sexta-feira, 31 de maio de 2013

?

C
o
m
o           as pessoas    n
                                 o
                                 s    enxergam?

                                                       


                                                           Será
                                                                   que
                                                                           usam
                                                                                     os
                                                                                          mesmos olhos que

                                                                           nos                                              
                                                                                 
                                                                                          representam para elas?



                         Por que nos preocupar tanto com a alheia anônima?



O que somos e o que somos para o outro?








                                                                          ?

Torloni

Um dia passou a me pedir poemas
E depois nunca mais falou sobre isso.

                                                                            Pediu uma ou duas palavras
                                                                            Sobre um ou dois significados insignificantes
                                                                            E seus significados - também irrelevantes.


Pediu palavras sobre si mesmo.

                                                           Pediu palavras comidas e vividas,

Mastigadas e cuspidas,

                                                       Maltratadas e nunca antes ditas...



Sobre qualquer coisa que viesse a minha mente.




                                                                                         Mas nada profundo virá...



Portanto, que se contente com estes poucos caracteres escritos com carinho.

quinta-feira, 30 de maio de 2013

Apresentação

Quando
escuto
alguma
música que não conheço

                                                  - de uma banda que gosto,

sinto-me entrando numa sala infestada de amigos de amigos,

que a mim não foram apresentados ainda.

                                                                                     

                                                                                      É como quando abro um livro
                                                                                                                                de
                                                                                                                         poucas
                                                                                                                       palavras,
                                                                                                                    em branco,

                                          que, aos poucos vão se colorindo,


                       tornando-se legíveis.

terça-feira, 28 de maio de 2013

Desnecessário

U

         m



                                                  D
                                                                                     i                         a




E               s                   c             r            e          v        e      r     e  i






U

          m                                              p     o     e     m     a

                                                                                                               p
                                                                                                               a
                                                                                                               r
                                                                                                               a



                                                                                   t             o          m          a             r
                                                                         


s                  e                    u


                                         t                  e            m             p             o

Projeto

Observou seus colegas da porta da sala.

O professor dava aula.
As garotas conversavam,
E os meninos riam de si mesmos.

8h15 da manhã.
Sexta-feira, 11 de outubro de 2013.

A aula de Biologia tornou-se o estudo da morte.
O céu primaveril, nublado, enlouquecia os poetas.
O rapaz raro desatava em prantos...
Sozinho...

Chegou atrasado e pediu atenção.

Sentou-se em seu lugar de costume, escreveu um poema
E o amarrou em seus braços... outrora rasgados.

Chegou a rir um pouco de si mesmo
E chegou a sentir-se vivo por aquilo,
Mas todos já sabiam, havia muito tempo,
Que a morte o consumira.

8h20 da manhã.
Sexta-feira, 11 de outubro de 2013

Levantou-se e dirigiu-se ao tablado
Sob os olhares atentos dos desatentos colegas.

Arregaçou as mangas,
Arregaçou seu braço,
E o pendurou na lousa... para que vissem os desenhos que nele traçou
Outrora.

Enquanto o sangue escorria pelo chão de sua cova,
A sala permanecia em silêncio, horrorizada.
E, pela primeira vez, ouviu-se histeria de sua boca:



Um grito.
Um grito, apenas.
Um grito de extrema felicidade e agonia.
Um grito que, se tivesse vindo antes... não faria diferença.


E continuou.

8h38 da manhã.
Sexta-feira, 11 de outubro de 2013.

Sentou-se na cadeira do professor,
Ergueu sua pistola
E decepou sua cabeça de trás para frente...


Para que seus pedaços ficassem marcados na pele dos primeiros.


E o horror continuava, à medida em que liam o poema de seus braços...


8h55.
Sexta-feira, 11 de outubro de 2013.

Bateu o sinal,
                        anunciando o término da aula.

Bateu o sinal,
                        anunciando o

Poema que deve acabar enfim, em fim... como este

Fim.

segunda-feira, 27 de maio de 2013

Poema

                                    S

                 o                                                                               s
                                                                                                        o
z                                                          u                                                l   i   t   á   r   i   o

i                       c a m i n h o                                    c a m i n h o                                        

n                                                          m

                 h

                                    o




E n t r e   a s   n u v e n s   q u e'
                                              s  
                                              c
                                              o
                                              r
                                              r
                                              e
                                              m     m i n h a s   l á g r i m a s,


E m   m e i o   a o   s i l ê n c i o  q u e

                                                                      e     c     o     a                      
                     
                                              e m   m i m.




