quinta-feira, 22 de maio de 2014

Esmeráldicos

amo por amar-te, amor.
nem sempre sabendo-te
ou aproximando-me,
mas sempre por sê-lo
intensa e copiosamente,
por ti, teu mais singelo
e verdadeiro amor.

amo por amar-te,
nem sempre semeando
e disseminando palavras não ditas,
palavras e versos para ti,
versos e poemas para
os eclipses e crepúsculos
de nosso amor.

nem sempre saberemos
nossas angústias e medos,
nossas glórias e segredos,
nossos passados e futurações.

nem sempre conheceremos
nossas mazelas e desassossegos,
nossas vitórias e desenganos,
nossas alegrias e depressões.

amo por amar-te e por não amar-te, amor.
nem sempre refletidos um no outro,
nem sempre reconhecendo-nos ao som do sol
e a luz do mar esmeráldico de teus olhos.

amo por amar-te e por não amar-te, amor.
nem sempre refratados em espelhos transversais,
nem sempre curando a dor de nossos corações
com um toque no peito, um beijo no rosto, um abraço apertado.

amo por amar-te, amor.
amo a imagem que criei de ti, amo a ilusão que é amar
e amo... solitário... amo... amo com um coração acamado
a ilusão e aventura que é contigo sonhar, meu amor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário