segunda-feira, 31 de março de 2014

Composição

tanto acontece nas palavras de um poeta,
tamanha cólera serena de vozerios silenciados,
que, quando se achavam (em demasia) delimitados,
se descobriram e afloraram os caminhos da criação.

tanto acontece, mas sempre no monólogo entre si e si mesmo,
tamanhos anos se passaram sem versos de eloquência,
e não se desdobraram novos poemas em sutil sequência,
pois não se encontra alegria na realidade da inspiração.

somente se fugisse das multidões que me habitam
seria correspondido com o amor das letras de meu universo,
que, reunidas compõem meu fantástico mundo, sutil, inverso.

e somente se a solidão me abandonasse e cantasse estações taciturnas,
teria amado muito mais do que eu mesmo pude
- para escrever um poemas branco, dedicado, e perfeito, amiúde.

Nenhum comentário:

Postar um comentário