O   v a z i o   m e   p r  e   e    n     c      h      e

E   a c a b o - m e



                                                                                              Sem ao menos dizer adeus.                                          

domingo, 26 de maio de 2013

Uns Poucos

Uns poucos...
Muitos se aproximam,
Mas não passam.
Apenas observam,
Apenas procrastinam
Uma conversa irrelevante
E inadiável.
Uns poucos se aglutinam
E outros se dispersam
Ao acabar a noite
Em meu poema inevitável.

A cabeça pousa nos braços;
Os olhos se reviram olhando tudo
E, ao mesmo tempo, nada.
Os lábios, contraídos, pensam inúmeras palavras
Enquanto as mãos, inquietas, tateiam passos sobre a mesa.

Uns poucos...
Muitos se aproximam,
Mas nenhum está perto.
Nenhum se anima, nenhum está ali.
Apenas esperam versos
Do poeta que vê tudo...
E, ao mesmo tempo, nada...

Muitos...
Por serem tantos,
Tornam-se pouco.

Temporal

O tempo não passa em nós,
Porque temos o passado como talismãs.

O tempo voa, o tempo sente
Muito por ter estado ausente
Nos presentes que tornamos vigentes.

O tempo se foi...
O tempo se foi...

Mas ainda é presente
Em nossas mentes ausentes de tempo.

sexta-feira, 24 de maio de 2013

Descaminhos

                                            não  
                                 que                
                             o                           fui
                    serei                                
                                                                       
Um dia                                                                  e me arrependerei por ter sido pouco.
                                                             
                    viverei                                    
                                o                        quis                  
                                     que
                                                não              

Dúbio

Extraio a poesia da janela semiaberta,
da luz amarela de meu quarto e da pequena TV que sustenta o videogame ligado.

Mas nada parece poético,
porque meus olhos não estão.

Em um dia daqueles...

faço um poema.
Escrevo sobre meu amor e meu sofrimento.
Sobre minha esperança e desfalecimento.

Faço um problema da solução e a solução de meu dilema.
Mas lá fora já é noite
e minhas palavras já se foram.

Por isso,
extraio a poesia da parede branca e de suas prateleiras;
dos livros empoeirados e dos pequenos quadrinhos de artesanato,
que nem sei de onde vieram;
das velas que sozinhas se acenderam
e dos remédios que suicidaram
num dia como este, como aquele ou aqueles ainda, mais distantes e frios.


Extraio a poesia das piscinas de lágrimas e das músicas que hão de se tocar.
Extraio letras, jamais significados, das histórias de alguém,
com o orgulho e desgosto, que despertam e a mim vêm encontrar.

Sou dúbio.

Por isso,
o que sou?
O que fazer se nem a mim conheço, apesar de divagar sozinho em mim mesmo?

Percorro um caminho sem mapa em meio a minhas palavras...
Já percebeu que divago até não haver mais saída?
Tudo o que nos resta é o final.

Por isso,
com algumas palavras faço um poema.
Em outras,
Não.

quinta-feira, 23 de maio de 2013

Simplesmente

Se pudesse

                  amar o mundo todo,

 não amaria,
                                                   porque

prefiro amar

                          todo o amor do mundo


para alguém, simplesmente.

Observação #5

O céu,                                  longínquo,

admira minha imagem

em um
espelho de si mesmo.

                                                                             Reflete o mar do amor
                                           
                                                                               de meu ego perdido

               e, rendido,
                                          reflete-se ao léu,         para mim mesmo, abatido.


Folhas e mais folhas de páginas vazias.
Letras e mais letras de palavras mudas.

O
      céu
             se
                  move e aqui estamos.                                                                    

                                                 Parados.


                                                  Lendo.


Lendo sem ler, pois tudo está em                                       b r a n c o.


Tudo silencioso,
                                                                                         tudo calado...

tudo este poema,
                                        que não irá a lugar algum.



                                                                                          Toco seus olhos,
                                                                                           toco sua boca.
                                                                                          Sinto-lhe.

Mas,
na verdade,
não toco.


                                                        Não cego, nem censuro.



Isso é papel alienante.

                                                        Meu dever aqui é divagar.

                                   Sinto muito.


Minhas palavras são m
                                   a
                                      p
                                        a
                                           s, apenas, para que se compreenda algo maior.


Não perca tempo em me entender, portanto.

                       


Apenas olhe para os                                                                                       lados e se distraia...




                         Porque nenhum poema é mais poético do que o que está ao seu redor.

Nic - Po Polsku

                      Nic, 

                                                   nie,

noc.

                                                 To jest...

noc 


                                                                 nie


                                   nic.                  

terça-feira, 21 de maio de 2013

Laconismo

                   Confiança desconfiada

Irrelevância...

                               eu.


Ninguém

                      alguém ninguém

                                                              ninguém meu.



Pensamentos não pensados

Pensado...

                  teu.

                                                                   Amor largado

                                                           Amor amado...

                                                                                          me fudeu.          

segunda-feira, 20 de maio de 2013

Soneto ao Cotidiano

Meu mundo é mais interessante
Que o mundo mundano e comum
Dos que nascem para se tornar mais um
Em meio a este circo estressante.

A exclusão é o caminho,
Pois com ela enxergo dois universos:
O que penso em mim e o que vejo em versos
- Em meu coração com o mais simplório carinho.

Pessoas me rodeiam e o vazio me preenche.
Não há problema em ter problemas...
Não há tristeza que a si não invente.

Pessoas passam e quando passam... passou...
Não enxergam o que vê minha mente...
Não enxergam a tristeza que a mim sempre sufocou.

sábado, 18 de maio de 2013

Sepulcro

No 
ce
mi
rio
 escrevi um poema sobre um poema sobre nada.
So
bre
 mim
 es
ta
va
es
cu
ro,
Sob
 mim,

somente a terra mortificada.

sexta-feira, 17 de maio de 2013

Observação #4

Minha geração desiste com grande facilidade
E isso noto principalmente no amor.
É claro que um ou outro magoa ou se magoa
Com outrem ou alguém específico,
Mas, se for para fazer de cada decepção um fim do mundo,
Que faça longe de mim.
Não saber lidar com os problemas é o maior problema de nossa sociedade.

O amor, apesar de, até hoje, ser romantizado
- inclusive em poemas de blogs de poetas solitários,
Não deixa de ser alívio.
Quando passa a ser sofrimento é hora de renová-lo.
Apenas isso.
Não é preciso se matar ou matar o outro, ou chorar o leite derramado.

A persistência faz o grande,
Portanto, o derrotado que se sujeita à solidão amorosa
Ou à vulgaridade - BEM distribuída por aí!
é nada mais, nada menos do que consciente de suas atitudes,
Ainda que inconscientemente.

Se não fosse difícil, a realidade seria utopia;
Se não fosse amor, não seria sofrido;
Se não fosse parte do problema, você não sofreria.

Fotos Curtidas, Fotos Memoradas - Até a Seguinte

                                                  Posta a mesa,
                                                                                fulano come o que posta
                                                                                                           e posta o que come:



                              posta de peixe, jantar japonês
                                            posta de boi, cupcake da namorada,
                                                     
                                                          bolinho da vovó
               
                                                                      com sorvete de...

                                            Ter que postar
                                                               na
                                                               bosta do instagram!

Observação #3




A  e s m o  e u  m e s m o  d i v a g o  e m  m i m  m e s m o

e              u              m              e              s              m              o
u              m              e              s              m              o              e
m              e              s              m              o              e              u
e              s              m              o              e              u              m
s              m              o              e              u              m              e
m              o              e              u              m              e              s
o              e              u              m              e              s              m

E s p e r a n d o  u m  q u e  s e r á  n e m  m e s m o  u m.


quinta-feira, 16 de maio de 2013

Observação #2

Uma e quinze da manhã e até o relógio cansou de bater.
Bater como expressão, é claro, pois hoje isso é passado.

O visor indica que é hora de dormir, hora de sonhar
E procurar a lua oculta, envolta na névoa poluída
De nossas mentes sociais.

A cidade se calou, mas a noite permanece clara.
Seria isso uma confronta aos estudos que mostram
Que a luz determina o sono e, por isso, continuamos cansados
Mesmo após o mais doce sabor onírico?

