sábado, 26 de julho de 2014

Silencioso

Mulheres cantam canções desesperadas,
crianças e a frescura nos olhos da manhã,
eu... eu escrevo a melancolia que arde em seus peitos.

Por estradas de sangue e o frescor do crepúsculo,
caminho, triste, impetuoso, violento,
em meio ao silêncio que me veio e vem:

Um silêncio que se perde na treva,
no entanto, parece ser o que,
por enquanto, chamo de solidão.


Nenhum comentário:

Postar um comentário