sexta-feira, 2 de maio de 2014

Dois amantes

Dois amantes são histórias que se cruzam,
as sombras que se unem, as mãos que se tocam
em um silencioso e gentil gesto, que deixa apenas um sol
só, sozinho, esperando uma gota de lua,
uma alma que o sustente sem que dependa da outra.

Dois amantes são o prazer e desejo,
a vida e morte que se alternam para que sobreviva
o amor que depende dos erros, dos enganos,
dos beijos e abraços sem sentimento,
mas também do mais puro e poético poema de amor.

Dois amantes são natureza e eternidade,
e, eternos um ao outro, fecham-se em asas
trazendo-os um ao outro em sonhos pontuais
e misteriosos, que só quem ama
é capaz de compreender.

Dois amantes são histórias que se cruzam,
as sombra que se unem, as mãos que se tocam
em um silencioso e gentil gesto, que deixa apenas um sol
só, sozinho, esperando uma gota de lua,
uma alma que o sustente sem que dependa da outra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário