domingo, 30 de junho de 2013

Observação #10

Meus olhos se fecham,
mas o mundo permanece vivo,
acordado e interessante para minha mente.

Observo, desatento,
e somente atento aos detalhes
que não aparecem para a maioria.

Paro, penso, concluo.

Volto atrás e me deixo levar pelo devaneio.

Muito melhor viver em meu mundo projetado,
do que arriscar me entregar ao que fizeram
baseados na tentativa e erro.

E não é melhor, porque sou melhor.

Um bando de chatos iria me interpretar pedante se não explicasse.

Deixo a reflexão para um último verso:

será que sou realmente bom e que o que escrevo é um antro de inspiração

                                [ou só escrevo para que você perca tempo e... que se dane o resto?

Papapapaparnasisisiano

m a i ú s c u l a s  

                  p    r    a    i    n     s
                     a   n    s    a    a
                                                       num poema contemporâneo





            p u r a     f a l t a


                                             d
                                                e


c r

      i  a

t i

        v i

d a

        d  e


                                                           Mesmo que eu
                                                           As escreva
                                                           Com todo meu
                                                         


                       sen
                                                         
                       tim
                                                                                                                     
                       ento

                                                                                   a p o é t i c o


                                                                          e


                                       d u v i d o s o

SP-280

do carro, na estrada,
o campo esburacado,
de tempos antigos,
hoje esquecidos,
pelos que antes
o habitavam,
me observava.

o que era?

do carro, pela janela,
na estrada,
remoto,
vão,
lúgubre.

a morte era tão profunda,
no verde-cinza
das gramíneas,
que toda a vida
que um dia ali esteve
me preencheu.

fechei os olhos
e adormeci,
e sonhei,
sem dormir
um minuto sequer
ao longo da viagem.

Sexumor

Crianças riam-se ao ouvir "bunda".

Jovens riam-se ao falar de bundas.

Adultos riam-se ao pensar em seus tempos de jovens

e os velhos, coitados, se esqueceram do percurso.

sexta-feira, 28 de junho de 2013

Sorria


      o   a    minha                                                                     va  e se reser                                                              
    d                       v                                                              r                         v                      
  u                         o   l                                                    s   e                            a                
t                                    t a                s e                r e
                     
                                           
    porque me reservo                                                        e me reservo porque


                                                           
                                                          quero.



                                         
                                            tudo parece assimétrico

                                                 em minha cabeça.
                         

Poema Como Outro

O problema é fazer comparações.

Ao nos darmos conta de que somos como poemas
e que nossas vidas são palavras findas
- metafóricas, irônicas, prolixas e burocráticas,
perceberemos o vazio ao qual nos submetemos,
assim como, quando ficamos tristes,
por nossa conta, desfalecemos.

Ao nos darmos conta de que tudo termina,
tendemos a suprir nossa reclusão
e florear, e surrealizar, e confundir
o que realmente queremos dizer,

assim como um quadro de Magritte, Dalí
ou versos simplório-complexos de Mendes.

quarta-feira, 26 de junho de 2013

Observação #9

Meu fim começa em lágrimas,
que escorrem de mãos dadas,
até atingirem o poço,
a fossa,
a qual sempre me destino.

Ignorado, fui sozinho
por ter ignorado os outros
e por ter querido ser querido
e esquecido (ao mesmo tempo).

E acabei me entregando um pouco mais.

Meus braços rasgados,
meu peito ribombando,
minha moral flagelada.

Minha angústia me consumindo,
minha poesia se desfragmentando,
minha morte vã e já anunciada.

Meu fim termina em lágrimas,
que escorrem de mãos dadas
até atingirem meu rosto.

Não são minhas.

Eles me observam de cima,
lamentando o momento lúgubre.

Não por mim, mas por eles.

Ninguém chora a morte do morto,
mas a tristeza que sua ausência causará.

terça-feira, 25 de junho de 2013

Observação #8

Árvores sem galhos e folhas.
Casas sem telhas, tintura.
Prédios à frente.
Carros, sem guias, na rua.

O mundo oculto atrás, no corredor.
Silêncio estrondoso
e a chuva batendo, muda, nas calçadas.

Ninguém se molha.
Já não é dia.

A neblina que, no céu, ao léu, cobre meus olhos.
Os toldos coloridos, que se molham para que não se molhem.
Os postes estáticos, sem vida.
As bandeiras, cálidas, com frio.

Já não é dia.
Já não é.

Tudo é o que vejo
através da janela encostada,

no corredor que esconde o mundo.

Observação #7

Observar o meio externo a mim,
com ampla profundidade
e sem medo de pensar o que penso,
serve para me trazer ira,
incômodo, decepção e o relativo ar de superioridade
- logo,
irreal.

Todos tão fúteis, tão vazios, superficiais
e irrelevantes para minha vida,
como minha presença e poesia
- totalmente desnecessárias para seus pequenos
e rasos mundos.

E são tão falsos, forçados, inquietos, barulhentos
e duvidosos...

que a única certeza que tenho
é que estou bem,

em meu núcleo.

segunda-feira, 24 de junho de 2013

Segundo Fechamento

Nossos planos secretos tomarão conta da poesia.



Poesia apoética,

                            desfigurada,

 ignorante,

                          odiada,
         
                                              e
                                                         irrelevante.




                                                                    Ninguém me conhecerá até que seja esquecido.

Inquieto

Sou obrigado a amar a família.
A confiar em meus colegas.
A sorrir sempre que estiver em público.
A ser educado com outrem.
A não responder.
A ficar calado.
A escrever e falar coisas leves, pois nem todos estão prontos para ouvir.

Sou obrigado a falar baixo.
A permanecer alienado.
A ser censurado.
A comer de boca fechada.
A não falar demais, para ouvir os outros melhor.
A parar de escrever, pois já não tenho tópicos.

Tudo vago.

Somente um ou outro valem a pena.

Amadureçam.

A rebeldia me obriga a deixar tudo de lado...

e, se tudo não for tudo,

que o nada me preencha mais uma vez.

Gallinero

No tendré perspectivas

                                     de una otra vida, aquí,

Tampoco de nuevas amistades
                                                o cualquier otra cosa afetiva.

No tendré esperanza
                                  y mi perdición no cambiará mi destino
                                                           
                                                                                 sin tino.


                                             No tendré amigos, sino mi enamorada, mi amor y mi poesía.


Debo volar.

                        Volar como un pájaro.


                                                                         Volar hasta que encuentre

                                       una nueva ocupación




 - perdida
                  en algun
                                   lugar

             - muy lejos -




así como yo                                                                   de mis sueños.

sexta-feira, 21 de junho de 2013

Observação #6

Canto uma bagunça sem sentido,
que só faz sentido para mim.
E se canto, canto sozinho,
porque as flores que antes brotavam
desabrocharam e se mataram, em meu sinuoso jardim.

Canto a objetividade dos versos subjetivos
e a subjetividade de meus objetivos.
E, se canto, canto sozinho,
porque o eu que grita em meu peito
força o egocentrismo, em mim, agora, vão.

Vivo como um lobo, como um poeta entregue
à melancolia de seus versos pessoais.
Se gosto disso é outra história,
fato é que não sei se conhecem minh'aversão
a todo e qualquer verso meu.

Não sei se sabem o que passo e o que vivo,
mas a mim não interessa.

Prefiro observá-los com olhos vazios, assim como eles.

Prefiro venerá-la, a fútil superficialidade, da maioria...

pois nunca fui assim

                                                    - para minha mente mentirosa.

quinta-feira, 20 de junho de 2013

Estátua

Sobre a mesa
                                                um elefante

                                                de plástico ou madeira.


    Parecia em movimento.
                                  Parecia fazer ruídos.


                                                                                                      Estava
                                                                                                      estático
                                                                                                      e calado.

Sobre a mesa

                                  um envelope

                                                           com todo o meu diagnóstico.


Era como se o elefante de brinquedo fosse eu, caminhando

                                                                    de encontro ao que realmente sou,


                                  calado, estático, apenas observador.


É como se buscasse todas as respostas sobre o eu,

                                                                    mas fosse impedido por minha insuficiência humana


- de elefante de plástico ou madeira,

                                                                    sobre a mesa,


                           agora repleta.

quarta-feira, 19 de junho de 2013

Apesar de Tudo

Às vezes
                      nos sentimos mal
                                                e nos tornamos
                                                                           incapazes
                                                                                       de enxergar                      
                                                                                                       o que realmente acontece
                                                                                     

                                                                                                                          a nossa volta.

Interpretamos, concluímos
e vivemos uma verdade,
ou mentira,
inventada por nossa cabeça

                                                e ninguém é capaz de nos convencer que estamos errados.



Ninguém parece estar ali...

                                                                        ninguém parece existir...

                     
                     
                                                nem mesmo nós mesmos.


Às vezes nos sentimos bem
                                         e as coisas que outrora pensávamos
                                                                                                simplesmente somem


                                                - como se nunca tivesse havido um problema.


                                                                        Às vezes não há,

                                                porém, por estarmos presos

                                                                        no excesso de pensamentos,

                                                nos enfraquecemos.


Alguns passam e não dão "bom dia",
Outros passam e nos estendem a mão.
Alguns passam sem conhecer alegria,
Outros passam por diversão.

Eles não lhe enxergam;
não perguntam como você está;
não vêem as cicatrizes por todo o corpo;
nem mesmo atentam para as coisas que faz.

Eles não enxergam problemas;
não enxergam sua depressão;
não ligam para o que sente;
não estão lá quando mais precisa.



                                                                                                Mas...



                                                será que realmente é assim?


O pessimismo toma conta das pessoas,

                        assim como a tristeza,
                                                o passado,
                                                         a química.

O excesso de pensamento                         c o r r o m p e.

O excesso                         d e s t r ó i.


                                                                        Será que tudo o que vemos realmente é?


Talvez não saibam como ajudar.

                        Ou então, talvez se preocupem tanto - como você
                                                                     
                                                                         - a ponto de se entregarem também.


Talvez queiram manter distância por medo.


                                                                                                Não sei.

                                                Os outros não importam.


Às vezes estamos mal e nos esquecemos
                    que todos temos problemas


e que é                         egoísta                         pedir ajuda a todo momento.


                                                                        Mas podemos pedir.


Podemos sorrir - apesar de tudo.

E,
          se sorrimos,
                                      temos esperança.

 Se
               sorrimos,
                                       vivemos.

Se vivemos, podemos ver o lado bonito das coisas.



Ele existe.                                                                     
                                                                                                 Abra seus olhos.


                                        Não se deixe ser vencido.

terça-feira, 18 de junho de 2013

Revolução

Até quando seremos manipulados?
Até quando os que não entendem
Não entenderão que estão sendo estuprados?
Até quando passaremos a mão na cabeça
Dos que nos roubam, e omitem, e mentem?
Até quando viveremos num país de mentiras,
Num país de conformismo, insensibilidade,
Violência e falta de educação de todos para com outrem?

Até quando?

Até quando tentará impressionar os outros?
Até quando será dissimulado, traiçoeiro, mentiroso e pouco?
Até quando insistirão em calar o povo?
Quando nos ergueremos de novo?
Até quando seremos movidos por interesse,
Dinheiro, prestígio, futilidade?
Quando deixaremos de ter bandeira, somente,
Para nos tornarmos sociedade?

Até quando, Brasil?

Até quando?

segunda-feira, 17 de junho de 2013

Pássaro

Noite
Dois
Sós
Chão
Colo
Pássaro
Mão
Posto
Banheiro
Posto
Pássaro
Pássaro
Mão
Mão
Pássaro
Pássaro
Mão

domingo, 16 de junho de 2013

Vida

        _                       _
      _  _                  _    _
    _      _             _          _
  _          _        _                _
_                  _                        _ _ _ _ _ _ _

V

Alguém ri no quarto ao lado.
Ouço a TV ligando.
Ouço alguém se divertindo.

Conversas.
Ouço vozes, ouço passos...
Gritaria.


Devo levantar-me?


Sempre vivi sozinho...

a casa sempre esteve vazia.

Não Ligo

Corte seu rosto
Com uma tesoura prateada
E sede de morte.

Queime a ferida...
Queime alguma coisa...
Queime os que lhe mataram.

Corte seu rosto,
Com uma tesoura prateada,
Do canto da boca à altura dos olhos.

Mostre a ferida...
Diga-os quem a causou...

Veja o horror em suas faces.

sábado, 15 de junho de 2013

Retenção

Já cheguei a pensar que todos pensavam como eu.

Não é estranho... pensar que não pensam
pensamentos seus?

Já cheguei a pensar que todos amavam
E que todos sentiam o que sinto.

Mas não. Cada um sente algo
E, mesmo que seja a mesma coisa,
Sente de outra forma.

Já cheguei a pensar que todos eram felizes.
Mas a felicidade que se enxerga nos outros
Vem da que você sente.

Já cheguei a pensar que sempre escreveria,
Mas apenas selecionei pensamentos e os narrei.

Já cheguei a pensar que pensar era bom.
Mas mudei. Soube assumir que estava errado.

quinta-feira, 13 de junho de 2013

Nefasto

Escutava I Dreamed I Dream
enquanto caminhava sobre um corredor mal iluminado
de uma enorme casa, cheia de salas e portas fechadas.

