quarta-feira, 31 de julho de 2013

Poema Diverso

Fizeram entristecer-se por serem contrariados
pelo silêncio que ecoou na sala de estar
ao lerem os frutos de seu poema planejado
que agora dorme e deixa seus versos descansar.

Do azul do céu estrelado, à negritude das janelas fechadas,
sonhei em ver um mundo escuro e repleto de estrelas pintadas;
Sonhei em ver pessoas humanas e o homem da lua
caminhando, trazendo-me esperança a minha própria face nua.

Não fui Shakespeare ou Rimbaud, não sou Poe nem serei Neruda,
serei eu mesmo e serei pouco, por ser assim,
porque toda palavra que disser ou escrever será surda
e dificilmente variará conforme o tempo passa para mim.

E a música que soa, sua de minhas entranhas
e os acordes, os passos que dançam,
os rostos contentes, as pessoas dispersas, estranhas,
não se perdem, jamais se cansam.

Sou o poeta variante, o poeta que oscila...
sou como uma ave que plana em sua imaginação,
sou o poeta acompanhado, perdido na solidão,
sou como um repleto trem que descarrila.

Deste lado da rua, o futuro - do outro, os velhos casarões.
Daquele, as senhoras decassílabas, máquinas e cartas esparsas
penduradas, contemplando os velhos lampiões e memórias escassas;
desta juventude, eu e eu mesmo em minhas mentirosas emoções.

Que se identifiquem com minha vida aqui escrita,
que leiam e saboreiem minha poesia insalubre, irrestrita;
que cantem suas canções originais e não copiem o outro;
que vivam com alegria - para que o mundo não ganhe mais um poeta morto.

terça-feira, 30 de julho de 2013

Quebra Sonho, Quebra Vida

Queria que me tivessem dito,
quando era apenas um garoto,
que viveria minha vida inteira novamente,
em minha incansável e memorável consciência.

Queria que me tivessem dito,
quando era apenas um menino,
que meus bonecos e brinquedos,
na verdade, não tinham vida
e que meus amigos poderiam virar as costas
e seguir seus diversos caminhos sem mim.

Dessa forma, as frustrações
que viveria dali em diante
seriam aliviadas
e os sonhos que sonhei sonhar
teriam sido apenas imaginação
de uma mente adulta num corpo de criança.

segunda-feira, 29 de julho de 2013

Rascunhos sem cunho, apenas relato

Faço uso das palavras para registrar o mundo.
Poderia ter uma obra definitiva,
mas esta se tornaria rascunho quase imediatamente.

O mundo não para e nunca permanece o mesmo,
assim como eu, minhas palavras, meus poemas
e todos os rabiscos que faço no papel.

Faço uso das palavras para registrar o mundo,
ao passo que registro a mim na poesia,
que se extinguirá como tudo a minha volta.

domingo, 28 de julho de 2013

Observação #

... me sinto vazio como toda a merda que já escrevi
(que leram com prazer por conta de sua carência
de excelência, fundamento, sinceridade, amor e eloquência escrita)

... me sinto vazio, mas não como antes, quando achava que era e estava enganado.
era só minha mente começando a cair, começando a subir, começando a morrer

não tenho ninguém

não quero ter

q u e r o   s e r

          s ó   e u  
     e  
o   n a d a


q u e r o  s e r

s ó
        e u
  e
       o

v a z i o   d a   m o r t e

sábado, 27 de julho de 2013

Proselitismo

diz-se
do povo
que veio a este
com a função de mudá-lo,
ou reforçá-lo com sua ladainha,
ou extorqui-lo com sua ganância
e falsos valores morais e humanísticos.

diz-se
do povo
que veio a este
com sede e fome,
com interesse e crença
em gerar um pouco mais de lucro
e um pouco mais de fiéis que o trarão o mesmo.

