terça-feira, 3 de junho de 2014

Reflexão

Ninguém se vê em meio à torrente
de sentimentos inválidos e indevidos
que nos fazem sentir indecentes,
idiotas, tolos e doídos.

Ninguém se vê em meio à multidão
de culpa e atraso, e pesar
que se instaura amiúde num coração
despedaçado e consumido.

O amor e amizade que existiam
se foram, nus, por aí. Esvaíram-se
e tornaram cinza o sentimento de outrora.

E, agora, gélidas palavras
e secos momentos imperam em meio
ao sofrimento que ele lhe causou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário