quinta-feira, 21 de agosto de 2014

-

Ao fechar as portas de minha mente,
não quero que se perca em solitude,
em pesadelos obscuros, em meu sangue
desbotado como a bandeira desta pátria.

Quero que entre com seu céu em meus olhos,
negros como o próprio céu noturno.
Quero que revogue as sombras, que afaste de si
o mundo cruel através do que te caracteriza: o amor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário