quarta-feira, 25 de junho de 2014

C.

Em meio às colinas tortas e avenidas de teu corpo,
perco-me inundado de sorrisos resvalados.
Breve, solto e apaixonado em meus lábios,
encontro os teus, paralelos e distantes;
desencontrados e perdidos; apáticos e solitários.

Quero teu triste riso contente. 
As maçãs do rosto já não me satisfazem.
Mentem e calam-te sem deixar rastro de quem és,
e tuas angústias se tornam meu maior pesadelo.

Quero teu doce amor por querer-te.
E, se quero-te, é por amar-te.
E, se amo-te, é por saber que um dia
me amarás também.

Mas, enquanto isso, em meio às colinas tortas e avenidas de teu corpo,
perderei-me inundado por tanta beleza e esplendor.
Breve, passarás meu coração do frio ao fogo,
resolverás os enigmas de minha mente,
e, se falhares: ainda te chamarei de amor.


Nenhum comentário:

Postar um comentário