quinta-feira, 3 de julho de 2014

Olhares

Um olhar suspeito se esvai, estranho,
enquanto sinto pena de mim mesmo
porquanto viajei décadas a esmo
procurando o que se foi antanho.

Desse olhar, de lânguidas retinas,
a sombra tua se distancia abruptamente,
conquanto teus olhos, sobretudo eloquentes...
- minh'alma a ti se inclina.

Esse olhar, desbotado em tuas cores,
se esgueira por meu triste passado.
E já não sei o que há de inusitado
em esconder antigos e doídos amores.

Um olhar suspeito se esvai, estranho,
enquanto sinto que já me fui,
pois minha esfera já se anui
procurando o que se foi antanho.

E... me fui sem ir, ao certo.
Já não me querem aqui,
mas não sabem o quanto sofri
por não me quererem perto.

E... repouso, ainda, lânguidas e fusileiras retinas
nos que se foram e me deixaram,
nos que se foram e se entregaram
aos malefícios e maldizeres ocultos por densa neblina.

Um olhar suspeito se esvai, estranho,
enquanto sinto pena de mim mesmo
porquanto viajei décadas a esmo
procurando o que se foi antanho.

Nenhum comentário:

Postar um comentário