sábado, 8 de fevereiro de 2014

Noite

o barulho do chuveiro do vizinho,
as portas que se abrem e se fecham sozinhas,
o latido gélido de cachorros de rua,
as luzes noturnas da cidade sem voz.

Já é noite.

os ônibus que passam levando consigo casas desbotadas em escuridão,
os gemidos de casais amorosos,
a TV ligada, a música ecoa.
Ainda é cedo para poesia.

Mas é noite.

o canto de crianças atemporais,
as inúmeras luzes que chovem sem ser vistas durante a chuva solar,
o liquidificador, a vitamina, o sanduíche 
e a saudade.

É noite.
É.

Nenhum comentário:

Postar um comentário