Ouvia sussurros e conversas abafadas pelo silêncio...
ouvia minha histeria saindo de minha boca

e se perdendo na     t r e v a        q   u   e      a   d   e   n   t   r   a   v   a.


Eu ali,                     sozinho,                     caminhava.


Eu ali,                     sozinho,                     perecia.


Enquanto andava, a agonia crescia
e sombras, e vultos, e visões me apareciam,
me possuíam... me degustavam... me enlouqueciam.

Mas não parei uma vez sequer.
Nem mesmo olhei para trás
para ver o que me seguia.

Nefasto.

Tornei-me lúgubre, mórbido, irreverente.
Tornei-me pesadelo disfarçado,
o caos, solidão, morte, desesperado, doente.

Ainda caminhava!

E apertava o passo, quase correndo,
e engolia  saliva já seca,
e ouvia as vozes gritando meu nome
pedindo que parasse logo!

Mas não parava! Estava fora de controle!

Seguia pelo corredor já avistando o fim...
muito distante de mim mesmo
e sentindo o frenesi que anunciava minha loucura.

Quando cheguei ao final,

ninguém me esperava.


                                              O pesadelo se passava em mim.

O pesadelo era eu.

O pesadelo acabou-se enfim.

quarta-feira, 12 de junho de 2013

Siren

Um dia encontrei uma garota perdida.
Perguntei seu nome, chamei para conversar
E ela me contou todos seus segredos.

Embora poucos, não pude deixar de contá-la alguns dos meus
Para que nos conhecêssemos melhor
E para que ela se sentisse um pouco mais compreendida.

Estendi minhas mãos, abracei-a e ela me deu um beijo.

Depois, me olhou, sorrindo, cabisbaixa.
Não parecia tão perdida, não parecia ainda estar triste.

Para falar a verdade, desde que a encontrei ali,
Sentada, quieta, vagueando em seus pensamentos,
Sabia que passaria a amá-la

E, ao passar a amá-la,
Sabia que me amaria de volta,
Sabia que faria de tudo para que ela se sentisse bem

E que, um dia, ela faria um poema para mim também.


Mais uma vez nos abraçamos e deixamos que nossos lábios nos levassem
Para onde nossa imaginação nos deixasse...


E ela se foi.

                                      E ela voltou.


E nunca mais nos sentiremos sozinhos ou perdidos...

E nunca mais teremos que guardar sentimentos...

Para sempre teremos abrigo...


Porque temos um ao outro e o amor mais bonito do mundo...

Amor que nos ama

                                                       e ama a todo momento.

terça-feira, 11 de junho de 2013

Esperança

Você não me arrastará para baixo.

O passado já tentou,
                                                            tesouras e lâminas tentaram,


a solidão e melancolia também.


                                                                           Poemas baixos, sem palavras,


                 palavras sem poemas, poetas, sem perspectiva...



todos quiseram meu fim.


                                                   Mas não conseguiram.


Não me levaram consigo.

Não me tiraram da eternidade.

Não me silenciaram.

                                                                    Não me possuíram.


 Só me tornaram mais forte.


                                           Renasci de minhas cinzas mais uma vez.

Incompl...

Escreveria um poema inteiro,
se não estivesse

                            t
                                ã
                            o

                                     d
                                          i
                                              s
                                                     t
                                                          r
                                                      a
                                                          í
                                                      d
                                                         o

pensando em alguém.

Estresse

Não sabem deixar tudo de lado.
Não sabem por medo de arriscar.
Tudo é obrigação.
Foi-se o tempo de se divertir.


É óbvio que certas coisas aceitam o extinto e supérfluo politicamente correto
e ainda a abstenção dos prazeres que os contentam.

E é óbvio que certas pessoas preferem a diversão e inconvenientes
em detrimento do que realmente é melhor para elas.


Não sou como os outros para sair julgando tudo que a mim não diz respeito,


mas,

se vivessem de minhas utopias,
viveriam a todo instante,
num tom alegre, indissidente.

Não somente nos feriados, férias
sábados e domingos

- e finais de expediente.

segunda-feira, 10 de junho de 2013

Contínuo

Quantas pessoas choram durante o banho
Para que suas lágrimas não escorram diretamente em seus rostos,
Manchando-nos com a tinta da tristeza?

Quantos choram sob a chuva,
Sozinhos, poucos, individuais... ausentes de tudo?

Quantos deixaram de ser e não encontram soluções?

Quantos desses estão em mim e por que não me deixam?

O que sou?

Quem sou?


O silêncio e reclusão me dominam novamente.

domingo, 9 de junho de 2013

Esqueça

t

u

d

o                                      s e   r e s u m e   a   n a d a ,



                                                                                                                  a
                                                                                                               
                                                                                                                  s

                                                                                                                  s
                                                                                                                 
                                                                                                                  i
                                                                                                                 
                                                                                                                  m

                                                c o m o   n ó s.


                                                                               

                                        Por isso tememos não deixarmos

                                                                                                                        legado.
                                                                                                                        Por isso

                                                                                tememos não sermos eternos.



                              Porém,

 
                                                         antes de conseguir a eternidade,

devemos viver algo significante e original,

                                                                                                       porque

                                       

                                        gente igual tem fim igual:

                                                                                                                     


                                       
                                                                                              o esquecimento.

às vezes não escrevo

às vezes quero desaparecer.
quero sumir da vida das pessoas.
quero deixar minha casa, família e amigos.
quero estar sozinho, vivendo em meu mundo, apenas.
quero ouvir o silêncio e tentar fazer com que este me toque.

às vezes não suporto a realidade.
às vezes não suporto ser forte.
às vezes me rendo e admiro minha autodestruição.
às vezes fico mudo, mas nunca deixo de observar.

às vezes não quero crescer.
quero apenas viver de pequenos encontros.
quero apenas viver com minha namorada.
quero deixar de ser ou ser qualquer coisa.
às vezes quero adoecer e ver quem cuida de mim.

quero sumir.
quero dizer adeus.
quero dar um abraço duradouro.
quero passar reto sem peso na mente.

às vezes quero passar sem memórias.
quero esquecer tudo o que disseram.
quero inventar ponteiros para meu próprio tempo.
quero ser compreendido.

às vezes quero ser deixado de lado.
às vezes quero odiar.
às vezes amo, num corpo que só sabe amar.
às vezes sou algo, mas nunca serei eu mesmo.

quero olhar pela janela e ver a piscina e o prédio.
quero não pensar nos tempos em que ali brincávamos.
quero deixar tudo de lado.
sumir, silenciar-me, distanciar-me.

mas, apesar de tudo que quero e faço,
talvez seja melhor conter-me.
talvez seja melhor olhar as flores,
ouvir uma música animada
e voltar a viver de verdade.

S e i L á

q u a d r o
                      q u a d r a d o

                                                               r e t o

                                             e n g u l o


                       c i c l o

c i r c u i t o

                                                   l o s t

                                                                    a n g l e


                        d e  

n o v o            
                                   

sábado, 8 de junho de 2013

Modern'Excesso

Sem história,
meu poema desfigura-se
na amplidão poética
que se esconde
no monótono mundo.

                                                            Transforma-se pelos olhos...

                                     Sorrateiro,                                                            silencia-se.



          Palavras            d
                                       a
                                    n
                                           ç
                                               a
                                                     m   ,

                                                                   tornam-se outras...

Texto cansa, texto muta.

                                                 Estagnado, reluta,
                                                                   problema,
                                                                   poema,
                                                                   floema,
         

                                        fruta...




Força-se demais o modernismo.

sexta-feira, 7 de junho de 2013

Tanto Mar

Tanto mar
                   para amarrar
                                          amar amar
                                                              e ver
                                                         sentir
                                          e estar
                  no mar.
               
                                                   Tanto mar
                                                                           pra navegar
                                                                                          e eu em casa
                                                                                                        assando a bunda
                                                          com o cansaço/sentar.

                               Numa hora como esta
                                                                  queria ser, dizer e criar
                                                                                                     esperança e coragem para sair
                                                                                         e amarrar-me nele,
                                                               e ausentar-me
                       e nunca mais levantar.

                     
                                                                      Queria eu ser mar.

Por Escrever

Ninguém havia ali na esquina
Portas fecharam
Televisões desligaram
Ainda estou aqui.

Horas passaram
Sonhos se foram
O dia começou
Ainda não dormi.

Sacos de pão esvaziaram
Carros deram partida
A manhã já se foi
Ainda eu aqui.

Pegadas nas paredes
Comida não comestível
Sangue frio e verde
Talvez vá eu dormir.

"Ba ba ba ba Barbara Ann"
"Bat macumba oba!"
"Na. Na. Na na na na!"
O silêncio morre aqui.