Comprai, Senhor! Comprai nossa alienação!

placebo para este povo sofrido e descrente,
sem papa, sem dinheiro, sem tino!

e o que o Papa salvará com nossos poucos centavos?

creio que meu ceticismo e desconfiança
apenas fortificam minha visão
de que só a Igreja se salvará,
às custas do vasto custo, honesto,
que seus fiéis hão de pagar.

mas fé não é cegueira, fé não é salvação.
fé é placebo e um abrir de portas
para aproveitadores mal intencionados.

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Samobójców

s a m o b ó j c ó w
a
m
e     b u l l s h i t   e
                            v
                            e r y d a y

                               
Every night I just walk somewhere between me and my room
and all I can see is samobójców consuming me,
calling me to its depths,
teasing me...

depressing me.

Every night all I think is I'd like to disappear
and go somewhere I wouldn't be found.

Every night my tears fall down
and what they tell me is nobody likes
depressive people.

BULLSHIT!

The same bullshit everyday!
Incompetence and selfishness don't allow them to help
so they say all that shit they hide in their mouths!

I laught at them...
I cry because of them...

Only samobójców, can help me.

terça-feira, 23 de julho de 2013

Observação #20

Somos atores esperando
o fechar das
cortinas

Confiança

O cérebro codifica interpretação
e imaginação,
                             não realidade.

                     Posso estar errado
ao dizer que ela é perfeita
                 em suas imperfeições,

                 mas, o que interpreto
e imagino em relação
         à imagem que criei para ela

 tornou-se minha e sua realidades,

                    porque cada verso
que escrevo é um universo
  de amor, cuidado e sinceridade

     dedicado inteiramente a ela.

sábado, 20 de julho de 2013

Ela

Quando temos ninguém
temos medo de nunca encontrar
alguém a quem amar.

Quando temos alguém,
temos medo de acabar
com ninguém a quem abraçar.

Vivemos com medo,
mas, se não vivêssemos assim,
não daríamos valor a quem temos ou tivemos.
Se não vivêssemos assim,
o amor que sinto pareceria vão até para mim.

Essa é a natureza humana:
temer sair de sua zona de conforto, de felicidade...
o sofrimento.

E é assim como me sinto a seu lado:
livre, alegre, vivo, apaixonado...
como todo bom homem, temendo perder o que me faz feliz.

Observação #19

Não olhe em meus olhos,
não me quero refletido em seus,
nem mesmo aturar
suas interpretações
sobre meus inconstantes sentimentos.

Não olhe em meus olhos.

Não quero passar toda a tristeza
para um mero observador
da depressão que assegura
minha identidade oculta
nos versos que escrevo
apenas para meu entendimento
e solidão.

Não olhe em meus olhos
e seja feliz como nunca fui.

Seja feliz, saia pra passear,
chame uma garota para sair,
ria das pessoas que passam
e ria-se de si mesmo,

porque não tem coisa pior
do que viver morto
dentro de uma carcaça
putrefata e insuficiente

- somente para ela mesma.

sexta-feira, 19 de julho de 2013

Observação #18

Queria que minhas   p a l a v r a s   acompanhassem

       m
             e
                     u         s


                                                                       d
                                                                 i
                                                                      s
                                                                              p
                                                                         e
                                                                  r
                                                                      s
                                                                             o
                                                                        s  

               

                       e  

                                                 c o m p l e x o s              


                      p
            e
          n
             s
                   a
                        m
                       e
                         n
                        t
                             o    s

Observação #17

b e i j o s 

s ã o   u m a   f o r m a

d e   c o l o c a r   e m   g e s t o s

o   q u e   p a l a v r a s

n ã o   c o n s e g u e m   d i z e r

Estamos juntos

Sua cabeça lhe engana.

Tarde da noite, na escuridão
e silêncio de seu quarto,
seus pensamentos divagam
pelo medo do abandono e solidão.

Tarde da noite, suas lágrimas
molham o travesseiro e cobertor,
porque parecem ser seus únicos amigos
e os únicos que estão ali para você.

Sua cabeça lhe engana.

Tarde da noite, na escuridão
e silêncio de meu quarto,
reservo meus pensamentos
para aquela que amo.

Tarde da noite, minha preocupação
se destina a sua felicidade e bem-estar
e penso, e respiro, e devaneio
querendo saber se está tudo bem.

Sua cabeça lhe engana.
São só imagens que tentam lhe destruir
e, apesar de sua insistência,
permaneço a seu lado.

Continuo ligando e escrevendo,
continuo lhe abraçando e beijando
e, o que é mais importante,

continuo amando

aquela que pensa demais,
aquela que se distrai facilmente
e pensa que está sozinha.

E sua cabeça lhe engana...


Estou aqui...


... amando todo o amor impossível, com você.

quarta-feira, 17 de julho de 2013

Observação #16

Felicidade em demasia
é pior que tristeza na mesma condição.
Ao passo que esta lhe carrega para baixo,
aquela lhe proporciona sua própria submissão.

Reconstrução

É como se tivesse assassinado
meus poemas eloquentemente
e agora esteja desligado
de um poético viver inteligente.

A chuva já molhou as ruas
e os carros nadam pelas valas sujas.
Meu eu fugiu de mim
e agora vago com mãos nuas
em busca da liberdade que desconheço.

Procuro o incerto
na certeza de me deparar com a desconfiança
e repúdio alheios
- ainda muito discretos.

Procuro a esperança
(neste vai e vem para mim)
como um trem sem estação

e deveras entrego-me
por ter confiado demais
no potencial que sempre me salvou,

                                                              até então.

Confiar em si mesmo
é a genuína e honrosa
         salvação.

terça-feira, 16 de julho de 2013

O Ilusionista

O garoto ilusionista
criava seus mundos
de seus atos mudos
em ensaios versistas

                                                            Enxergava diferente
                                                            mas não o enxergavam
                                                            não o proporcionavam                                                          
                                                            valor em suma, realmente


                                                         
                                                            Era memória
                                                            na cabeça dos que se foram
                                                            para virar história;
                                                            era esquecimento para a maioria

O garoto ilusionista
criava suas dimensões
baseado em emoções
que só a ele importavam


                                                            O garoto versista,
                                                            dos versos vazios
                                                            deste poema frio,
                                                            escreve para que

                                                            não reprimam o que nunca antes pensaram.


E faz isso muito bem,
apesar de não gostar
de ser alguém
com o talento de rimar


                                                            E não ser alguém
                                                            que tenha companhia
                                                            do que chamam muito bem
                                                            de verdadeira poesia.





                                              Sou apenas

                                                             o garoto ilusionista,
                                              que

                                                       cria seus mundos

                                 de seus atos mudos

                                                      em  seus simples

                 ensaios versistas.

domingo, 14 de julho de 2013

Luvox

w
h
a
t

a n

i
n
t
e
r
e
s
t
i
n
g

t h i n g

I
'
v
e

d o n e

t
o

m y s e l f

d
e
p
r
e
s
s
i
v
e

t h o u g h t s

m
i
x
e
d

w i t h   a

d
e
p
r
e
s
s
i
v
e

m i n d

I

s h o u l d

h
a
v
e

k n o w n

i
t

w o u l d

t
a
k
e

m e

s
o
m
e
w
h
e
r
e

I   h a t e

s
o
m
e
w
h
e
r
e

b e t w e e n

l
o
n
e
l
i
n
e
s
s

a n d

m
e
l
a
n
c
h
o
l
y

s o m e w h e r e

t
h
a
t

c a n

o
n
l
y

b r i n g

m
e

d o w n

Das horas de tédio

Ella canta em meu quarto escuro,
pela janela entreaberta,
pelo céu nublado,
pela quadra iluminada,
por mim, que sinto-me inseguro.

E em sua voz ouço graves agudos
e agudos graves de um breve, hesitante sussurro

que não importa enquanto admiro a paisagem
pela janela entreaberta
pelo céu nublado,
pela quadra iluminada
por mim, que sinto-me vivo e desnudo.

sexta-feira, 12 de julho de 2013

Observação #15

sinto-me insípido como se meus sonhos tornassem-se sussurros
suaves saudando seus breves sabores em nossa relação.
sinto-me seu e meu e nosso e teu e vosso amigo, irmão.
sinto-me apoético e poeta de poucas palavras poucas e ralas
como se tudo que tivesse escrito neste poema
fosse apenas para perder o tempo do leitor, caro, colega de profissão.

Madrugando

- Vá dormir
                           
                              - Você não pode me obrigar
- Vá dormir
                           
                             - Estou sem sono
- Vá dormir
                           
                             - Tá bom!




- e ficou acordado até as três da manhã
lendo seus livros e falando com seus amigos,
enquanto o outro, autoritário e hipócrita,
via filmes com sua mulher e se divertia lendo
uma ou outra revista sobre um ou outro assunto
que ao um e outro já não mais interessavam.

Não se joga fora um livro de poemas

o não dito é dito

o maldito

                                          estranho

         esquisito


                                               o significado
                                                                               sem tino

palavras
                                          versos

                     

                           melodia

                                                             inversos

                           

interpretados

                                       como se jamais tivessem sido.

terça-feira, 9 de julho de 2013

Observação #14

Sempre vaguei por aí sozinho
(ou sempre achei que assim estivesse).
Escolhi por mim meus caminhos
e descaminhei, quando achei que para mim
nada realmente houvesse.

Aos poucos a solidão tornou-se opção
e me distanciei pensando que se sentiriam abandonados
(ou que a mim fariam menção,
ou que necessitassem meu eu a eles aproximado).

Nada disso adiantou e minha depressão me consumiu,
minhas lágrimas silenciosas e ocultas não cessaram
e a dor e tristeza que deveras senti quando meu mundo ruiu
apenas pausavam para um descanso enquanto a mim suicidavam.

Em meio a acessos de raiva e cada vez mais presentes cicatrizes,
vacilei na corda bamba que sustentava meu ego sem diretrizes
e perdi amigos, perdi emprego, auto confiança e personalidade
em mim  presentes, reais e distantes da superficialidade.

Já não havia esperança para os outros em relação a mim
e o que todos tanto temiam - não eu,
era ver um ardiloso e desnecessário "pôr fim", enfim,
na mente que criei para entreter o próprio mundo meu.

A imaginação misturava-se com a realidade,
o sangue ralo escorria nos papéis manchados
e eu limpava, e eu cortava, e já não sentia aliviado
- o braço sujo e envergonhado por tamanha atrocidade.

O silêncio, meu companheiro - me traiu.
Os amigos que considerei - eram falsos
- e os poucos que restaram andam descalços
sem preocupação com o que para eles sempre sorriu.

segunda-feira, 8 de julho de 2013

do trem

maior inspiração
viajar de trem sozinho
para nem perto
nem longe
com a certeza
de voltar para casa
para escrever 
um poema incerto

maior inspiração
encontrar pessoas
diversas, interessantes,
extremamente vazias
não que eu seja repleto
não têm propósito, todavia

maior demonstração
da maior inspiração
um poema de versos livres
de rimas aleatórias e esparsas
de sentimentos pessoais
e observações escassas.

Ensaio #1

Incrível como as pessoas se afastam dependendo do que acabamos nos tornando. Então, se nos desviamos (um pouco ou não) do que costumamos ser, elas tendem a ir embora, a se tornarem ocupadas ou simplesmente ignorarem. Isso pode provar como podemos ser substituíveis, ou então, como vivemos em função do que o outro representa para nós.

Se não estão de acordo com o que queremos, "simples, vamos embora. Não há razão para vivermos algo que não 'nos acrescenta'".

Egoísmo ou natureza? Sei lá. Fato é que é extremamente irritante para o abandonado (na vida mundanda e desinteressante das pessoas - sem exceção, incluindo a minha própria).

O maior problema emocional do mundo deve ser a frustração. Mas quem sou eu para dizer?

Achismo é a arte dos que perguntam. Nada mais.

domingo, 7 de julho de 2013

Da falência

querem voar em seus aviões de papel
e seguir seus sonhos ou desejos
sem que haja consequências.

se não houvesse, não haveria gente.

o povo se mataria em todas as esquinas
e a dor que se acumula nos contemporâneos
corações frustrados e cheios de medos e ansiedade
seria esquecida nos bueiros e becos escuros.

a desistência é mais acessível que o sucesso
- por isso a maioria é vã.
e, como admiram os que se dão bem em algo,
seguem os passos dos que se acomodaram
na estranha e irreverente superficialidade.

note como uma vida substituiria outra facilmente.

não existe ordem ou padrão. por isso conservadorismo é podre.
não existe desordem ou revolução. por isso sempre há um clímax
e extenso repouso depois.

o fim não existe.
a dor não existe.

contenha-se.
o sol nascerá pela manhã.

conheça-se.
questione e exclua-se da maioria anã.

Filosofia barata

este poema não existe,

pois passou dos sentidos à imaginação
e da imaginação ao mundo real,

fazendo existir dois mundos
e um terceiro, a intersecção,

que, teoricamente, não existe,
porque só é alcançada quando idealizada.

mas, como somos ateus em comportamento,
não idealizamos, apenas reproduzimos parafraseando.

logo, se criei este poema, não idealizei um terceiro mundo,
portanto, este não existe, assim como meus versos e eu mesmo.

Direto do meu quarto - para alguém

p a l a v r a s
                  e
                  m a i o r e s                                           s  e  m        
                                   i                                          a          e
                                   g                                        i              r
                                   n                                      e                 d  
                                   i                                     p                     a l g u m  
                                   f                                   o                                    a
                                   i                                  t                                          d i z e r            
                                   c                               a
                                   a                            m
                                   d                          o
                                   o                        n
                                   s          ã          o                                

Poética aos Namorados

Se o tempo passasse
e eu não dissesse tudo,
talvez o tempo que teria ido
tivesse sido nada.

obrigado por fazer parte da minha vida.
obrigado a todos, mas a você em especial.
obrigado por fazer parte de meus dias
e por ter tornado os mesmos mais agradáveis.

agradeço a atenção e carinho
que tivemos ao desfrutarmos momentos e versos
diversos e encantadores.

agradeço a presença e ausência,
e brigas, discussões
e os abraços e beijos, e nossos maiores amores.

Se o tempo parasse
e eu não dissesse tudo,
talvez não importasse,
porque tudo sempre esteve em meu olhar.

meus olhos para você, somente.

e, se, alguma vez, relutou em me amar,

espero que a mim venha encontrar, de repente,
com mais um beijo e abraço
para provar que, para nós dois,
o tempo dura eternamente.

Vendedor do quinto ou sexto vagão

anunciava doces de vagão em vagão
e gritava, e gritava, e quase não vendia.
me perguntava se seus pés balançando,
sua cabeça inquieta, mecanicamente, apenas,
seus lábios falantes, mas silenciosos, como um diálogo pessoal,
eram fruto da neura em lucro.

- apenas sustento.

seus doces, sua ansiedade, sua inquietação e necrose cerebral
eram filhos do desespero em ganhar umas notas, uns trocados

e não a riqueza verdadeira.

e essa verdade que a envolve engloba o material e todo o resto.
e todo o resto é apenas material,
para as mentes marteladas
pelo cansaço e gritaria, e movimento, e superficialidades.

anunciava seus doces pensando em roubar as moedas do colega,
enquanto conversava amenidades consigo mesmo.

eu observava,
em pé,
no começo do outro vagão.
eu o via,
mas não era visto,
pois seus olhos procuravam bolsos
e carteiras, e moedas, e dinheiro,

sem que suas mãos os alcançassem,
sem que seus intensos dias de luta e desespero
valessem alguma coisa, de fato.

quarta-feira, 3 de julho de 2013

Observação #13

Encontro-me sozinho e não reclamo,
porque a reclusão que a mim proporciono
é placebo, é remédio,
para a solidão que sinto.

Entenda.

Sou meu amigo.
É bom estar comigo, em nosso mundo.
É bom estar sozinho, quando sabe-se estar.

Sinto-me sozinho
e sinto muito
por partir, por abandonar
e parecer ausente - quando, na verdade, estou, de fato
- para meus colegas, amigos e "amigos".

E, quando essa impresença de mim mesmo (para mim)
me domina,
sinto-me sozinho,
sinto-me morto e abandonado

Sinto-me hipócrita por sentir tudo isso.

Estar sozinho não é ruim.
Basta ter bons olhos e divertir-se olhando o mundo e seus (d)efeitos.
Basta poetizar observando e observar a poesia do supérfluo.

Sentir-se sozinho é ruim.
Porque... ao perder minha própria companhia e amizade,
ainda que momentaneamente,

tenho ninguém.

Ou... sinto que não tenho.

Então,
sinto toda dor tentando sair e entrar em meu peito ao mesmo tempo,

sinto a angústia de toda frustração me consumindo.

Sinto muito por ser pouco.

segunda-feira, 1 de julho de 2013

Nada

                            Belle                        Ella

Ella                       Bells

                                                            Elle            

                            Bella                         Ells

Ella                                                       Bella

                             Elle                          Belle

                                                                     

                                                                                         7-Bello

Belle Époque




                                                   
                                                      n       o
                                                   
                                                               q
                                                                                               
                                                                  u
                                                                      a
                                                                  r
                                                             t
                                                        e
                                                    r


                                                                  w i l l

                                                                                              b e

                                                                  f i l
                                                                         l e d

                  w i
                        t h

                                                                                w o
                                                                                    r d s



                w h
                      e n
                                                             I

                                                                                                      s t a
                                                                                                             r t

                                                               s i n
                                                                       g i n'



  i n

                                                      p a
                                                            i r s

Abismo




Abismo mãos dadas melancolia solidão Percorro percurso
sozinho perdido grave matura imensidão Todos num
outro sou tudo gelado descalço
desnudo soturno
pegadas passos
vazio mente

                                                                                             e
                                                                                           
                                                                                             m
                                                                                             e
                                                                                             n
                                                                                             t
                                                                                             e
                                                                                                          m a l d i t o


                                                          a u s e n t e            d
                                                                                               o
                                                                                                          e
                                                                                       n
                                                                                               t
                                                                                                          e


                                       i n t e i r a m e n t e


entregue.

Observação #12

É estranho ver o mundo
e pensar que não o enxergam
com seus olhos.

Dos nomes e o que eles significam
às formas e símbolos
que representam o que representam para você.

É estranho, mas irrelevante.



Fim

Observação #11

Quanto mais se dorme,
mais rápido passa o tempo,
mas isso só é problema
ao se pensar amplamente,
no futuro terminável.

Se pararmos pra pensar,
o futuro infinito, o agora,
anseia repouso,
anseia momentos de espera,
chamados perda de tempo.

Idolatria

Não idolatro
por talvez dizer
que é fulano,
quando, na verdade,
é seu trabalho.

Não admiro vidas alheias
e sim o que elas legaram,
porque são cheias de erros,
mas seus legados
me inspiram a fazer meu máximo
para que tenham meus alogros
como perfeitos.

Não idolatro experiências,
porque tenho as minhas
- e, assim, não vivo em vão.

E preciso ser eu mesmo
e quem eu sou, apenas,
livre de influências,
para poder dizer:

este é meu legado,
não sou filtro,
não sou mais um
tentando seguir
um bem-sucedido
padrão.

Poética

versos
sinceros
sem
medo

sou
aquilo
que
de
mim
fiz

e
se
erramos
não
importa

pois
sempre
existirá
alguém
que
entenderá
os
caminhos
que
escolhemos

versos
sinceros
para
meu
amor

eu
a
amo
como
um
poema
intenso
e
infinito

do
tipo
que
sai
das
palavras
e
atinge
corações
despreparados
para
tanto
sentimento