sexta-feira, 30 de agosto de 2013

A cidade é como meu quarto

A cidade é como meu quarto.

Basta olhar para os lados
para encontrar caixas
nas quais guardo
o supérfluo de todos os dias.

Da mesma forma,
a cidade guarda pessoas
e suas coisas...
nos altos e largos edifícios.


Outro

Cortinas dobradas em inúmeras linhas,
e voltas, e pequenos detalhes,
que passam por nossos olhos
como pessoas numa densa multidão.

Mas estão ali do topo a seus pés
e dos pés à cabeça...
e nós aqui, em lugar nenhum...
desconfiados, ansiosos,
vivendo no mundo do "esqueça"
- por não saber como estar ou como ser.

Cortinas dobradas em inúmeras linhas
dialogam com a face gélida da janela vazia,
escondendo o mundo em suas costas,
cerrando nossos olhos para o exterior

e confundindo nossas mentes voltadas para fora,
jamais para dentro.

quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Viral

Aquele garoto que atravessa a rua
olhando para a garota falando no orelhão...

jamais será um grande escritor...
jamais será um grande artista...
um músico, filósofo, empreendedor
ou jornalista.

Será apenas mais um. Será igual.
Igual aos outros escritores,
artistas, músicos e filósofos...
empreendedores e jornalistas.

Talvez venha a ser como a garota.

Sei lá.

Abstenho-me dos hospedeiros para não ser infectado
pelo o agente da mesmice.

quarta-feira, 28 de agosto de 2013

Romantismo fajuto

Ó, amada dos lábios que rugiam...
despertaste o amor em mim
ao ver-te como uma rosa nua num jardim
enquanto despia versos que fugiam.

E sem teu encanto a mim presente,
que se faça de teu riso, o pranto,
da agonia enraivecida, teu canto
de minha vida, a morte iminente.

Reply (translated)

We don't think about everything.
Sometimes a word, an advice
or a simple poem, like this,
satiates our anxious heads
- illuminating the winding
ways of uncertain life.

Luck happens. Embrace it.

Resposta

Não pensamos em tudo.
Às vezes uma palavra, um conselho
ou um simples poema, como este,
saciam nossas cabeças ansiosas
- de forma a iluminar os caminhos
tortuosos da incerta vida.

Sorte acontece. Abracemo-na.

Imperfect Sonnet to the Wharf Poet (translated)

Clocks with no hands and torn
newspaper sections
print mental images:
masked and insecure.

Tish, the hermit that manages my learning
shares his old soul with my fetus-body…
and all I absorb is what I let
being absorbed – unconsciously

From the grizzled beard to the no-prudence-poems,
the wharf old man, stranger emigrant,
the wise-words-man, Buddhist by blood

Only divagates , as I, searching
For something in common with the poetic livers:
hands, glue… and internal security.

Diverse Poem (translated)

Upset for being thwarted
by the silence that echoed in the living room
when they read the fruits of his planned poem
that sleeps and let its verses rest.

From the blue and starry sky to the blackness of closed windows,
I dreamt of seeing a dark world, full of painted stars;
I dreamt of seeing human people and the moon man
walking, bringing hope to my naked face.

I have never been Shakespeare or Rimbaud, I'm not Poe and won't be Neruda.
I'll be myself and nothing much, for being this way,
because every word I speak or write will be deaf
and will hardly vary as time goes by for me.

And the music that sounds, sweats from my depths,
and the chords, the steps they dance,
the happy faces, scattered people, strangers,
don't get lost, never get tired.

I'm the variant poet, the oscillating poet...
I'm like a bird that glides in its imagination,
I'm the accompanied poet, lost in loneliness,
I'm a full train that derails.

On this side, the future - on the other, ancient mansions.
On that, decassyllable ladies, machines and sparse letters
suspended, watching old lanterns and scarse memories
from this youth, myself and I in my lying emotions.

Identify with my life written here;
read and savor my unhealthy and unrestricted poetry;
sing your original songs and don't copy others;
live with happiness - so the world won't gain another dead poet.

Soneto imperfeito ao Wharf Poet

Relógios sem ponteiros e cadernos
de jornais rasgados
estampam imagens mentais:
dissimuladas e inseguras.

Tish, o eremita que rege meu aprendizado
cede sua alma velha a meu corpo-feto...
e o que absorvo é apenas o que deixo
ser absorvido - inconscientemente.

Da barba grisalha aos poemas sem tino,
o velho do cais, emigrante estrangeiro,
sábio das palavras, budista de sangue

Somente divaga, como eu, em busca
de algo comum aos poéticos viventes:
ponteiros, cola... e segurança interna.

segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Amizade e coleguismo

A maioria é substituível,
assim como eu,
para parte dela.

A minoria é de cada um.
Mas cada um não sabe
quem dela faz parte,

porque o colega mais chegado
é o amigo por conveniência,
não o irmão de outro sangue.

A maioria é substituível.
Sim.
Mas não você.

Não para mim,
Não para alguém.
Alguém certamente não substituível

Também para você.

E nesse vai e vem,
descobrimos, aos poucos,
quem importa para nós.

E os que se foram...
se foram...

os que permaneceram,
estão aí.

Podem ir embora?

Sim.
Mas quem sofre com o futuro
somente deixa o presente escapar.

Antiantrópico

O homem é o mal do homem.

Comprimido

Lúgubre
  Um
     Vasto e
       Oculto
          X

                  se espreita em minha cabeça

e
       as noites de sábado se tornam pesadelo;

e os domingos angustiantes


e, quando a semana começa,
   
                meu sofrimento segue seus passos.

                                     

                                 Agora, sem grandes desejos e projeções,

                             sem grandes amizades,
           
                        sem grande interesse...


                                       tudo que a mim encontra
                                       
                                                 se distancia sem hesitar
                                                 
                                                              - imitando meu isolamento.


Lúgubre
Um
Vão e
Odiado
X

Mergulha em mim
Enquanto

Meus
Amigos
Tratam de
Ocultar meus problemas
Um a um.

                                                                                Os brancos e redondos;
                                                                                Os pequenos e cilíndricos;
                                                                                Os coloridos e triangulares...

                                       são todos meus amigos.

             Companheiros de noites...

                            supostos refúgios.


                                                                                                  Pena sempre chegarem na mesma hora.
                                                                                                  Pena sempre chegarem em má hora.

                                                                                                  Samobójców,

                                                                                                  Uma pena não ter-lhe como colega agora.

É

Dias
perdidos
à
minha
perdição
são
apenas
dias
perdidos.

São
como
todos
os
outros.

São
como
nenhum.

São
como
o
que
nunca
vivi.

São
vazios
como
eu.

sexta-feira, 23 de agosto de 2013

O eu mais seu que meu

Enquanto falam, divago
vagamente
por minha cabeça dispersa,
e assim encerra,
sem sair de si,
o que chamo de digressão pensante.

Não sou comum;
jamais fui mundano...

Estou perdido em algo (em mim),
que nem mesmo conheço...
que nem mesmo reflito
ou tento descobrir
profundamente...

O fim de minha diáspora interna
resume-se à fuga do eu,
que remete ao externo
e infindo enigma de mim.

Mas não entendem,
porque não vivem,
que meu cansaço nunca foi físico
e que envelheci apenas mentalmente...

Não percebem
que aos poucos morro...
e que minha mente se encerra,
sem sair de si mesma,
como um singelo e flagelado
poema incompleto.

Poema sem rimas ou versos;
poema não definido,
sem conclusão.

Poema que torna meu eu
mais seu que meu;
poema que foge de mim
enquanto minhas palavras
corroem-se em dispersão.

quarta-feira, 21 de agosto de 2013

Relativo

A realidade realmente não existe.
Nega sua forma mentalmente
nas cabeças dispersas, individualmente,
enquanto anunciam o "real" em riste.