Ou será que de tão acostumados com tal modo de vida
Nossos olhos revirados já nem fazem questão de dormir
Ou repousar seu intransigível e inerente estresse fatídico?

Ou um, ou outro, ou ambos, ou nada.

Uma e vinte da manhã e o visor mudou em silêncio.
Divaguei, divaguei e cocei minha cabeça, na altura do maxilar;
O vento oriundo do ventilador me incomodou
E a escuridão lá fora contrastou com a claridade do meu quarto fechado.

Estou num dia em meio à noite
- num Império da Luz, de Magritte, invertido.

Rimbaud repousa em minha bancada e a TV desligada nos reflete, sem sono.
A cortina embolada, os cobertores dobrados e o travesseiro em plena forma...
Formando em mim o desejo de violá-lo, de acariciá-lo
E sonhar um sonho aleatório
Sem mim mesmo, sem pessoas, sem o caos ou norma.

A noite só se faz lá fora...
Uma e vinte e nove agora...
Amanhã às seis será dia de novo
Mas nenhum poema terá coragem de sair de sua cama.

Acho até que as pessoas são mais do que poesia por isso:
Enquanto esta faz-se nada de manhã,
Aquelas fazem nada o dia todo.

terça-feira, 14 de maio de 2013

Vishnu

Hare Krishna Hare Krishna

Krishna Krishna Hare Hare

Hare Rama Hare Rama

Rama Rama Hare Hare




Minha alma Arjuna enlouquece no darma.

A dúvida para toda resposta está em mim.

Não extravaso o que tanto me sufoca

E me acabo como um poema sem fim.

Observação #1

Andamos
                sozinhos

                                   numa vida
                                                       conjunta.


   Olhamos os lados e faces que aglutinam o resto.

                                               
                                                                            T u d o  s e  s e p a r a,

                                 tudo se (con)some,

                                                                             tudo Se      i         u          e
                                                                                                   L          D.


Os carros pelas paredes
                                     caminham
                                     em suas pernas;


                                                                                    As
                                                                                              p
                                                                                                  e  s
                                                                                                          s
                                                                                                       o
                                                                                                  a
                                                                                              s
                                                                                   
                                                                                      voam
                                                                     
                                          e os metrôs se estacionam.


Estação 23, cinco horas:

                                                 Um homem sentou ao meu lado.


                                                                                    Parecia triste.

                                                                                            Carregava uma sacola.

                Estava vazia.

                                                Voou, o sujeito...

Mas voltou,

Pois esqueceu sua carteira no banco sem assento do segundo vagão.

                    Entretanto, dormi e acordei dormindo em um quarto, com um quarto de sono.

Estava escuro, mas o sol raiava em meio aos raios que caiam do céu.
Congelaram as casas e o povo morreu da frieza de sua sociedade.


                         Sonhei um
                                          sonho
                                          estranho.


                                                                  Um sonho
                                                                                   dentro dum
                                                                                                     sonho:


Um um andava com sua cartola e sobretudo.
Um outro andava sem andar
E um terceiro nem ali estava.

                                                                             Comi uma maçã e me olhei no espelho.

                                  Não havia reflexo

e sim a estação.

                                                                                 Estação 23, onze horas.

Uma mulher com cara de cachorro e corpo, nu - de pudor
entrou no décimo vagão.

Estava vazio e assim permaneceu... como a sacola, que viajou até se transformar em pombo
E morrer num fio elétrico revestido com zinco.


Estação...
Estação...

                                meus óculos se transformaram em relógio, mas este parou.


Melhor deitar-me novamente.

domingo, 12 de maio de 2013

Poema Para Mim

Desconstrua meus versos e me encontrará em seus insignificados.

Sou bom na arte,

                   mesmo que a minha não seja tão boa,

mas, com isso, ainda vivo

uma vida desvivida e vazia.

                                                               Não se apaixone com minhas palavras
não reflita e não se assuste. Não se entristeça, não sorria, não chore e não cante,

porque nada vale a pena.


                                                      Não se sinta destinado à solidão, como o faço,
e não deixe de sentir a vida que sente muito por ter-me ausente em minha presença.


Desconstrua este poeta para achar o que ele mesmo acha que o aflige.

Um poema ou dois caminhando ao lado da razão serão suficientes
para conhecerem o enigma que sempre fui.


