquinas motivadas pela ansiedade.
São apenas os detalhes que se movem na paisagem
Fazendo com que viva e crie movimento.

O mundo segue em frente
Sem descobrir seus tormentos ocultos,
Sem que veja suas cores desbotarem
E sem que sua voz rouca o cale para sempre.

segunda-feira, 15 de abril de 2013

Morte

Morrerei uma morte sem dores;
Uma morte silenciosa e espalhafatosa ao mesmo tempo.
Posso sentir minha cabeça explodindo
E o sangue ocupando a opacidade de minha camiseta branca.

Morrerei uma morte inquieta,
Mas antes escreverei
"Bem vindo(a) ao inferno que fui"
Em minha sepultura...
Casa dos pinguços, pombas e trepadeiras...

E talvez uma rosa negra venha me visitar...

Talvez nada venha... talvez nada exista, afinal

                                               mas só talvez...


Morrerei num dia frio de chuva.
                                                   Num não muito importante,

Para que lembrem-se de mim.


E morrerei sozinho,
                               no escuro...
                                                       em meio às lágrimas de mais um poeta vazio
                                                       que levou beleza à vida ao tirá-la de si mesmo


E morrerei num dia como qualquer outro
E morrerei me sentindo um esgoto
                                                                de versos e rimas imperfeitos
E poemas cheios de insignificados.


Morrerei para a alegria do mundo
                                                     e meu eterno arrependimento.

Morrerei por minhas próprias mãos...
Morrerei porque quero...
Porque não sou forte o suficiente...


E porque é necessário.

                                                    Mas só talvez...

talvez, apenas...


Não.

Já vejo o fim se aproximar.

                                         

Saber

  Sabemos tudo;
                                                  sabemos o que não sabemos;
                                                  sabemos que saber

                                                  é prejudicial
e que saber pouco

                              é alienação.

Não sabemos ser, entretanto,
                                                   tampouco
                                                                        como nos tornar algo.


Sabemos que saber é não saber
       
                                            e que só sabe quem nada sabe.

                                            Sabemos nada
e nada é tudo.


Sabemos o que sabemos
                                       e nosso conhecimento é impessoal.

Só há influência, e falsas interpretações.
                                                                         
                                                                Só há herança do que já se viu
                                                                e só se sabe o que um dia foi feito.
Nada é criado, apenas descoberto.

                         Contudo, não sabemos o que somos.

                                                         Não paramos para pensar no eu.

A vida é a ilusão de quem vive

                      e quem vive é fruto da imaginação desenvolvida na infância.
                                   

       Talvez nos descubramos em uma esquina qualquer,
     
                                             tomando café ou conversando sobre o cotidiano

que neuroseia até o mais consciente de si.

Doentio

A mulher foi buscar água para o marido
       
                                                                            e, quando voltou,


 a TV estava ligada,                          a porta aberta

      E o corpo estirado no tapete ensanguentado.                                                  

domingo, 14 de abril de 2013

Fim

Ganhei um casaco,
Mas o frio já não me atinge
Neste tronco modelado.

Louvor

Louvemos
O Senhor dos escravos,
Que casou com um negro
Que abortou a vida
Para ser o que queriam.

Louvemos!
Louve, amém!
Louve a couve
Que amo também...

E nada mais.

É tudo placebo, colegas..
É tudo ilusão...
É tudo falso cavalheirismo
E preconceito maquiado...

Não aceite os que não te aceitam.

E, se tudo vier do Além,
Mande-O aceitar sua felação
Em troca de um bom pagamento:

A existência.


Sem fé, Deus é menor que nós mortais.

Solus

Ecce

                                                                   Echo

                             Sum

                   
                                                                           Solus


             Innuendo



                                                         Homo


Inanis.





Tu solus sufficis solitude.

Um dia talvez me venha um título à mente...

Nunca frequentei as festas que os outros frequentavam;
Nunca fui do tipo normal, que se sujeita a relações comuns
E à mesmice que assola tudo e todos
Como nesta loja - atacado - chamada vida.

Nunca me senti mal por estar solteiro
Ou não ter braços tão largos como a maioria.
Na verdade, quero que me amem pelo que guardo em mim,
Não pelo tamanho dos meus membros.
                                                            - e isso inclui até os ocultos.

Nunca fui aberto à química que tanto satisfaz as pessoas
E nunca encontrei fugas (de minha própria realidade) como essa.
Não devo ser tão infantil, afinal
E, talvez, somente eu saiba aproveitar a vida.

Nunca fui devoto. Sempre achei que poderia ser melhor
Que os ídolos que idolatrei e os deuses que veneraram por mim.
Talvez um dia me torne um.
Ou então, talvez faça com que algo se torne um deus.
                                                           - para mim, crer e endeusar é o mesmo.

Nunca me considerei bom em algo
Mesmo que pudesse ser bom em tudo.
Minhas habilidades não têm limites
Apesar de me limitar por ser humano.

O homem se corrói por se preocupar com o resto.
O valor que dá a si é a chave para libertar-se
E unir-se à grandeza intrínseca a si mesmo.
Mas não há mal nisso.

Apenas o imposto que cobram os olhares invejosos e muito mais narcisistas
Quando contemplam os gigantes monumentos alheios
E se deparam com seus pequenos castelos de areia
Levados pelas gloriosas e imponentes marés de orgulho e vitórias.

A arte de ser é ser sem não-ser.
O que foge disso torna-se dispensável e altamente substituível.

sábado, 13 de abril de 2013

Andante

Ando pelo lado pobre da calçada,
Onde estão os muros rachados,
A tinta das paredes riscadas

                                                  e o vazio das pessoas sem alma

  que vestem seus ternos
   
                                                 cinza!

de sofrimento e indiferença.


                                                 Ando por aí...

Ando pelo lado feio da rua,
Mas ando sozinho, nu e de olhos abertos
Para que veja melhor a beleza do oposto.

quinta-feira, 11 de abril de 2013

Sistema Antropocêntrico (Moderado)

                      Abençoada seja                              
                      A divindade que o sagra
                      Enquanto Ele lavra
                      As terras que o Próprio criou.                                    
{                                          
                     Um bem suado, veja!
                     Sangrando em seus joelhos de porco
                     Porquanto seu pé torto
                     Virou errado e o enganou.


=
                    Abençoado, veja
                    A divindade em seus joelhos
                    Enquanto sangra por ter sagrado
                    O que o Próprio criou e enganou!

Pouco

O
       homem

nunca

                         viu;
                                                                           

somente

                olhou por cima,
                               
                                         deixando o resto para ser interpretado

                                     pelas
                     
                 ilusões

que

                                                   guarda em si.


Mas já não imagina.
Quer tudo pronto
E tudo arrumado...

                                                            Parece este poeta,

Que só escreve
A poesia pragmática
Do que viu
Em seu olho inventado.

Baixo

                                                                          Estou preso à vida
                                                           e não estou ali.

                               Sou ausente,
                                       inconstante
                                                  e paciente...

                     
               mas nada me serve,
                                                                                quando me esqueço se um dia sorri.

terça-feira, 9 de abril de 2013

Hoje

As garotas passavam em grupo;
Os taxistas conversavam no ponto;
Um jovem pensava em estupro
E o dia se erguia por trás dos prédios tortos.

Meu pai me deixou na porta;
O segurança mandou todos saírem;
A van quase bateu no caminhão
E meus braços se cruzaram observando.

A fila andava;
Os ônibus passavam vazios;
A manhã raiava
E eu ainda estava escuro.

As crianças passavam na escolar;
Os carros se amontoavam assistindo o vermelho;
Os digitais se acendiam nos vidros
E a vida lá fora permanecia atemporal.

Tive fome;
Comi o sol;
Deitei em minha cama
E dormi como se fosse noite.