Se, para mim, versos versificam o nada,
para outro, a poesia agrega.
Mas, enquanto o poeta poeta se nega,
tornarei minha escrita abandonada.

A realidade realmente é relativa.
Transfigura-se em pensamentos distantes,
que se alinham em diversos instantes
na cabeça do povo, irreal e inativa.

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Corrosão

minha cabeça dói
                          embaralha-se em suas cartas e pensamentos

                          dispersos e unidos, como toda confusão des
                                                                                             crita em poemas vazios.

minha cabeça dói,

dois,

meu peito arde em chamas
                                        e grita, desesperadamente, por ajuda!

                                 
                                                                                     desapareça
                                                                                     suma daqui
                                                                                     não preciso
                                                                                     da
                                                                                     companhia
                                                                                     dos
                                                                                     desacompanhados
                                                                                     como
                                                                                     eu e você.

minha cabeça gira, meu corpo dói,
meu ego arde e minha inútil arte
ainda me corrói.

                                                                             e estes versos perfurantes,
                                                                             que denigrem minha imagem
                                                                             a mim mesmo e a todos vocês,
                                                                           
                                          são a chacota
                                          da variedade
                                          de
                                          poemas
                                          que
                                          escrevi
                                          por puro ódio
                                          e inconsciência.

minha cabeça dói...

                                                          o que resta é esperar

                            enquanto meu final ateu

                                                           me enterra eternamente
                                           

                                                  em mim mesmo

   enquanto meu peito digere

                                             as palavras que escrevi,

                     e não entendi...

                                                                  enquanto o tempo me destrói.

Finda Eternidade

Vivia para ser como os outros.
Vivia para comprar o que quisesse
e seria o que bem entendesse,
quando esse impossível dia viesse.

Fui povo por muito tempo
para atingir meus maiores objetivos:
comprar um eletrodoméstico em cinco vezes sem juros
e me matar de trabalhar para ganhar chulos adjetivos.

Vivia para ser como os outros,
assim como os outros fazem
sem perceberem que são o que odeiam,
mas ainda não sabem.

Vivi muito tempo sem viver
e vivi sendo alguém sem ser

hoje vivo para viver para sempre
e não me arrependo de sofrer.

domingo, 18 de agosto de 2013

Um peso a meu eu

Carrego o peso de ser quem sou
por ser nada
por ser tudo
e dúbio
ao mesmo tempo em que minha contradição
torna-se coerente
a meus olhos acostumados.

Carrego todo o peso do mundo
por pensar
por amar
e sofrer
com todos os pensamentos que assolam
minha mente
extremamente funcional.

Carrego o peso de ser alguém
por ser alguém
por ser ninguém
e outrem
aos que passam e olham e somente passam
e olham
o que a superfície os permitem enxergar.

Carrego o peso de ser quem sou
por ser
por não ser
e querer
ser o que não sou ao passo que quero
ser quem sou,
e querer realizar os sonhos de meu eu indeciso.

sexta-feira, 16 de agosto de 2013

Poética



Página destinada aos amantes da poesia. Nela também divulgo alguns de meus poemas, mas, principalmente, poemas de diversos autores que marcam e marcaram a Literatura de alguma forma.

quinta-feira, 15 de agosto de 2013

Ao lixo que idolatram

O céu resplandece um azul e branco imiscíveis,
e os animais alados que percorrem sua vastidão
tornam-se silhuetas esparsas, invisíveis,
aos que idolatram a cegueira, escravos da mera visão.

A névoa inadimplente a seus olhos cerrados
petrifica sua criatividade e bloqueia a imaginação.
A relutância ao supérfluo e vãos insignificados
faz de você um simplório e distante ser, não é meu irmão.

E é assim que a grande maioria se comporta:
de forma reverente ao lixo que todo dia se produz,
desvalorizando verdadeiros e espalhados talentos flux,
motivando-me a olhá-la com a face torta.

E é assim que genuinamente me sinto:
um verdadeiro poeta em desenvolvimento, perdido
em seus versos tidos, para mim mesmo, como abrigo;
inundando-me em poemas não usuais, nos quais eu minto.

O céu resplandece um azul e branco imiscíveis,
e os porcos que reviram latas buscando ouro
tornam-se silhuetas esparsas, invisíveis,
aos que idolatram a profundeza do bom agouro.

Eco

Quantas conversas ecoam em seus sonhos?

O que se passa em sua mente?
Imagens jogadas, diálogos intensos,
monólogos, fantasias, ou si mesmo, apenas,
refletido em um espelho fragmentado?

O onirismo de antes, em mim,
foi substituído por pensamentos realistas,
verossímeis, mas impossíveis.

Entretanto, menos imagens vêm
e mais palavras ecoam...

mas eu não ecoo tanto.
Quantas palavras ecoam em seus sonhos?
Quantas vezes ecoa consigo mesmo?

Talvez conversemos mais, por dentro, quando queremos
achar a razão e os caminhos do eu
e menos, quando o externo mundo
passa a ser menos interessante.

quarta-feira, 14 de agosto de 2013

Você é algo que me faz viver

Muito tempo passamos sem ter alguém
e, durante esse extenso momento
- quando os relógios se apaixonaram
e se esqueceram de nós dois,
acostumamo-nos sem nos acostumar
com o abandono que nos foi destinado.

Mas,

apesar de sofrer todo o sofrimento do mundo,
aprendemos a amar o amor dos que jamais o tiveram;
dos poetas e versos...
que tanto tentam explicar
seu próprio amor...

Aprendemos a confiar e viver
e ainda aprendemos...
porque, se estamos refletidos um nos olhos do outro,
é preciso saber que, de alguma forma,
fazemos parte do outro.

É preciso saber que, se fazemos parte do outro,
nos importamos, nos divertimos, nos preocupamos
e, de fato,
realmente amamos...

Existe algo em você.
Sim, existe.

Existe algo em você que me faz sorrir
para os loucos que julgam minha loucura,
para os que atormentam meus dias...
para as frustrações que me ocorrem.

Existe algo em você que me faz ser alguém
e ser alguém para você.
Não sei o que ou como, nem quando ou onde age,
mas sei que tenho vontade
de passar horas lhe admirando.

Tenho vontade de passar minha vida a seu lado
e de me apaixonar cada vez mais
- como fazemos quando nos amamos,
como fazemos sempre.

E é esse seu segredo:
ser tudo sem se dar conta.
Ser tudo para mim sem perceber...

e, por isso, amo o amor dos que não tiveram,
dos poetas que nos observam em pequenas coisas...

por isso amo todo o amor do mundo para você.

segunda-feira, 12 de agosto de 2013

Milonga

Quando meu ser
                           não se encontrou,

caminhei

              escutando o canto

             dos pássaros

que beijavam as flores coloridas

com suas finas bocas alongadas.



E voavam...
                       e voavam...

                                     e nunca se encontravam.


Era como se fossem retas paralelas

                                                  fadadas à contradição

                   de andar em direções contrárias

sem sentir a imensidão imaginária

                              da realidade de seu semelhante.




                                                       Ainda esperam que as folhas caiam,

                           que o frio chegue,

que as plumas sumam...


                           para que possam finalmente parar

                                                                                 e                                                  

                                                        voar
                                     e
            voar...

e perecer em um galho seco

                                                ou árvore escondida,

lamentando
                         ter perdido a oportunidade

de conhecer

                            outros seres...

                                                                      ...incríveis como eles.

domingo, 11 de agosto de 2013

Merda

A cor de seu cabelo
não importa.

Se for preto, não tem cor;
se for branco, tem todas;
qualquer outro é mistura.

Atribuem determinado nome
ao que prevalece.

Seu cabelo é da cor que quiser,
se for pensar com olhos abstratos.

sábado, 10 de agosto de 2013

Digressão

Dos poucos que restavam a seu lado, o único que realmente parecia estar ali era seu melhor amigo, ele mesmo. Tardes passaram juntos até que este se foi, levando consigo toda a esperança, tino e felicidade que o tirariam daquele estado entre a melancolia e morte, o que, devo ressaltar, sempre foi frequente, até mesmo quando seus sorrisos pareciam eternos; até mesmo quando a eternidade o consumiu e o destruiu, restando-lhe um aborto de emoções. E você, caro leitor, enquanto gozava de seu ócio, lendo um poema ou conto, ele caminhava, sozinho, por trilhos vazios, abandonados, esquecidos, assim como ele. Isso me faz lembrar de Alone, o poema de Edgar Allan Poe. Nele, o eu lírico se via diferente, demonstrava exclusão, ainda que pessoal - ou não - e isso é explicitado ao dizer que tudo que amou, amou sozinho, bem como meu eu lírico. O eu eu.

Desde a reclusão que atribuí a nosso garoto deixado de lado, percebi que o que lhe faltava era uma personalidade, um passado, uma história, de fato. Sem isso, seria apenas um projeto de contista projetando um texto enrolado. Ao fazê-lo, entretanto, serei um contista, cheio de apelidos e prestígio - não sei quais nem quem me considerará - e talvez seja melhor não saber - além de ter um verdadeiro escrito enrolado. A questão é: não estão prontos para coisas diferentes, porque não têm capacidade para interpretar ou enxergar além do que se vê à primeira vista. Vejam... o garoto era raro, era diferente. Parecia estar sempre atento a tudo, como um verdadeiro poeta sem versos, com seus olhos bem abertos para todos os pequenos e vastos detalhes. Perdido em suas digressões, era imaginativo, não fantasioso; era vivo, apesar de morto em sua mente, mas não existia. Era fruto da imaginação de um escritor egocêntrico e incoerente. E, tendo esse rapaz como exemplo, posso dizer que o que escrevo será sempre confuso e jamais entenderão muito bem minhas palavras - até que seja revelada minha genialidade ou extrema falta de eloquência escrita.

O jovem, perdido, foi criando mundos a sua volta para cada situação que lhe era apresentada. Se um estranho aparecia pedindo informações, rapidamente o imaginava como um mapa em branco, com rotas sem nomes e lugares disformes; se alguma conversa alheia o chamava atenção, rapidamente fitava os participantes a fim de descobrir se algum blefava, se algum sorria ou se deprimia por dentro. Não sei ao certo, apesar de, se quisesse, poder ter feito uma explicação, mas tenho a impressão de que só conseguia imaginar todos os sentimentos de alguém e com tamanha profundidade, porque os seus se extinguiram aos poucos, carregando seu orgulho, seus amigos, sociabilidade, talento e caráter ao longo da torrente de conflitos contra si próprio.

Outro fato a se destacar é sua introspecção e timidez. Quem nunca sonhou em ter voz? Quem nunca sonhou em falar o que pensa, e refutar, ou argumentar, o que se ouve? O garoto era dúbio. Conseguia falar sem abrir a boca e ouvir em total silêncio, esperando o momento certo para lançar uma simples frase que acabaria com o complexo discurso adversário. Mas tinha problemas, era oco... parecia pensar demais... até se cansar e jogar tudo aquilo fora, partindo para o ócio e angústia, a qual somente o trazia cicatrizes aos braços e necroses ao cérebro. Mas não quero falar sobre isso, estou farto.