Três da manhã
Mais uma noite
Mais um dia abstrato
Já nem quero eu dormir.

quarta-feira, 5 de junho de 2013

Quase Censura

Não me consultaram,
não me ajudaram
tampouco fizeram de mim
um poeta feliz.

Apenas caluniaram,
apenas censuraram
as palavras que, em minha boca
deixaram de ser vagas,
poucas, dispersas
e humildes.

O tempo passará e meu silêncio tornar-se-há gritaria.
Convocarei os poetas que guardo em meu corpo
e derrotaremos a melancolia e sentimento morto,
intrínsecos a meu eu.

Contudo, em meio a toda esta confusão,
meus escritos passarão a ser ditos confusos e loucos
para que eu mesmo assegure minha sanidade e introspecção.

Minha tristeza será exagerada e desabafada,

minha solidão não estará sozinha...

Viverei mais uma vez, portanto,



                                                                                             por mérito pessoal.

segunda-feira, 3 de junho de 2013

Carol

Seus olhos castanhos me observam
Enquanto escrevo um poema falado,
Dou um beijo em sua testa
E digo que está tudo bem.

Olham de um lado a outro
E espelham os meus, aflitos,
Acalmando-me e acalmando-lhe
Sem que nós dois percebamos
O que realmente significa amar.

                                                           Vamos à luta.
                                                       
                                                           Vamos ao carinho e atenção...



Nenhum lugar parece tão distante,
                                               
                                                              Nenhum problema parece tão grande...
                                                         

                             sim,
está tudo bem.



Nado em seus longos cabelos e pela pele clara...
                                                     
                                                como as nuvens de um dia ensolarado.


                 Mas já não há poesia.


                                                   Só nos resta a realidade
                                                   Que criamos para escapar da convencional.



                               Somos dois em um,
                                                              O maior clichê de todos os tempos,
                               
                              Todavia, ainda somos originais e verdadeiros.


Somos bobos e retardados.

                               Somos amantes inseparáveis...

                           

                                                                            ... meus olhos se fecham para o mundo.


Vivo de devaneios, vivo de sonhos;
Vivo do amor e vivo por você.


Não importa o que digam ou pensem de nós.
Nada importa quando estamos a sós,
Sozinhos e juntos ao mesmo tempo,
Amando um amor que não se resume a abraços e beijos.


                                  Nada importa,
                                                                  não realmente,
   quando se tem alguém
                                      a quem chamar de sua.


E o tempo parece apressado
Em nossos relógios de vidro... sem tempo, na verdade.


Corramos, então!
Corramos juntos

Até que cheguemos a seus sonhos.
Até que realizemos tudo o que deseja.

E, somente depois, viverei por mim
E, somente depois, viverei enfim

                                                               O que desejo individualmente,


Porque
                          amo          
                                                 amar e fazer

         o que os outros chamam de impossível.

E, mais do que tudo,

                                           amo amar você


E seu jeito insubstituível.

Comentário

Queria ser um relógio sem ponteiros,


        para deixar de perceber
                                                                    o tempo,


            que só passa rápido

                                                                               quando

                                        olhamos para trás.

domingo, 2 de junho de 2013

Fim

Se foi e chegou.
Mal chegou, já foi.
Talvez nunca esteve.
Não parecia.

Se esteve, se foi.
Se estive, já fui.

O poema'cabou.

Soneto Vão

As pessoas se distanciam física e mentalmente
Como se antes tudo fosse um sonho ou ilusão,
Um pesadelo ou iminente emoção
Atirada às pressas em minhas mágoas, meramente.

O vazio que deixam os distantes, em mim,
É pior que a amargura de viver nesta mortalha;
É pior que a sepultura em que vivo
E em que vivi até ser derrotado em mais uma batalha.

Agora, tudo que me resta é a singela saudade
Que desperta em meu peito como uma pontada
Anunciando o final de minha eternidade.

Agora, tudo o que faço é rir de mim mesmo
Enquanto penso em tudo que nunca foi verdade
Em minha mente morta, que viveu a esmo.

Passei

Alguns                                                                                      
             dias                                                                              
                      passam                                                                
                                   como                                                      
                                              memórias de dias mal valorizados


                                              guardados em minhas gavetas e armários


preenchidos pelo silêncio.                                                          



Alguns

              dias                      passam

                                                                     como se não
                                                                                                        passassem


E outros passam dormindo em seus domingos de folga,

esperando retardatários que nem passam...



que

             fingem

que

             passam                        

                                                     para também
                                                                                       se tornarem passado.