Precisão

Preciso descobrir meu ópio.

                                          Preciso gritar minha loucura.

                                                                              Preciso encontrar meu lugar

                                                                                                             Secreto

                                                                              Em meio às portas fechadas,

                                                                              vazias

                                 e excessivamente distantes

Uma das outras
                                - em minha cefaloconfusão.


Preciso aprender a escrever.
         
                                                   Preciso deixar de ser.

                                                   Preciso precisar do que preciso.

                                                    Preciso de você.


Preciso evitar o ódio e amargura
                                                              que
                                                                                  de mim só extraem o pior.


Preciso manipular.
Preciso esquecer.
Preciso me mudar.
Preciso resgatar
                               o sentimento de que
                                                                            preciso idolatrar
               
                                              a mim mesmo para não enlouquecer.


Preciso invejar.
                                 Preciso estar sozinho.
                                                                     Preciso morrer.
                                                                                              Preciso evitar tormentos.
                                                                                              Preciso ser legal.

                                 Preciso ser atraente.
                                                                     Preciso participar.

                                                                   
                     Preciso parar...

                                                             Preciso de...

Preciso de muito sem precisar precisar.


- Preciso não me preocupar para que a vida não se preocupe tanto comigo.

segunda-feira, 8 de abril de 2013

Inconstância

Seus olhos e boca dizem seu coração
E sua mente que mente em sua cabeça
Já sorri sem qualquer emoção.

Tudo é engano e desespero
Na mentira que vive sem viver,
Enquanto se entrega quase sem perceber

Às pontadas soluçais em seu peito;
À poça em suas maçãs
E ao intenso batimento insensível,

Que pausam a dor inconstante,
Que, de supetão, se deixa levar
Pela alegria dividida com seu atencioso amante.

Já não existem problemas
E as fantasias dominam
Seus distantes pensamentos.

Não existimos
E somente existimos
Em nós dois.

O choro cessa,
O riso contagia
E a felicidade que outrora era sofrimento

Viaja esperando uma próxima vez.


Poética a...

Nunca fui dedicado a encontrar alguém

                                                      e nunca ocupei tanto meu corpo e mente

com pensamentos sobre outra pessoa.


                                                                                   Nunca fui tão desejado,

                                   nunca desejei tanto

                                   E nunca me preocupei com os casais que me cercavam.



Mas agora, tudo parece irreal.

                                                     Estou relaxado, despreocupado

                              e minhas obrigações sentem a ausência de minha seriedade.



Hoje,
         tudo que preciso é criar mais palavras

                                                  para descrever o que sinto

                                                                         pela garota que tanto amo.

domingo, 7 de abril de 2013

Ligações

Enquanto escorriam todo o sofrimento interno
Por meu rosto áspero e sujo,
As lágimas se esquivaram das mágoas
Que deveriam limpar
O sentimento ímpar
Que senti, vazio e angustiado.

Estava esquecido,
Estava escondido e calado
Para que não fosse descoberto despejando
O líquido da emoção,
Que saía de meus olhos ardentes...


                                                E tocou o telefone.

Era ela

                             dizendo que estava tudo bem
         
                            e que não precisava ficar triste.



                                                                               Fez-me sentir valorizado


                                                        quando ninguém parecia estar por perto.


E nos amamos por duas horas
                                             
                                               em meio aos chiados e ligações perdidas.


Depois deitei-me


                                                       e dormi sentindo seu abraço,

mesmo estando distante.

Poemas Que Surgem Em Seu Umbral - Interpretado por Felipo Bellini





http://mielmiczuk.blogspot.com.br/2012/09/poemas-que-surgem-em-seu-umbral.html

sexta-feira, 5 de abril de 2013

S.O.S.

Não andava mais com sua família;
         
                                                E se trancava em seu quarto ouvindo o mundo lá fora.

                              Achava que tinha sido esquecido,

                                                                             enquanto olhavam pela fechadura
              chorando sua morte iminente

pelos corredores vazios.

                                                       
                                                      Não sentia,

Somente sorria

                                                     para tentar enganar a melancolia.

Mas fracassou

E entregou-se à solidão que sempre circulou sua mente.


E chorou.
E gritou - por dentro,
porque sua voz era abafada

                                                                     pelo sentimento de prisão interna...

E chorava.
                                               
                                                    Mas até as lágrimas que escorriam

escorriam para serem aprisionadas...


E então, deixou de contar os dias;

                                                                             e a garota distante se preocupou;

e até mesmo ela se afastou...

                                                 e ficou sozinho.


Era o que sentia, pelo menos.

                                                                       E já não andava com seus poucos amigos.



Entregou-se à poesia

                                      e com ela alegrou pessoas,

comoveu estranhos

                                                         e liberou seus demônios aprisionados

- temporariamente, infelizmente.



E como, finalmente era reconhecido,

                                                                sentiu que seria entendido
- ou um de seus versos perdidos.


                                                                Mas não. Quem perdeu-se foi ele

enquanto pensava nas diversas formas de se matar em frente a todos.



E já não sente falta dos que sempre o envolveram.
E já não chora as lágrimas do desespero.
E já não se afasta.
E já não fala.
E já não é.


Já não vive o poetinha que vos escreve.

quinta-feira, 4 de abril de 2013

Coletivo

eu                                                                                                                            eu


                                                                eu
               
                      eu
                                                                                                            eu                      



                                           eu                                       eu                                                      



                    eu                                                                                      eu

Conjunto de Palavras

Não quero dividir minhas mágoas
                                       com este
                                       mundo indiferente.

Não quero me unir a esses clones fabricados
Pelas negras telas
E coloridos manuais
                                 magazines
de como se deve agir.

                                                         Não. Seria muito para mim
                 negar minha intrínseca reclusão.



                                                         Prefiro ser compreendido.

Prefiro
poder viver
por mim mesmo
e não me arrepender
por ter escolhido novas formas

                         de me sentir recolhido.
                                                                 Não quero deixar de ser homem
                                                                 Para tornar-me versos artísticos
                                                                 E guia de autoajuda deste...
           O poema é meu.
        Logo, todo "eu" sou eu.

                                                                          Prefiro ser eterno enquanto durar
                                                            
                                                                                              e, 
                                                                
                                              em mim,
               durar para sempre...

                                                            mesmo que como memória 

- fração nostálgica da realidade.


                                                           Prefiro me desculpar e amar os que me rodeiam
                                      ainda que em silêncio,

no meu canto,
                                                                                          
                                                                                               Sozinho,



pois não quero ser o motivo da distorção
                                                                   dessas vidas mundanas...
                                                                                                           não quero ser o desvio

                                                          da alegria contagiante 
                                                          
       que só não invade a mim.

                                                                     



       Quero ser eu e nada mais.


                                                                                           Quero
                                                         poder me tornar o que quiser
                                                                        sem ouvir risadas, choros,
                                                         sussurros
                                                                        ou argumentos demais.

      A ditadura me estressa.

                                                                        



Prefiro lembrar a ser esquecido

em minha solidão angustiante,

que me faz acreditar

que recordações preenchem o indivíduo.


                                                                                         Não sei se isso é bom ou mau.

 O que são essas coisas, afinal?

Ir à Igreja todo domingo

                        ou drogar-se e encher a cara no sábado anterior? 

Sei lá... sou cristão

                                            - pelo menos no sarcasmo cético o qual me foi atribuído.

Reitero!
                                                                                          Não sou poema!

O que escrevo é apenas parte da parte de tudo que sinto...

                                                               mas, para externos,

é apenas Arte.



Só prefiro o
                                     autismo                     melancólico,
o
                         declínio     e  a          desistência à tristeza,

                                               
                                                   que geram o nada.
                                                           
                                                      

                                                         Somente               e
                                                        
                                                                          absolutamente nada.


Porque é tudo o que me resta agora.