Havia, em sua escola, um ou outro com quem falava, mas, em suma, era o "garoto do fundo", do canto. Passava horas lendo livros variados, de autores diversos, sem que emitisse som qualquer. Um se aproximava, todos se afastavam... e essa era sua rotina. Ao chegar em casa, fazia o mesmo, mas trocava alguns momentos por um pouco de diversão: música e computador, o que, para ele, era o meio mais sincero de exorcizar seus demônios, em atividade, de seu corpo. Contudo, nada disso é relevante, visto que não tenho o menor interesse em prosseguir - e você também não, já que é humano (eu imagino). Quero dizer... ninguém quer saber da vida do outro, em geral... só fazem isso por cortesia ou para se socializar. A falsidade é predominante em nossa sociedade e, se isso acontece, há de se esperar que não se interessem, na verdade, por qualquer coisa que saia de sua via oral. Deve haver interesses ou falta de personalidade para que isso ocorra, mas não posso dizer, não sou filósofo, apenas divago e digrido.


Talvez não tenha nascido para fazer contos
já que não me acostumo com o hábito
de escrever em linhas e excesso de pontos;
talvez seja apenas um enrolado contando
o que os outros chama de confusão;
talvez seja apenas alguém sonhando
em abster-se de sua própria solidão.


E assim ficou, durante anos: depressivo, sozinho, sem muita profundidade aparente, apesar de sua vastidão enigmática e labiríntica ser equivalente ao mundo real (não criado por ele). Excluiu as pessoas de sua vida, procurou o isolamento e matou os deuses, considerados placebo, para ele... porém, nada adiantou, pois estava se adulterando mentalmente. Aqui interrompo para fazer o seguinte comentário: mesmo que quisesse uma cura, não seria ouvido, porque problemas mentais são comumente ligados a insanidade o que, não necessariamente é a mesma coisa. Loucura não é sinônimo de depressão. É que, como disse antes, ninguém liga. Só ligam quando passam a viver determinado fato ou fator. Além disso, esse assunto já está ficando chato. Seria muito melhor interromper atividades quaisquer e sentar, tomar um Guaraná e assistir a um jogo de futebol enquanto um belo sanduíche sorriria para mim. Entretanto, devo terminar a vida do garoto - sem nome. Mas antes, já perceberam que um conto bem narrado faz com que tudo pareça reflexão? O resto é descrição. E não estou enaltecendo meu logro ao escrever tamanho texto, mas sim meu sucesso ao escrever um texto explicando o porquê do mesmo e ainda contando uma história por trás. Nem Nietzsche seria tão egocêntrico. Ecce Homo!

Um belo dia, o jovem acordou com desejo de escrever... e passou a poetizar a poesia que já era viva em seu âmago. Desde então, criou muitas coisas, desejou ser Rimbaud e ficou satisfeito ao se dar conta que tudo era uma pilha de lixo confuso para seus leitores esparsos. Significava que agora era poeta de verdade. Num outro momento, sua namorada pediu que escrevesse um conto (para que ela tomasse conhecimento de como seria, para um poeta, fazê-lo). Ele o escreveu, mas ainda não terminou. Pense bem: num texto como este, quanto mais escrever, mais distante estarei do fim; quanto menos escrever, menos concreto será o final - apesar de quase nada ser concreto daqui para cima. Disse que seria um contista privilegiado se criasse uma história, personalidade e caráter para o rapaz. O fiz. Basta saber que é recluso para saber que não me revelaria nada. Ou melhor, eu não revelaria nada de meu fiel amigo, por ora, eu mesmo a você. E não vou. O final do conto só virá quando o final do poeta chegar, logo, a incerteza chamada futuro continuará verossímil... como este, o conto do eu eu.

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

Poética ao Poeta

Torno-me menos frequente e mais poeta
e, por isso, não escrevo em versos
tudo o que meu coração vê,
tudo o que sente ou repudia.

Os autorretratos que pintei com palavras
viraram páginas em branco para o povo,
para as pessoas que abandonei,
para os que deixei por aí

vivendo por si próprios,
com um sorriso, o meu, a menos,
com um vazio inerente a seus egos,
causado pela ausência do meu, agora.

A escuridão e monotonia que observo em tudo
vem do mal-estar que perfura minhas entranhas,
que me enoja e amedronta,
que desiste de mim e me faz desistir de tudo.

E tudo que preciso está a quilômetros de distância,
precisando de mim também,
precisando de meus poemas,
precisando de mim ali...

É por isso que ainda vale a pena ser algo
- apesar de todo o resto ser nada,
ser vão, fútil e desnecessário,
a meus singelos e dispersos olhos.

quarta-feira, 7 de agosto de 2013

Desespero

Desespero me escorre ao ver sangue prostrado

na parede de meu braço nu e revoltado

com os que se recusam à sensibilidade,

que se enojou de suas fúteis e cruéis realidades.



Agonia se lamenta por estar deveras presente,

o que torna sua estada cada vez mais ausente

porque já nem percebo o que antes percebia,

quando sua presença, para mim, era só melancolia.

domingo, 4 de agosto de 2013

Enquanto escrevia

Enquanto liam um poema qualquer,
o desconstruía a fim de construir a mim mesmo.
Enquanto invadiam casas abandonadas,
eu as abandonava - para diluir minha solidão
em formas concretas.

Enquanto jovens amam amores semanais,
o meu ainda dura, o meu ainda vive...
Enquanto suas marcas importam mais que suas almas,
a minha repousa em outra, criando laços
que nem o mais puro humano sonha em ter.

Enquanto enlouqueço e alucino,
os outros deixam de existir e tornam-se faísca.
Enquanto penso em meu fim,
vejo outros aniquilarem-se por poucos centavos
e menos dignidade.

Enquanto agonizo,
minhas palavras tornam-se hinos para bocas fechadas.
Enquanto agonizo,
meus sonhos percebem quão ocos são os seres.

Carolina

Ela se encaixa em meus braços
e se encolhe como se aquele fosse
o último abraço que receberia
de seu poeta preferido.

Toca os lábios em meu pescoço
e trocamos palavras,
e lamentamo-nos por serem tão insuficientes
para descrever qualquer coisa que sentimos.

Basta um olhar para que o mundo se oculte
em nossos ataques de riso, e confissões,
e beijos, e abraços e carinho sem razões...

Basta um olhar para que o mundo se afaste
e deixe que nos amemos (para que ele mesmo aprenda
que nenhum poeta precisa de palavras

para ser poesia na vida de alguém).

Fleetwood Mac

Tenho saudade de algo que nunca vivi
e essa é a maior saudade que tenho.

sábado, 3 de agosto de 2013

Autorretrato Externo

O crepúsculo da madrugada age nos pobres de alma,
enquanto eu, carente de atenção, desfaleço por ser raro.

Grupos conversam; garotas coaxam;
rapazes entregam-se à estupidez;

todos fracassam à boemia.

Aqui escrevo.

Cada vez mais, chegam.
Não suporto suas companhias desacompanhantes.
Cada vez mais, se mostram ausentes de vida.
Existem, apenas, esses indivíduos.

Uma menina me observa a observar.
Não vejo seus olhos opacos.
Uma mulher quer falar comigo.
Talvez devesse me isolar um pouco mais.

Dois garotos comentam seus desejos sexuais,
mas ninguém quer ouvi-los
porque já têm que se preocupar
com seus possessivos individualismos e futilidade.

Permaneço incompreendido.
Julgado por ser eu mesmo e não um mero reflexo;
esquecido por ser diferente;
repudiado por não baixar a cabeça para a merda que são.

Universo Dissuasivo

Expor ideias para si ou para outros,
converter-se e proselitar,
adquirir, moldar, refutar e argumentar,
ir tornando-se algo novo aos poucos.

A arte de falar menos que os ouvidos
mixa-se ao silêncio de seu coração
no momento em que a retidão
deve ser decretada, em nós, sem ruídos.

Deve-se analisar e realmente refletir com disposição,
não negar tudo que é novo ou estranho,
não julgar o gago, tímido, mudo ou fanho
mas ouvir suas palavras e ensaios - de opinião.

Filosofar é viver um mundo pensante,
dúbio e complexo, interna ou externamente;
é fazer da emoção um pensamento distante
para em fim compreender esta vastidão eloquente.