                                                                                   Mas, apesar disso, tudo é vazio.


Olhe através da janela, se for noite agora.
                                     
                                                                 O que você vê?


Os prédios e casas? O céu laranja-negro e suas luzes dispersas?
A vizinhança calada e seus olhos ainda atentos, esperando algo que não virá a acontecer?
O silencioso frenesi que sobe sobre seu corpo por estar escuro e sua alma, iluminada?
As sombras que vagam na rua, dilacerando os corpos de frio e medo, que se escondem
na mente de sua calçada?
Os rastros de morte que surgem de suas pegadas? A luz que entra pela janela, e sai pela mesma,
deixando-lhe sozinho, perdido na imaginação que precisa usar para se ver livre do que pensa...
Ou que faz com que você veja e pense tudo, mesmo que tudo seja nada?


Tenho alma de poeta, mesmo que alma não exista.
Olhos de poeta, mesmo que palavras tenham sido postas no limbo - sem que fossem memoradas,

                                                                                                            por serem desimportantes.


Desconstrua-me sem que eu o faça.

Amo muito e muito facilmente, mas hoje só amo alguém.
E, apesar de amar todo o amor do mundo, não sei se me ama.
Não sei se me olha realmente... não a vejo, de vez em quando.

Minha mente também mente...


                                                                              Mas, da loucura se fazem gênios.

E meu passivo pedantismo que me perdoe,
Todavia, lágrimas ainda chorarão as dores do poeta que aqui escreve versos mundanos.

Mundanos, porque um idiota ou dois se identificará com o que escrevi

e isso por pura falta de personalidade.


Eu, por exemplo, não sou um poeta convencional
- pelo fato de não ser poético.

É claro que, às vezes, digo algo que convenha à tradição de se fazer versos,
Mas isso não importa...

Prefiro manter minha personalidade e status de Poetinha,
portanto, faço algo popular e (dito) cult e revoltado, ao mesmo tempo.

Agrado a mim e ao público com isso
e seu porquê é simples:

Sou vazio e escrevo vagamente, logo, um auto-retrato...
Sou deveras egocêntrico, apesar de não ser, portanto, gosto disso.
E, pelo fato da sociedade ser, assim como nós, vaga, ela adora meu jeito.

Salvo exceções,
Um salve para mim.

Desconstrua-me para construir-me.
Mas não se engane. Suas interpretações podem fugir do poema que fiz de mim.

sexta-feira, 10 de maio de 2013

Pobreza

Enquanto uns vivem seus sonhos,
Outros encaram a realidade.
Enquanto uns passam,
Outros imaginam como é passar

um dia sem fome, sem frio e solidão.

Eles nos olham, eles sabem nossos nomes e onde moramos.
Eles nos acompanham, eles nos admiram e sabem que a nós nos adoramos.

Enquanto uns vivem a vida,
Uns beiram a morte...


Enquanto uns vivem seus sonhos,
Outros encaram a realidade
E tudo parece ser mentira.
Tudo parece injusto... tudo é injusto... só pode ser.


Enquanto uns comem o papelão com que se cobrem,
Outros... outros... não sei...
todos se fecharam.


"Não queremos vê-los, não queremos sê-los, não queremos..."

E não serão.

Ninguém será...
"Nenhum deles é", afinal...

Poética

Dizem
que
usar a razão em demasia

           
    é a
               c     e       p a r a   a  frieza.
               h     v      
                  a


                                                    Pobres poetas...

                                      pobres criadores e versos...


                                                                                                         Talvez por isso
                                                                                                                          sejam
                                                                                                                          impedidos de amar;


Talvez quem
o tenha dito
tenha sido mal-amado.


                                                                 Sei lá.



Amor é uma incógnita
para
os
que
amam com
                  o
     
               saber


                                                                                   Amor é
           
                                                                                                  a beleza dos que amam
                                                                     por aí




Amor           é ser
    poet  a  sem
          criar
            e

                                     amar sem o fazer.


                                                               


                                                                                                                 




                                                               

Viver é

Viver é superestimado -
disse alguém
em um dia qualquer

                               c           o m o  h o j e.
                                     
                                      o
                                         m
                                           o
                                               h o j e
não vivi,
não sorri,
não chorei...


                                      as lágrimas me choraram

e nelas me vi a vê-las.


Fiz um poema vago;

                                                                 Viver é superestimado;

Dormi no ponto, pronto para o que viesse.


Mas nada veio.

Nada virá. Viver é nada.

quarta-feira, 8 de maio de 2013

Insignificado Concreto


                                     Lá
                                    Tinha


                                                                                     Amar é linha
c    
        a    
        s    
        a



                                                                              ve
                                                 
                                                                               li
                                                 
                                                                             nha                                                
                                                 
f o r m
           a
           m
           o
           r
            o d             a
                           o
                       l
                   é
                u

                                                 
                                                      u m
                                                  p o e m a
                                             10 p o e m i z a d o

terça-feira, 7 de maio de 2013

Dissimulado


Meu coração é vazio


                - revestido por uma camada de pedra,
               
                                               por uma de gelo

             e outra de angústia.

                                                                             
                                                                           É deveras oco,

                                      deveras sofrido, morto

e, em sua sanidade e alegorias,

intensamente louco.


                                                 Meu coração é insensível

- anunciado por sua tristeza imperceptível,

                         a qual me sufoca, me aprisiona e apavora...

temendo seus próprios temores e falta de controle.



                          Meu coração é doentio.

 É a lágrima que escorre do mundo

                                       e rola até as trincheiras da mágoa.


É a indecisão da loteria

                                      e a melancolia desta vida atormentada.


Meu coração é oco.



              E em seu interior se esconde um poeta ignorado pelo sistema ao qual está inserido.  




                           Meu coração é oco...


                       
Sorte que minha parte viva está em meu reflexo em seus olhos.

Sorte que minha parte alegre está em seu próprio coração:

guardado a sete chaves para que não se perca na profundidade

                                                          deste poço de podridão e lembrança.


Sorte.

                                      Sorte.

                                     
                           O poema se transforma e assim é minha esperança.

Poemeto ao léu

Parte de mim adoeceu hoje.
   Parte de mim amou mais.
       Parte de mim gritou
        E a outra parte,
       A que restou,
      Apenas
chorou.


                                                       Parte de mim se foi
                                                    E trouxe o resto consigo.
                                                       Parte de mim me dói
                                            Parte de mim parte para seu abrigo.



Mas, se parte de mim é você,
Parto para mim mesmo
Ou parte para mim?

                                                                   Quem é você?
                                             O que quer?


Parte de mim parte em silêncio - partindo em frente aos outros

os problemas que nos assolam.                                                  

segunda-feira, 6 de maio de 2013

Cegueira

- Por que você pensa tanto? - perguntou alguém.
- Por que você tem olhos?
- Para... ver as coisas.
- Comigo mesmo vejo as coisas mais claramente e de várias formas. Cego é aquele que se atém ao que é mundano, ao comum e ao que, obviamente se vê, simplesmente.

sábado, 4 de maio de 2013

Cansaço

Seguem em caminhada, as pessoas.
Andam, caminham e correm,
Observam, são observadas e a si doem...
Ao deparar-se com o lugar algum.

                                                              Não chegam, simplesmente.

Destino - há nenhum.

O cansaço bate...
O cansaço pesa...

O cansaço jaz... na face da moça do trem,
No rapaz que sentou a meu lado
E no senhor da bilheteria.

E talvez a mim chegue ou tenha chegado,
Sem que meus olhos cansados tenham percebido.

Poetas percebem o mundo,
Mas nem sempre a si mesmos.

Olheiras, rugas... a velhice...
Foram tudo o que conseguiram os que caminharam
E, mesmo assim,
Ainda se jogam passos e pegadas ao léu.

sexta-feira, 3 de maio de 2013

Palavreado

Se palavras
                  dissessem tudo,

                                   

                  o silêncio não seria

a escolha do não com o nuto...

a mistura do vazio e do mudo...


                                                      o silêncio,

                                                                                    não muito...


Se palavras dissessem tudo...

                                                   não palavras,

                          não silêncio, nem nada.

Palavras apenas e vagas...
                                             palavras fúteis, frias,
                                                                              despalavradas...


Palavras, palavras, palavras...



                                 ao léu, para anunciar o poeta que, de poeta só tem fachada.








quinta-feira, 2 de maio de 2013

Pouco

Tudo que pensar em fazer será pouco
Até que realmente seja realizado.
Tudo que pensar em dizer
Será rouco, confuso e abafado,
Se de minhas palavras
A ti não surgir um mundo idealizado.

De teu rosto surge meu sorriso
E de teu sorriso, minha alegria.
De teus sonhos minha fé é criada,
De tuas dores, minhas lágrimas esperançosas
Enxugam as tuas, ainda não totalmente entregadas.

Mas tudo o que disse pode não valer
O que deveras sinto.
E tudo o que sinto pode valer nada.

Todas as palavras,
Os poemas mais bonitos...

O que significam,
Se não descrevem uma fração
De todo o amor que, por mim,
Faz o mundo amar?

Tudo que um dia vier a pensar
Será pouco até que seja realizado,
Mas tudo que pensar ou fizer,
Não deixará de ser ou de ser eternizado
No coração do poeta que ainda não
Aprendeu a amar totalmente;

No coração do poeta que ama o amor divinizado,
Que a si ruge como um fogo ardente...

Amor que foge do mundo para que por mim venha ser poetizado...
Amor que a mim nada significará, se a ti não se tornar apaixonado...

Amor que só será amor se por nós dois continuar a ser sonhado...
Como um sonho, por nós dois, somente, criado.

Sentimento dos Poetas

telefone

                     tocando          
                                                ninguém
 
                                                                     do outro lado.

o computa
                    dor
                                             
                                              a tela descanso,


                                                                                              o silêncio

                                                                                                                     vindo

                                                                                                  da rua,

                                                   


                                      a janela fechada,

                                                        a luz apagada,  

minha mão fria e nua

                                                                              em um eterno descanso,

                                       mera e pobre fachada.  



                                                                                              campainha,
                                                                                                                  porta abrindo,
                                                                                              ninguém ali,
                                                                                              pois
                                                                                           
                                                                                                                  todos sumindo.

rua deserta,
                                           música muda
                                           muda a música
nasceu a muda

                                    vazia em minha vida.


                                                                 v
                                                                               a
                                                                   z
                                                                       
                                                                 i
                                                                                           o

sentimento dos poetas,


dos que não amam,
                                         dos que não sentem,
dos que apenas percebem e criam versos


                 e
                             s
                    c
                                  r
                                                   i
                                                                  t
                      o
                                           s

ou não.


quarta-feira, 1 de maio de 2013

Angústia

Nossos sonhos inaudíveis
Se escondem no escuro
Dos quartos invisíveis
Do inconsciente inseguro
De nossas mentes entrelaçadas.


                                                          Não há alguém.


O silêncio ecoa pelas paredes,
O teto desmorona em versos
E as janelas e portas se fecham
No vazio solitário e angustiante
No qual estou imerso.


                                                       As casas caíram,
                                                                                  as pessoas fugiram,

                                                                                                                o tempo se foi


e eu aqui.


                                                         Estou aqui.



Nenhum de meus corações partidos
Voltou a mim como imaginei
E, ao contrário disso,
Os portos de onde partiram
Se fecharam enquanto meus olhos choraram
Toda a tristeza do mundo.


Nenhum de meus pensamentos me abandonou
E, apesar disso, fui deveras abandonado
Por todos que correram,
Por todos que morreram...
Ao entrar em contato com este, acorrentado
Na fraqueza do imundo.

                     
                                                                                                  Viver é a ilusão de quem vive.
                                                                                                  Vivo é quem da ilusão vive.
                                                                                                  Morrer é o fim de quem vive.

E os medos só se tornam
Pois a si não se conformam
Os que se contentam com o vago.

                                                                       E os medos apavoram.
                                                                       E os medos a si devoram.
                                                          Pois não se pensa em como combatê-los.


                                                      Essa é a arte de temer.

Essa é sua genialidade.


                                                            Ao temer só se pensa no que se teme.
                                                                       A solução se distancia.

E essa é a arte de morrer:


                                          ser medo, apesar de natural.

Ser o destino dos que temem
E dos que a têm como igual - à vida.




                                                            Nossos medos invisíveis
                                                            Se escondem no escuro
                                                            Dos sonhos inaudíveis
                                                            Do inconsciente inseguro
                                                            De nossas mentes sufocadas.


E não há alguém ali.


                                                      Apenas eu.


Estou ali.