domingo, 23 de novembro de 2014

Estilhaços

Nos estilhaços do espelho,
refletem-se o sangue, a nuvem,
a face resumida em fragmentos,
vislumbrando meus mais tênues desejos
de ganância e vastidão.

Sou o plano do plano da solidão;
sou a instabilidade egocêntrica da retidão.

Sou o fogo que consome a esperança.

Nenhum comentário:

Postar um comentário